Pregação preparada pelo Pastor Marcel Tavares

Leitura: Provérbios 03.01-10

Texto: Provérbios 03.05-06

 

Amada igreja do nosso Senhor Jesus Cristo,

Hoje começa um novo ano. Todo novo ano nos enche de expectativas. Nós fazemos muitos projetos nesta época. Alguns tem a expectativa de um casamento. Outros projetam uma faculdade. Outros pensam em trocar de carro. Ou quem sabe comprar uma nova máquina para a lavoura? Arrendar uma nova terra? Quem sabe fazer um projeto para liquidar uma certa dívida? Quanto a vida espiritual, alguns desejam abandonar certos pecados contra os quais estão lutando.

Embora o ano novo seja na verdade apenas a passagem de um dia para o outro, nós ficamos muito entusiasmados. Desejamos que tudo vá bem. Que o novo seja melhor que o velho. Que os mesmos erros não sejam cometidos novamente.

É bom ter este sentimento! É bom avaliarmos coisas. É bom traçarmos metas e planos em nossas vidas. Essa é sem dúvida uma época em que somos estimulados a refletirmos sobre muitas coisas.

Mas, uma coisa que, como cristãos, precisamos fazer em cada ano novo é pensar: Qual é o lugar de Deus nos meus planos? Será que tenho orado ao Senhor e pedido a sua direção? Será que desejo conhecê-Lo mais neste ano novo? Quando faço o balanço do ano que passou e vejo que cometi muitas falhas, será que é o meu desejo entregar minhas frustrações e ansiedades nas mãos de Deus, ou será que desejo consertar as coisas fazendo tudo baseado no meu próprio esforço? Onde está Deus a cada ano novo que Ele me faz chegar? Onde está Deus nos meus pensamentos e ações?

Portanto, ao chegarmos neste texto, Deus fala conosco qual é a sua vontade para nossas vidas. Eu vos prego o evangelho resumido neste tema: Deus nos chama neste novo ano a confiarmos nEle e O reconhecermos em tudo.

Amados irmãos, irmãs, crianças e visitantes aqui presentes. Este texto que temos diante de nós foi escrito pelo Rei Salomão. Vocês já ouviram que Salomão sucedeu ao seu pai Davi no reino de Israel. Salomão era muito jovem, ele mesmo disse que não passava de uma criança, e estava diante de uma grande missão: guiar o povo de Deus.

Em 1 Reis 3 podemos ler algo que também deve servir de exemplo para nós: Salomão pediu a Deus sabedoria! Ele pediu a Deus para que o desse um coração compreensivo para julgar o povo, para que ele prudentemente discernisse entre o bem e o mal. E a resposta de Deus a este pedido podemos ler no versículo 10: Estas palavras agradaram ao Senhor, por haver Salomão pedido tal coisa. Então foi este homem que escreveu os versículos 5 e 6 que temos aqui. Estas palavras são inspiradas pelo Espírito Santo: Confia no SENHOR de todo o teu coração e não te estribes no teu próprio entendimento. Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas.

O que significa confiar no SENHOR? Se você sair na rua durante o reveillon e perguntar a alguém: Você confia em Deus? A pessoa certamente vai responder: Claro que sim! Claro que eu confio em Deus! Mas o que você pode ver depois de perguntar isso? Na prática, acontece algo totalmente oposto a esta afirmação!

Nesta época do ano as pessoas que dizem confiar em Deus estão se agarrando a vários tipos de supertições. Elas estão confiando nestas coisas. Elas desejam ter um bom ano, mas estão se agarrando a toda sorte de crenças. Você poderá ver muitas pessoas usando certas cores de roupa. Talvez não seja o seu caso aqui, mas lá fora estas cores estão comunicando alguma coisa. Roupa branca significa que a pessoa deseja a paz neste ano. Vermelho significa que a pessoa deseja um amor para a sua vida. Amarelo significa que esta pessoa deseja prosperidade financeira.

Existem pessoas que colocam uma nota de dinheiro dentro do sapato para atrair riqueza. Outros colocam lençóis novos na cama para dizer que deixaram os problemas do ano velho na máquina de lavar. Algumas pessoas até pulam com o pé direito quando o relógio bate o primeiro segundo do ano novo. Outras acendem velas na praia ou pulam sete ondas. Então, perceba que embora pessoa digam confiar em Deus no ano novo, há uma inclinação do coração para se crer em vários tipos de “amuletos” e não no SENHOR de todo o coração.

Aliado a este pensamento, existe uma outra categoria que se diz menos religiosa, menos supersticiosa. Essas pessoas estão crendo em si mesmas. Estão crendo na sua força, no seu intelecto e nas suas riquezas. Outros estão dizendo: creia no seu coração! Creia na sua intuição! Existem muitas músicas com este apelo: ouça o seu coração quando ele te chamar!

Meus queridos aqui nesta noite, confiar no SENHOR é algo bem diferente disso tudo. Esse chamado é um chamado para a Igreja! Confiar no SENHOR de todo o coração tem a ver com reconhecer a Sua vontade em tudo. A sua vontade está expressa em seus mandamentos. A vontade do SENHOR em provérbios 3 é expressa pela expressão: Filho meu. Perceba então que a relação de confiança no verso 5 está dentro do contexto da relação de um pai falando a um filho. Um filho deve confiar que a vontade de seu pai é sempre a melhor para ele. Um filho sábio ouve a instrução do pai (Pv. 13.1). Um filho de Deus ama o seu Pai de todo coração, alma e entendimento (cf. Mt 22.37). E por causa disso, ele anda seguro e sem temor do mal (Pv. 2.33). Aquele que confia no SENHOR não deve temer o medo que vem de repente, e nem o ataque dos homens perversos. Porque o SENHOR será a sua segurança e guardará os seus pés de serem presos (Pv 3.26).

O SENHOR é sábio. Ele é bom. Ele sabe de todas as coisas. Ele é o provedor do seu povo. Ele nos deu tudo o que precisamos em 2016 e devemos confiar que assim Ele permanecerá em 2017. Ele nos conhece mais do que nós nos conhecemos. A Sua vontade é sempre boa. Na oração do Senhor oramos: Faça-se a tua vontade assim na terra como no céu. O nosso catecismo nos dá uma ótima explicação do que isto significa: Faze com que nós e todos os homens renunciemos à nossa própria vontade e obedeçamos a tua vontade sem reclamar, a única que é boa… (P/R 124 versão de Unaí).

Então como podemos confiar no SENHOR? Amando a Ele de todo o coração como o nosso Pai, ouvindo a Ele, e fazendo a sua vontade expressa em seus mandamentos! Ele cuida dos seus filhos em tudo!

O contrário de confiar em Deus de todo o coração é confiar no próprio coração. É isso o que o final do versículo 5 quer dizer quando lemos: e não te estribes no teu próprio entendimento. Quando seguimos o nosso próprio entendimento estamos confiando em nós mesmos. Podemos ver isto na vida do rei Saul, por exemplo. Saul foi o primeiro rei de Israel. A vontade de Deus estava diante dele, mas Saul não confiava em Deus. Antes, confiava em si mesmo.

Em 1 Sm 13.8-23 temos o relato da reprovação de Saul por Samuel. Samuel pediu para Saul ir a Gilgal e lá o esperar sete dias, a fim de que juntos realizassem um sacrifício. Neste tempo de espera os filisteus se reuniram contra os Israelistas e Saul se viu apertado. No sétimo dia, com medo dos filisteus, Saul fez o sacrifício em lugar de Samuel. Só quem poderia fazer os sacrificíos no Antigo Testamento era os sacerdotes. Saul de maneira superticiosa achou que aquele sacrifício iria mover a vontade de Deus em prol da sua vitória. Saul não confiou em Deus de todo o coração. Imediatamente após realizar o sacrifício Samuel chegou e o reprovou.

No capítulo 15 mais uma vez Saul não confia na vontade de Deus e faz aquilo que acha melhor. Saul deveria ferir Amaleque e a destruir totalmente, pessoas e animais. Mas Saul preservou os animais dizendo que isto seria sacrificado ao SENHOR. De um lado existia a vontade de Deus, mas Saul fez o que achava melhor em seu coração.

Quando confiamos em nós mesmos ou em qualquer outra coisa estamos dizendo que não confiamos em Deus de todo o caração! E pior, quando confiamos em qualquer outra coisa no lugar ou ao lado de Deus, então estamos criando um ídolo para nós. E qual o perigo disso? Salmo 115.8 Deus fala àqueles que fazem ídolos para por neles a confiança: Tornem-se semelhantes a eles os que os fazem e quantos nele confiam. Os ídolos não se movem, não falam, não pensam. Os ídolos são vazios. São insensíveis. Você consegue imaginar alguém se tornando semelhante a eles? Deus pode endurecer e tornar tal pessoa insensível assim como seus ídolos!

Talvez o castigo para alguém que tenha feito de si mesmo um ídolo, e não tem confiado em Deus de todo o coração, seja que Deus o entregue as suas próprias opiniões. Eu gostaria de ilustrar este ponto para que você entenda melhor. Imagine que certa pessoa receba uma exortação vinda das Escrituras, então ela dá a seguinte resposta: _Não! Eu acho que não é assim conforme você está falando, mas é da seguinte forma…! Depois de um tempo também chegam os presbíteros (homens da parte de Deus) até este homem ou esta mulher, então eles dizem para aquela pessoa que seu modo de vida não agrada a Deus; eles abrem as Escrituras e mostram para aquela pessoa qual é a vontade de Deus, mas a tal pessoa endurecida diz: _eu não creio que seja assim, mas acho que é do outro jeito! Perceba o endurecimento. Essa pessoa sempre tem as suas próprias opiniões. São opiniões subjetivas. Ela não concordo com alguém que abre a Bíblia diante dela. Ela pensa que aquela é apenas a própria opinião de uma determinada pessoa, mas ela pode ter outra opinião diferente. Ela segue o seu próprio coração. Esta pessoa idolatra si mesma!

Meus querido, quem aje assim está dizendo que não é filho de Deus, que não O ama e não conhece os Seus mandamentos. Essa pessoa receberá sobre si o cálice da ira de Deus, porque o sangue de Cristo ainda não cobre tal pessoa dos seus pecados. Não pode haver dois senhores na vida de alguém. Não pode haver espaço no coração de alguém a não ser o próprio Deus e a sua vontade!

Como posso olhar para o meu próprio coração e avaliar se estou confiando em Deus de todo o meu coração ou me estribando em meu próprio entendimento? Eu queria dar alguns exemplos que vão lhe ajudar. Imagine um homem que se diz um cristão (um homem casado). Ele de repende começa a pensar que ele poderá ser mais feliz se ele se separar da sua mulher. A razão deste homem para querer o divórcio é porque a sua esposa geralmente deixa o feijão queimar. Ela é uma mulher muito atarefada e tem muitos filhos para cuidar. Mas este homem olha para ele mesmo e se sente infeliz. Baseado em si mesmo ele decide que a separação vai ser o melhor caminho. O que a Bíblia fala sobre o divórcio em comparação com a situação deste homem? A separação seria legítima? Este homem confia em Deus, a Sua vontade, ou olha apenas para o seu próprio coração?

Ou imagine um jovem cristão que diga que seria bom namorar com certa menina descrente, pois fazendo isto ele estará contribuindo para o crescimento do reino de Deus, evangelizando aquela moça. O que a Bíblia, que é a vontade de Deus, fala sobre isso? Abra por favor em 2 Coríntios 6.14-7.1 (ler). Em quem devemos confiar? Em Deus ou no próprio coração?

Poderia ainda falar do exemplo de uma mãe ou de um pai que recusa disciplinar seu filho ou filha fisicamente, ou que recusa qualquer tipo de punição, argumentando que seria um ato cruel. Ou poderia falar de uma igreja onde os presbíteros desejam mudar toda a liturgia do culto, colocando banda, teatro, drama, encenações, porque eles julgam que isso irá atrair mais os jovens. Existem muitos outros exemplos onde a Bíblia fala uma coisa, mas aqueles que não amam a Deus atentam para suas próprias opiniões.

Será que posso confiar em meu coração? O que é o nosso coração?

Provérbios 4.23: Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o coração, porque dele procedem as fontes da vida.
Jeremias 17.9: Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto, quem o conhecerá?
Mateus 15.19: Porque do coração procedem os maus designos, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmeas.

E aí? Dá para confiar no coração? Dá para confiar em si mesmo?

A palavra de Deus no versículo 6 aponta para quem devemos confiar. Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas. Este versículo nos chama a conhecermos a Deus para não confiarmos em nós mesmos! A Palavra de Deus está dizendo que devemos conhecer a Deus em tudo o que vamos fazer, a fim de não perdermos o rumo correto. Tudo o que somos, tudo o que temos, todo o nosso futuro pertence a Deus. É uma atitude arrogante e idólatra quando temos planos e Deus está completamente fora de tudo isso. Todos estes planos que não consideram a vontade de Deus expressa em seus mandamentos, são planos pecaminosos!

Abraham Kuyper, que muitos de vocês aqui hoje também devem conhecer, embora tenha tido muitas coisas estranhas em sua teologia, tem uma frase muito importante sobre a soberania de Deus. Ele disse: “Em toda extensão da vida humana não existe nem uma só polegada guadrada, da qual Cristo, que é soberano, não declare: Isto é meu!” Então, o seu futuro não é seu para que você arrogantemente exclua aquele que é o dono! O dono do seu futuro é quem o excluirá, caso você viva uma vida ao seu bel prazer, segundo seu próprio coração!

O Salmista no Salmo 119 amava conhecer o SENHOR e a sua vontade. Ele diz algo para os jovens no versículo 9: De que maneira poderá o jovem guardar puro o seu caminho? Observando-o segundo a tua palavra. Conhecendo mais a Deus pela sua Palavra, ele se desviava do mal. Ele adquiria entendimento. Ele aborrecia toda a falsidade.

Conhecer a Deus e sua vontade nos livra de muitos pecados nesta vida. Nos livra de entortarmos a nossa vida. Conhecer a Deus faz com que o nosso caminho seja endireitado! O SENHOR reserva a verdadeira sabedoria para os retos; essa sabedoria é escudo para os que caminham na sinceridade. Em provérbios, há muitos exemplos de como conhecer a Deus, sua vontade, e confiarmos nEle, nos livra de muitos pecados. Nos livra da mulher estranha (Pv 2.19; Pv 5; 6; 7). Nos livra de sermos fiadores de outras pessoas que não pagam suas dívidas. Nos livra da insensibilidade de coração, pois há caminho que ao homem parece direito, mas ao cabo dá em caminhos de morte (Pv 14.12).

Amados irmãos e irmãs, Salomão foi quem escreveu este provérbio. Salomão não viveu uma vida fácil. Confiar em Deus não é viver uma vida fácil. Salomão até caiu no pecado da idolatria, seguindo os deuses das suas muitas esposas. O que isto nos ensina? Que com todo o nosso esforço não é possível viver nos termos destes dois versículos. Nós precisamos de ajuda! Mas graças a Deus que Ele nos enviou o seu filho Jesus Cristo! Estes versos também nos ensinam a confiarmos não em nós para a nossa salvação, mas em Cristo! Em Cristo podemos confiar em Deus de todo o nosso coração. Em Cristo podemos conhecer a Deus! Cristo viveu estes versos com perfeição! Ele confiou no SENHOR totalmente! O Salmo 22 é aplicado a Ele. No verso 8 podemos ler que Ele confiou no SENHOR. Ele confiou e seguiu a sua vontade durante toda a sua vida. Ele confiou no Pai até na morte. A sua vontade era fazer a vontade daquele que O tinha enviado.

Fora de Cristo, todos nós estávamos indo para o lado errado do caminho. Seguindo a vontade da carne e dos pensamentos! Isaías 53.6 diz que Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo caminho, mas o SENHOR fe cair sobre ele a iniquidade de nós todos. Cristo endireitou as nossas veredas pela sua morte e ressurreição! Ele é o caminho, a verdade e a vida.

Irmãos e irmãs, somos chamado a confiar nEle neste novo ano! Que nós, por gratidão, não negligenciemos o privilégio que temos em Cristo Jesus. Sigamos a sua vontade! Confiemos na sua bondade! Que Ele seja o centro dos nossos afazeres em 2017. E que assim o seu nome, Nome que está acima de todo Nome, seja honrado e glorificado pelos muitos anos, que pela graça, ainda virão! Feliz 2017. Amém.

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

Compartilhe!

Pr. Marcel Tavares

Pastor na Igreja Reformada do Brasil Maranata, em Unaí-MG. Bacharel em divindade pelo Instituto João Calvino.

Deixe um Comentário