Pregação preparada pelo Pr. Alexandrino Moura

Leitura: Malaquias 03:06-18

Texto: Salmo 01


Amados irmãos no Senhor Jesus Cristo

Na Bíblia encontramos dois grupos de pessoas: os que servem a Deus e os que servem ao diabo. Esses dois grupos são chamados de justos e ímpios. Dois grupos distintos. Separados por uma linha divisória. Essa linha foi posta por Deus desde a queda do homem no pecado. Desde então, Deus faz essa divisão entre o seu povo, que são os justos e, os ímpios que servem ao diabo, o pai da mentira. Não existe um terceiro grupo, que nem servem a Deus e nem ao diabo. Se alguém não serve a Deus, é servidor do diabo. Não adianta protestar. É a realidade, doa a quem doer. Só existem dois caminho: o da justiça ou o da injustiça. Ou você é de Deus ou do diabo. É uma divisão simples, mas dura. Deus mostra ao mundo quem são seus filhos amados e quem são os filhos do diabo.

Nesse Salmo primeiro encontramos a diferença entre os justos e os ímpios. Quem são os ímpios? E o que fazem os ímpios? Os ímpios são pessoas que tem um estilo de vida próprio. Eles odeiam a Deus (2 Cr 19.2). Eles não ligam para os mandamentos de Deus. Eles andam segundo a sua própria vontade. Eles sentem prazer em viver praticando o mal. Literalmente, ímpio significa culpado, aquele que está errado; transgressor, perverso, iníquo.

Os ímpios são culpados diante de Deus. Eles são culpados porque não querem obedecer a Deus. Deus dá sua lei para que o homem olhe para a lei e a observe. Viva em conformidade com a vontade de Deus. Mas, os ímpios levantam-se contra Deus e sua lei. Os ímpios odeiam a Deus no seu coração. Eles oprimem os fiéis a Deus. Deus diz que não aceitará o resgate do homicida, porque ele é culpado de morte. Por isso, ele será morto (Nm 35.31). Eles são tão perversos que andam por onde acharem melhor. Nenhum mandamento de Deus será respeitado por eles. Mas, pisam e jogam no lixo os mandamentos.

Mas, quem são os ímpios? Quem são esses injustos? O Salmo 1 diz que eles são como uma árvore seca. Que o vento dispersa as suas folhas. A palha é levada para onde o vento manda. Se o vento vem da esquerda ela vai, se da direita, também vai. O ímpio é vulnerável aos prazeres do mundo. Ele é seguidor de Satanás. Ele é um filho do diabo. Mas, quem são os ímpios? São os sem Deus? Os ateus teóricos? Essas pessoas eram desconhecidas em Israel. Pois todos os povos tinham seus deuses, seus ídolos. Quando a Bíblia fala dos ímpios, só com algumas exceções se refere a pagãos. Quando a palavra de Deus fala acerca dos ímpios, tem em vista quase sempre os israelitas. Por tanto, membros do povo de Deus. Em Jeremias 5.26 se diz que entre o povo de Deus há ímpios. Membros do povo de Deus que fazem perversidades, que distorcem a lei de Deus. O SENHOR no Salmo 50.5 diz: “Congregai os meus santos, os que comigo fizeram aliança por meio de sacrifícios”. Os santos aqui são membros do povo de Deus. Pessoas que estão na aliança do SENHOR. Pessoas que viviam provando das bênçãos de Deus. No mesmo Salmo 50.16-20 diz: “Mas ao ímpio diz Deus: De que te serve repetires os meus preceitos e teres nos lábios a minha aliança, uma vez que aborreces a disciplina e rejeitas as minhas palavras? Se vês um ladrão, tu te comprazes nele e aos adúlteros te associas. Soltas a boca para o mal, e a tua língua trama enganos. Sentas-te para falar contra teu irmão e difamas o filho de tua mãe”.

Eles falam da aliança do SENHOR. Eles conhecem a lei do Senhor. Mas rejeitam a lei, não vivem como Deus exige em sua palavra. O Salmo 1, no verso 5, fala dos ímpios no meio da congregação dos justos.

Onde, pois, devemos encontrar os ímpios? Não devemos, em primeiro lugar, encontrá-los entre os pagãos. Mas na maioria dos casos dentro do próprio povo de Deus. Pessoas que conhecem a verdade, mas não dão atenção à palavra de Deus. Pensem no povo de Israel que saiu do Egito. Estava perante o monte Horebe, onde o SENHOR reafirmou a aliança dando os dez mandamentos. Quantos daqueles que estavam ali entraram no gozo celestial? Em Canaã? Nenhum! Todos morreram. Porque todos morreram no deserto? Porque se tornaram ímpios. Não deram ouvido ao Senhor. Andaram nos seus próprios conselhos pecaminosos.

Os ímpios são aparentemente crentes firmes ou estão na igreja e já vemos seu estado de ímpio. Crentes que parecem realmente servir a Deus. Pensem no rei Saul. Ele parecia um crente piedoso. Ele oferecia sacrifícios ao Senhor. Mas o Senhor disse a ele: “O obedecer é melhor do que o sacrificar, e o atender, melhor do que a gordura de carneiros” (1Sm 15.2). O Senhor queria a obediência de Saul e não apenas uma vida de aparência. Saul, por causa de sua rebeldia, foi rejeitado pelo Senhor. Por causa do seu pecado, consultou também uma adivinha. Saul, um membro do povo de Deus, se tornou um ímpio.

Um outro exemplo é o filho de Davi, Absalão. Absalão era um príncipe, filho do rei Davi. Ele vivia na presença do povo e do seu pai como um verdadeiro crente. Ele até oferecia sacrifícios ao Senhor. Mas, por trás era mais venenoso que uma serpente. Ele fez uma conspiração para tirar seu pai do trono. A conspiração foi tão grande que Davi e seus servos tiveram de fugir para não serem mortos. Absalão era um perfeito ímpio. Ele não dava a mínima para o Senhor. Ele passava por cima dos ensinamentos do Senhor. Ele andava conforme os seus próprios conselhos. Eu poderia dar muitos mais exemplos, mas me faltaria tempo para isto.

Vimos exemplos de pessoas ímpias e que essas pessoas faziam parte do povo de Deus. E são dessas pessoas que o Salmo 1 está falando. Crentes conhecedores da verdade que se tornaram ímpios confessos. O Salmo 1.1 diz: “Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores”. Aqui há uma progressão de um estado para outro. É como uma doença que vai se agravando até chegar a um estado que pode provocar a morte. Eu quero chamar a atenção para os nomes que se encontram no verso 1: Ímpio, escarnecedor e pecador. Todos esses nomes falam de pessoas que estão vivendo de modo errado perante o Senhor. Mas a palavra ímpio fala do homem que é culpado perante Deus. Alguém que não quer obedecer aos mandamentos de Deus. Fala do estilo de vida alheio à vontade de Deus. Alguém que vive conforme os seus princípios pecaminosos. Eles odeiam a Deus (2 Cr 19.2). Malaquias 3.18 diz que eles se recusam a servir a Deus.

Então, esse versículo 1 deve ser lido de baixo para cima. Porque há progressão no estado do pecador. O verso deve ser lido assim: “Bem-aventurado o homem que não se assenta na roda dos escarnecedores, não se detém no caminho dos pecadores, nem anda no conselho dos ímpios”.

Os escarnecedores fazem questão de zombar do pobre, insultando a Deus que o criou (Pv 17.5). Eles zombam dos servos de Deus e de sua mensagem. Por isso, o Salmo fala para nos afastarmos delas. Nós nos tornamos como elas quando procuramos manter contado com essas pessoas. Assentando-nos no meio dessas pessoas para conversar. As conversas são sujas e pecaminosas. Assim começamos a nos sentar e conversar com eles.

Depois vem o segundo passo: se deter nos caminhos dos pecadores. Aqui não está falando de toda a humanidade como pecadora. Mas de alguém que se recusa a servir a Deus. O Salmo 1 usa a palavra deter-se. A palavra deter-se significa estar parado para fazer algo. Ele está indeciso entre o mundo e a igreja. Ele não sabe que caminho seguir. Mas por fim, se não arrepender-se, seguirá os pecadores. A pessoa erra o alvo ou caminho certo. Ele segue o caminho da morte. Um pecador é um apóstata, ou seja, alguém que abandona a fé. Um traidor! Um rebelde contra o Senhor.

Por fim vem o último estágio. O último é se tornar um ímpio. Alguém culpado de morte. Um transgressor dos princípios de Deus. Alguém que tem como princípio de vida o seu próprio conselho. Ele anda conforme a sua vontade pecaminosa. O verbo andar aqui se refere às pessoas que seguem o caminho contrário ao do Senhor. Vemos muito no Antigo Testamento as frases: “andou o povo atrás dos ídolos; andou Israel atrás dos falsos deuses”, etc. Significando que abandonaram ao Senhor. Traíram o Senhor e se corromperam ao ponto de odiarem ao Senhor.

No Novo Testamento nos deparamos com essas pessoas ímpias. Eles são os fariseus. Parecem crentes verdadeiros. Ensinam o certo, mas não vivem o que ensinam. Eles chegaram ao nível mais alto que um homem pode chegar com relação ao pecado. Eles chegaram ao ponto de matar o próprio Filho de Deus. Negando assim o próprio Deus que o enviou.

Mas no dia do julgamento final, os ímpios vão receber o castigo merecido. Eles não prevalecerão no dia do juízo. Eles serão eliminados da congregação dos justos. Eles serão lançados no lago de fogo para sempre. Ali sofrerão eternamente. As suas impiedades nunca mais surgirão. E ninguém poderá salvá-los da ira de Deus. Deus conhece o caminho dos ímpios. Ele conhece tudo. Nada fica oculto aos seus olhos. Por isso, o castigo dos ímpios não tardará. Deus dará a devida punição a eles.

Mas os justos não são como os ímpios. Eles se alegram na lei do Senhor. Eles guardam os mandamentos do Senhor. Mas, como podemos ser chamados de justos? A Bíblia chama muitos homens e mulheres de justos. Pessoas como Noé, Abraão, Davi, Zacarias e Isabel, José e Maria, etc. Eles são justos, não porque são melhores que as outras pessoas, o motivo é que eles têm o Senhor em suas vidas. Eles sabem que deles mesmos não poderão ser justos. Então, recorrem à única fonte de justiça. Eles buscam a Deus em suas vidas. Eles pedem que Deus os perdoe e os torne justos. Enquanto os ímpios desprezam a Deus e sua lei. Os justos adoram a Deus e guardam sua lei. Os justos adoram a Deus e guardam sua lei. O seu prazer está na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite (Sl 1.2). Eles têm a lei de Deus sempre perto do seu coração. A lei de Deus é seu guia. Ela conduz os justos pelos caminhos do Senhor. O verso 2 diz que ele medita dia e noite. Ele está constantemente falando em voz alta da lei de Deus. Ele fica meditando na excelência, na grandeza da lei do Senhor.

O resultado por guardarem a lei do Senhor é que são diferentes dos ímpios, que são como uma árvore murcha, podre, cujas folhas caem e o vento leva. Os justos são como árvore plantada à beira de águas correntes. Aonde crescem se tornam árvore frondosa e linda. Sua folhagem não murcha, porque sempre tem água para regá-la. Assim no tempo determinado dará lindos e doces frutos.

A parábola do semeador diz que a semente que caiu em solo fértil frutifica abundantemente. Assim é o crente justificado em Cristo Jesus. Ele produz frutos de gratidão a Deus. Eles se esforçam com toda a sua vida para servirem ao Senhor Jesus Cristo. Eles sabem que são justos por causa de Cristo. Por isso guardam seus mandamentos. Pois o homem que guarda a lei de Deus é um homem bem-aventurado perante o Senhor.

Amém.

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

Compartilhe!

Pr. Alexandrino Moura

É formado pelo Centro de Estudos Teológicos das Igrejas Reformadas do Brasil. Serve à Igreja Reformada do Grande Recife (PE) como Ministro da Palavra e dos Sacramentos na Igreja Reformada de São José da Coroa Grande (PE). Casado com Simone Moura com a qual tem dois filhos: Daniel e Davi.

Leave a Comment