Sermão preparado pelo pastor Jim Witteveen
Leitura: Provérbios 05.01-23
Texto: Tiago 01.12-18

Amada Congregação do Nosso Senhor Jesus Cristo:

A sabedoria do mundo nos diz que existe uma entidade sem nome e sem rosto por trás de toda luta e fracasso humanos. Seja qual for a entidade, como é definida, essa entidade é a razão pela qual as pessoas recorrem ao crime, porque as pessoas participam de comportamentos anti-sociais, porque elas são violentas, porque são sexualmente promíscuas, se não abusivas, por que as famílias quebram e porque parece que os relacionamentos não podem durar.

Essa entidade é conhecida por alguns nomes. Pode simplesmente ser chamado de “sociedade.” Por que uma pessoa não consegue ser membro produtivo de sua comunidade? É culpa da sociedade. É a sociedade que fez dele o que ele é. Por que outra pessoa está preso, e por que ele foi preso repetidas vezes, sem a capacidade de quebrar o ciclo? Mais uma vez, é essa entidade misteriosa, “sociedade,” que está culpável.

Mas junto com os males sendo perpetrados por essa besta mítica chamada “sociedade,” há outra força que é considerada ativa no mundo de hoje. Aparentemente, essa força, também um poder impessoal, tem um impacto ainda maior do que a sociedade e a pressão da sociedade. E essa força inescapável é chamada de “passado.”

Por que uma pessoa é abusador de crianças? É por causa do seu passado. Por que outra pessoa é viciada em drogas? É por causa do seu passado. E por que alguém é alcoólatra, ladrão ou glutão? É por causa do seu passado. Essa força, “o passado,” também tem outros nomes – também é chamada de “experiência,” ou “infância.” E junto com a “sociedade,” “o passado” passou a ser visto como a causa dos “erros” de muitas pessoas – ou o que costumava ser conhecido como “pecados.”

Não há nada novo neste jogo de culpa. Tudo começou no jardim de Eden, quando Adão culpou Eva, e culpou Deus por lhe dar Eva, quando Eva culpou a serpente. Durante séculos, a desculpa foi, “O diabo me fez fazer isso,” Agora, é claro, a existência do diabo tem sido questionado, e Deus muitas vezes só entra em cena quando é conveniente. Então o bode expiatório, o objeto de culpa, muda. Em nossa cultura, quando tantas pessoas dependem das outras pessoas para seu bem-estar, a responsabilidade pessoal foi expulsa junto com muitas outras crenças supostamente fora da moda.

Os adolescentes são impulsivos e tomam decisões ruins porque a parte do cérebro que nos permite pensar nas consequências, considerando os resultados de nossas ações ainda não foi totalmente desenvolvida. Os pedófilos abusam as crianças pequenas porque foram condicionados a fazer esse tipo de coisa. Jovens perturbados matam por causa dos videogames e dos filmes violentos que assistiram.

O fato é que a culpa pode ser atribuída a praticamente qualquer pessoa, ou qualquer coisa – seja a sociedade, nossa criação, nossa genética, ou as substâncias químicas em nosso cérebro, seja nossa história familiar ou nossa fisiologia. Mas em nossa cultura hoje, uma declaração que você ouvirá muito raramente é essa: “É minha culpa.”

Quantas vezes você ouve uma pessoa dizendo algo assim: “Por que estou preso? É a minha culpa. Eu cometi um crime. Eu queria algo que não me pertencesse, porque era ganancioso e não queria trabalhar para comprar aquela coisa. Então eu roubei, fui preso, e agora, aqui estou. Eu mereço minha punição. É minha culpa.”

Irmãos, a responsabilidade pessoal, em todas as áreas da vida, tem sido corroída cada vez mais. E o texto do sermão desta noite tem muita para dizer sobre o assunto, e muito que o mundo ao nosso redor precisa entender, mas também muito que nós, como povo de Deus, precisamos entender. Porque podemos não ser tão propensos a fazer os mesmos tipos de desculpas quanto o mundo faz. Mas nossa tendência natural, nossa tendência pecaminosa, ainda é dar desculpas, mesmo quando sabemos melhor.

Tiago está se movendo de sua discussão sobre as provações que Deus envia, as provações em que ele se concentrou na introdução de sua carta, às tentações. Na língua grega, o original, a palavra para provações e tentações é a mesma. Nós primeiros versículos de Tiago 1, Tiago disse que podemos nos regozijar quando enfrentarmos provações – porque enfrentar provações, passar por provações, nos edifica como cristãos, enquanto crescemos, amadurecemos. Agora ele volta ao mesmo assunto em versículo 12. Ele fala das bênçãos que virão para aqueles que permanecem firmes sob julgamento, para aqueles que permanecem firmes.

Essas provações, que vêm de Deus, se suportadas, levam à recepção da coroa da vida. Essa coroa é a guirlanda que o vencedor de uma competição esportiva, como os jogos olímpicos, receberia. Para o atleta, todo o treinamento, todo o esforço, toda a autonegação, a luta, valeria a pena no final, se ele ganhasse a vitória – porque ele teria essa coroa no final da competição – o prestígio, a honra, a glória. Para o cristão, a coroa não é uma coroa de louros, ou medalha olímpica. A recompensa por permanecer firme, por perseverar por toda essa vida, não é uma coroa comum – é a coroa da vida, prometida por Deus a todos os que O amam.

Essa futura glória, essa coroa, deve ser uma grande motivador para nós quando estamos diante de provações e lutas nesta vida. Um comentarista disse isto: “A contemplação desta gloriosa herança pode ser uma maravilhosa fonte de força espiritual e sustento” para nós como povo de Deus, e precisamos ser lembrados para fazer exatamente isso.

Então, Deus envia provações para nossas vidas. Ele nos prova. Mas Tiago antecipa um problema, uma objeção, um modo de pensar defeituoso que pode ter impactado alguns de seus leitores. Se Deus nos provar, não é Ele que deve ser culpado quando encontramos tentações? Ele envia uma provação para a minha vida. Essa provação se torna oportunidade para eu pecar. Então, se eu cair no pecado, se essa provação levar à minha queda, não é realmente culpa de Deus? Afinal, Ele é o único que enviou a provação. Ele é o único que criou o teste. Ele sabe que sou pecador. Ele sabe que sou fraco. Por que Ele enviaria algo em minha vida que Ele sabe vai me desviar?

Então culpamos a Deus. E este é um problema particular para aqueles que entendem a soberania de Deus, que Ele revela na Sua Palavra. Sabemos que Deus é soberano. Sabemos que Ele está no controle de tudo – nada escapa dele, nada acontece além da sua vontade. Ele é todo-poderoso, ele é onisciente, ele é o Deus Soberano. A Bíblia nos dá essa verdade em termos claros, de Gênesis a Apocalipse, e nossas confissões seguem a Bíblia ao manter essa verdade. Todas as criaturas existem sob o controle de Deus – sem a sua vontade, elas não podem até se mover.

Então, quando as provações vêm, sabemos que elas vêm de Deus. Portanto, há uma tentação de querermos culpar a Deus por permitir que as provações entrem em nossas vidas e nos levem a pecar. Provas, provações, não são o mesmo que as tentações, e essa é uma distinção importante no que Tiago está nos dizendo aqui. Podemos ser provados por Deus. Nossa fé pode ser testada. Nossa perseverança pode ser testada. Nossa força pode ser tentada. E podemos ter por motivo de toda alegria o passardes por várias provas, sabendo que a provação da nossa fé, uma vez confirmada, produz perseverança. Mas essas provações se tornam tentações quando as enfrentamos sem sabedoria; quando nos encontramos essas provações com a atitude errada.

A provação pode ser uma coisa positiva, um teste que pode nos levar a perseverança e a maturidade, ou podemos experimentar a mesma provação como tentação, que só vai nos levar ao pecado e a morte. O aviso de Tiago aqui é contra aquela segunda opção. Talvez a melhor maneira de entender isso é olhar para dois exemplos na Bíblia, porque quando comparamos essas duas histórias, vemos o processo de provação e tentação em ação. Primeiro, a história de José, na casa de Potifar, no Egito.

Em Gênesis 39, lemos sobre José – levado ao Egito depois de ser vendido como escravo por seus irmãos. Um homem chamado Potifar o compra, e José se torna o mordomo da sua casa – uma posição privilegiada, com muita responsabilidade. Mas aqui vem a provação. A esposa de Potifar “pôs os olhos em José e lhe disse: Deita-te comigo.” Mas José se recusa. Ele permanece leal a Potifar. Ele sabe que Potifar confiou nele. Ele sabe que ceder à esposa de Potifar seria uma grande iniquidade e um pecado contra Deus.

A esposa de Potifar não desiste facilmente. Dia após dia, ela continua pressionando-o a cometer adultério. Mas um dia, a pressão se transforma em algo pior, e ela basicamente o ataca. Neste ponto, teria sido fácil para José desistir. Mas ele não desiste. Em vez disso, ele deixa seu manto na mão da mulher, e foge da casa.

Então ela acusa José de estupro, e José acaba preso. Então, o que acontece agora? Parece que José perdeu tudo. Ele permaneceu firme na provação, mas agora perdeu sua posição privilegiada, e está preso. Mas, na verdade, a postura firme de José em face desta provação é mais um passo em direção à posição de poder ao lado do Faraó.

“O SENHOR, porém, era com José, e lhe foi benigno, e lhe deu mercê perante o carcereiro… E nenhum cuidado tinha o carcereiro de todas as coisas que estavam nas mãos de José, porquanto o SENHOR era com ele, e tudo o que ele fazia o SENHOR prosperava.”

O SENHOR estava no controle de tudo isso. Ele permitiu que tudo isso acontecesse, a fim da trazer o bem – no final, resgatando os filhos de Jacó – a salvação do povo da aliança. No caso de José, a provação nunca se transformou em tentação, porque José confiava em Deus. Ele não questionou o que Deus estava fazendo. Ele continuou a louvar a Deus, mesmo quando a situação ficou difícil.

Agora, vamos olhar para a história de Davi, em 2 Samuel 11.

Esta história começa mal desde o início. O rei Davi, que deveria liderar o exército em batalha, permanece em Jerusalém enquanto o general e os soldados lutavam contra os amônias. Assim, podemos ver desde o início que o coração de Davi não está no lugar certo. Ele está sentando confortável, desfrutando dos privilégios de ser rei em Jerusalem enquanto seus homens estão fazendo o trabalho difícil e perigoso. Nesse contexto, chega a provação. Davi “andava passeando no terraço da casa real; daí viu uma mulher que estava tomando banho; era ela mui formosa.”

Agora: como ele vai responder? O que ele fará? O que ele deveria ter feito é óbvio – sair do terraço, talvez mandar um mensageiro para a casa de Bate-Seba para avisá-la que ela estava sendo um pouco indiscreta. Mas em vez de fazer isso, “Davi mandou perguntar quem era.” Ele aprende o nome dela, e que ela é a mulher de Urias, o hitita. E agora, ele tem mais uma oportunidade. Ele poderia ter dito: “Espera aí, isso não está certo – essa mulher é casada!” Mas ele dá outro passo à frente – outro passo para baixo na escada para desastre.

Ele a leva. Ele “se deitou com ela… e a mulher concebeu e mandou dizer a Davi: Estou grávida.” Outra chance para Davi – para fazer as coisas certas, confessar o pecado, se humilhar, reconhecer que ele pecou seriamente. Mas não, ele continua – indo na direção errada. Ele tenta enganar Urias, para que ele não perceba que sua esposa engravidou de outro homem – mas Urias se mostra mais homem do que Davi. Urias era homem leal, e mostra que neste momento, ele é homem mais fiel do que o próprio rei.

Mas, é mais um chance para Davi. Ele deveria ter se envergonhado de si mesmo e de seu comportamento desde o início. Mas ele compõe seu pecado. Uma indiscrição leva a outra, o que leva a outra, até que ele se encontra num buraco tão profundo que ele não pode sair.

É uma história horrível. Por causa das ordens de Davi, Urias é morto. E finalmente, Davi toma Bate-Seba como sua esposa. Ela da a luz um filho, que falece. E finalmente, Davi se arrependeu – mas não até tudo que ele fez levou a uma situação completamente ruim. Como se diz nos Cânones de Dort, esta foi uma “queda lamentável,” para dizer o mínimo.

Que contraste entre essas duas histórias. José é provado por Deus, e ele permanece firme, cresce, e é abençoado por Deus. Davi é provado por Deus, e ele cai, cometendo um pecado após o outro. Então, Deus foi culpado pela queda de Davi? Afinal: se Deus não tivesse providenciado para que Davi visse essa linda mulher tomando banho, ele nunca teria sido tentado a pecar!

Mas Tiago nos diz: Davi nunca poderia alegar que estava sendo tentado por Deus, porque Deus não pode ser tentado pelo mal, e Ele mesmo não tenta ninguém. Deus não é culpado – Davi é! “Cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz.” O pecado de Davi com Bate-Seba foi inteiramente culpa dele. Não foi Deus, não foi o diabo que forçou Davi a fazer o que ele fez, não foram circunstâncias fora do controle de Davi, não foi a pressão social, ou a educação – Davi foi culpado – absolutamente, completamente, cem por cento.

Podemos ver o que aconteceu. Cobiça era a mãe. A mãe concebeu, e deu a luz o pecado. O pecado cresceu como um filho ilegítimo, e gerou a morte. No caso de Davi, ele provocou a morte de Urias. A morte do filho de Davi e Bate-Seba. E a separação de Davi de Deus. Felizmente, Davi foi chamado de volta ao arrependimento e à fé, e foi levado por Deus a abandonar esse pecado. Mas essa cadeia de pecados é tão clara na história de Davi, e é algo que precisamos ficar vigilantes sobre nós mesmos.

Deus nos envia provações. Em nossos casamentos. Em nossos relacionamentos com nossos pais, nossos filhos. Nessa provação, buscamos consolo em lugares ou substâncias que não deveríamos. Podemos nos sentir oprimidos pelas lutas e dificuldades em nossas vidas, e buscamos satisfação e prazer em coisas criadas – como drogas e álcool, mais obviamente, mas pode ser qualquer coisa – sexo ilícito. Pornografia. Compras. Podemos nos tornar amargos. Podemos culpar a Deus. Podemos culpar os outros.

A provação se transforma numa tentação, por causa do que vive em nosso coração. Não “temos por motivo de toda alegria o passarmos por várias provações.” Somos seduzidos, atraídos por uma armadilha – como um rato que vai ao queijo. E antes que percebamos, estamos presos. Viciados. Seja qual for o objeto de nosso desejo, ele nos captura e escape pode parecer impossível. Esse é o ciclo do pecado, o ciclo da dependência, o ciclo de se afastar de Deus, um ciclo que termina na morte, a menos que seja quebrado.

A culpa é nossa quando acontece, e precisamos reconhecer isso. No final, Davi reconheceu isso – mas não foi até que ele tinha caído tão longe, e causou tanta dor e angustia a si mesmo e aos outros ao seu redor, que ele seria finalmente levado a se arrepender.

Mas, Tiago nos diz, Deus é diferente. A cobiça concebe e gera o pecado, que cresce e traz a morte. Mas Deus dá boas dádivas – toda boa dádiva vem dele, e ele é fiel e verdadeiro. Ele é o Pai das luzes – as grandes luzes nos céus, que governam o dia e a noite. Essas luzes podem mudar, mover-se, mas ele não muda. Ele é quem Ele é, Ele é fiel. Então, quando encontramos essas provações em nossa vida, precisamos nos lembrar de quem Ele é. E precisamos nos lembrar de quem somos. A cobiça gera o pecado, que nos prende e nos afasta, mas nosso bom Deus nos gerou pela Palavra da verdade, pela mensagem do evangelho, para que fôssemos as primícias da sua criação.

O apóstolo Paulo expressou isso em 1 Coríntios 10.13 – “Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar. Podemos ver isso na história de Davi e Bate-Seba, e tenho certeza que todos nós experimentamos a mesma coisa em nossa vida.

Irmãos, precisamos estar vigilantes, sempre. Precisamos buscar a sabedoria que vem de Deus, de sua Palavra da verdade, e precisamos usar essa Palavra e viver essa Palavra. Essa é a mensagem de Tiago ao longo desta carta. Quando as lutas vêm, precisamos lembrar quem é o nosso Deus, e o que ele prometeu àqueles que o amam. Esse é o primeiro passo, o passo mais importante – focando em Deus, na revelação dele, no que ele prometeu àqueles que o amam. Quanto mais conhecermos o nosso Deus, mais o amaremos e procuraremos agradá-ló.

Precisamos considerar o resultado da corrida, a coroa da vida que Deus reservou para nós. Precisamos nos lembrar a bondade de Deus, a fidelidade imutável de Deus, o Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança. Ele nunca é culpado por nossos pecados e nossas falhas – nós somos. Mas a sua fidelidade, e a sua misericórdia, são grandes. Assim, quando as provações vierem, como vão, com certeza, procure Ele. Busque a força que vem dele. Fique atento. Porque o pecado é enganoso. O pecado pode nos aprisionar e nos levar à morte, à morte física e à morte espiritual.

Portanto, confie no Deus que é a fonte de toda boa dádiva e todo dom perfeito, o Pai das luzes. Permaneça na Palavra que ele usou para lhe dar nova vida. Lembre-se de que Ele é o seu pai. Somos filhos – tão frequentemente ingratos – mas nosso Pai continua a providenciar. Confie nele. Volte para ele. Regozije-se nele, mesmo quando a vida fica difícil. As provações virão – não recebemos a opção de uma vida sem provações.

Você provavelmente está enfrentando provações em sua vida agora. Como você está lidando com essas provações? Está culpando algo ou alguém fora de você pelas coisas que estão acontecendo? Está culpando a Deus por trazer essas provações à sua vida? Está construindo um monte de amargura dentro de você? Está permitindo que essas provações se transformem em tentações, buscando seu consolo em lugares onde você sabe que não deveria?

Se você está fazendo isso, precisa se arrepender dessas atitudes. A primeira coisa que precisamos fazer é parar de culpar os outros, ou até mesmo culpar a Deus, e começar a reconhecer que a fonte de nossos problemas é nós mesmos. Precisamos voltar para Deus, lembrando quem Ele é, o que Ele fez, e o que Ele prometeu.

E quando fazemos isso, irmãos, podemos ficar firmes, podemos suportar, e podemos vencer. Não por causa da nossa própria sabedoria, ou de nosso próprio poder, mas porque o doador de toda dádiva perfeita nos dará, livremente, o que precisamos. Ele preservará você, através da obra do Seu Espírito, através da Sua Palavra, por causa do Seu Filho unigênito, que deu a vida porque nos amou. Somente quando fizermos isso poderemos permanecer firmes na face de provações. E então as provações serão um caminho para a vida, em vez de tentações e armadilhas que levam à morte. E nós podemos nos alegrar. Porque podemos olhar para frente, em confiança, para aquele grande dia, quando a coroa da vida será nossa.

Amém.

___________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

** Este sermão foi originalmente escrito para uso do pastor e não passou por correção ortográfica ou gramatical.

Compartilhe!

Pr. Jim Witteveen

Pastor missionário das igrejas reformadas do Brasil e diretor do Instituo João Calvino.