Pregação preparada pelo Pr. Clarence Stam

Leitura: Neemias 02.01-06

Texto: Neemias 02.01-06

Amada congregação do Senhor Jesus Cristo,

No ultimo sermão vimos o pano de fundo do livro de Neemias, o servo do Senhor, que ainda residia na capital da Pérsia, Susã, mas que desejava de longe ver a reconstrução de Jerusalém e a restauração de Israel. Nós vimos o profundo amor de Neemias pela igreja do Senhor como resultado de seu forte laço com o Senhor da igreja.

Neemias estava chocado com a situação em Judá e Jerusalém. Ele orou em favor disto e decidiu tomar uma atitude. Ele falaria sobre este assunto com o rei da pérsia, Artaxerxes. Ele disse: (1:11) “Oh! Senhor, concede que seja teu servo bem sucedido hoje dá-lhe mercê perante este homem.” Note a palavra “hoje”. Neemias queria tomar uma atitude imediata. Sendo copeiro do rei, ele estava apto para ir até o rei, pensou ele. “Eu era o copeiro do rei”, nós lemos, um importante, confidencial e estratégica posição. De todas as pessoas, Neemias era a mais indicada para levar a questão perante o rei.

Neemias decidiu tomar esta posição no mês de quisleu (mais ou menos dezembro em nosso calendário), mas quando tomamos a seqüência dos eventos no capitulo 2, rapidamente nos encontramos no mês de Nisan, mais ou menos o mês de março. Entre o que está escrito no capítulo 1 e o capítulo 2 há um espaço de tempo de três meses. Neemias parece não ter levado o caso ao rei no mesmo dia.

Isto levanta algumas questões: por que ele esperou este tempo diante de uma situação tão desesperadora? Quando lemos nosso texto, notamos que também que Neemias, mesmo depois deste tempo, ainda está pensando em como fazer tudo isto funcionar; ele não parece ousar levar a situação tão diretamente. O que devemos pensar sobre este assunto?

Alguns sugerem que tudo isto foi uma estratégia. Neemias cuidadosamente esperou pelo momento certo. E então ele colocou um rosto triste em sua face para deixar o rei curioso, para assim conseguir conquistar o rei. Porém, creio que esta interpretação está errada, porque isto faria de Neemias um ator que dependeria de sua apresentação para conquistar o rei. A construção da igreja não precisa de falsa estratégia. Claro, como toda companhia de construção sabe: você deve planejar sua obra de construção. Mas nenhum servo do Senhor constrói a igreja com base em uma companhia de teatro.

Entretanto, devemos concluir que Neemias não teve uma real oportunidade desde dezembro até março para apresentar a questão de Judá ao rei. Uma razão que parece obvia é que, como os outros notáveis reis da pérsia, Artaxerxes tinha uma residência de verão e de inverno, provavelmente distante de Susã. Neste caso Neemias não poderia tratar do problema até que o rei retornasse. E mesmo em seu retorno, Neemias deveria ser cuidadoso, pois isto era uma questão muito séria.

Em nosso texto, não conseguimos um perfil de um ator que tem um plano maravilhoso e que trabalha para que este plano de certo. A igreja não é construída deste jeito. Ao contrário, lemos aqui sobre o trabalho soberano de Deus, que governa Artaxerxes para permitir que Neemias vá até Judá. Este é o tema em nosso texto. Também aqui podemos ver o Soli Deo Gloria. Toda a glória somente ao Senhor. Eu proclamo o evangelho de Cristo sob o seguinte tema:

Tema: O Senhor soberanamente protege Neemias em seu pedido para reconstruir Jerusalém

  • 1. A ocasião realizada pelo Senhor
  • 2. A tensão amenizada pelo Senhor
  • 3. A decisão tomada pelo Senhor

1. A ocasião realizada pelo Senhor

No verso 1 nós lemos como Neemias é chamado para trazer vinho ao rei, o poderoso e temido Artaxerxes. Alguns comentaristas sugerem que esta pode ter sido a primeira vez que Neemias é chamado oficialmente a servir o rei como copeiro. Também é plausível que após seu retorno esta tenha sido uma ocasião de fazer uma festa para a corte real, que trabalhou em sua ausência.

Podemos concordar com esta sugestão porque no verso 6 é dito que a rainha está presente, sentada ao seu lado no tono real, e podemos perceber que isto sugere uma ocasião especial. Lembre-se do livro de Ester, de como o rei Xerxes exigiu a presença da rainha Vasti para mostrar ela mesma e seu banquete, e como ela recusou. A presença da rainha aqui nos dá a impressão de uma reunião oficial ou formal. Onde não só a presença da rainha era exigida como também a presença do copeiro do rei.

Neemias executa seu dever. Mas obviamente seu coração não está neste banquete. Ele escreve: “ eu nunca antes estivera triste diante do rei”. Isto de fato era proibido, estar triste na presença do rei. Todo mundo tinha que mostrar o respeito devido, tinha que se sentir honrado em ter sido convidado, e especialmente os servos. Não há nada que possa destruir seu apetite mais do que um garçom que está resmungando. De fato, deve-se saber que em uma ocasião especial ninguém deveria estar triste na presença do rei. Ao contrário, todo mundo deve estar alegre neste momento. Dar uma impressão de insatisfação poderia significar perder o favor real, e isto poderia aumentar os problemas, até mesmo a própria morte poderia ser exigida. Então todo mundo deveria mostrar que estava feliz e contente. O vinho fluía livremente, a comida era abundante — dentre outras coisas.

Esta certamente não era uma ocasião muito apropriada para Neemias apresentar uma situação tão delicada, tal como a de reconstruir Jerusalém. Mas Neemias estava tão preocupado com a situação do povo do Senhor que não conseguia colocar uma cara de alegria em sua face. Neemias não era realmente um bom ator. Ele realiza sua tarefa, coloca o vinho para o rei, porém não parecia ser ele mesmo. Ele está subjugado e não pode demonstrar sua alegria normal. Alguma coisa está mexendo com este homem. Talvez ele tenha até entrado no espírito da festa, logo de início, mas ao longo da festividade ele foi ficando mais envolvido com sua tristeza e isto foi se tornando visível a todos. Toda esta riqueza e opulência dentro da festa somente o fazia lembrar da triste situação que vivia Israel. Não há nada que possa entreter Neemias: ele simplesmente não consegue entrar na alegria do momento. Cada vez mais ele fica depressivo.

O rei que, como qualquer déspota, sempre observa cuidadosamente cada um ao seu redor, especialmente seus servos pessoais, não podia deixar de notar que havia alguma coisa de errado com Neemias. E o rei pergunta a Neemias o que está errado. Provavelmente esta era a ultima coisa que Neemias queria. A lei para cada servo na corte real era: faça tudo para não chamar a atenção do rei, não o provoque. Talvez o coração de Neemias tenha batido muito forte, mais do que o normal, quando lhe veio a pergunta: o que está lhe preocupando, Neemias?

Agora, a questão não é imediatamente ameaçadora. De fato alguns comentaristas sugerem que havia algum humor naquela pergunta do rei. Pois parece que ele está tentando ajudar Neemias com alguma coisa engraçada. É interessante que o rei sugere que Neemias está com uma tristeza de coração, e para alguns comentaristas isto parece que o rei está querendo dizer que Neemias está possivelmente sofrendo de coração quebrado, partido. Como se tivesse sido rejeitado por alguma mulher. Em outras palavras: Neemias, qual o problema, há alguma de errado com sua vida amorosa? E para alguns comentaristas isto parecia uma cruel piada pois parece que Neemias era um eunuco.

Mas, eu não estou convencido de que Neemias era um eunuco. De maneira nenhuma. Neemias está incomodado com um problema físico, mas está preocupado com uma coisa muito mais profunda, que o está transtornando. Isto pode ser visto pela sua face e pelo seu comportamento. O homem parece estar mal e preocupado. Ele parece não ter dormido bem nos últimos meses e isto está ficando visível. E quanto mais Neemias tentou tratar isto como sendo usual, comum, mais esta tristeza crescia. Ele estava de fato deprimido. Eu creio que isto mostra alguma coisa importante sobre Neemias. O compromisso com o povo de Deus não é algo passageiro, mas alguma coisa que o perturba dia e noite. A pressão espiritual e mental sobre o povo de Deus pode trazer implicações físicas também. Neemias tinha um problema verdadeiro: como levantar esta questão tão importante para o rei e conseguir o seu favor.

Agora, aqui está a oportunidade. Talvez este não fosse o momento que Neemias tivesse escolhido, no meio de uma festa. Não agora, em público, com o vinho fluindo livremente. A oportunidade parece um pouco embaraçante. Isto faz Neemias um pouco vulnerável. Seria o momento certo? O que ele deveria falar? Será que o rei iria responder com ira a seu pedido?

Porem irmãos, a ocasião é realizada pelo Senhor. Ele é quem dá esta oportunidade e, como faz freqüentemente, de uma forma inesperada. Nós muitas vezes tendemos a ser surpreendidos ou preocupados, mas este é o jeito de Deus trabalhar e de uma forma que faz as oportunidades apareceram de uma maneira que geralmente nem esperamos. Este é o caminho de Deus. Talvez os momentos mais estranhos e diferentes sejam os caminhos usados por Ele para promover o seu Reino. Pois isto mostra que não devemos confiar em nossa estratégia mas, sim, na soberania de Deus. Podemos aprender isto a partir deste texto. É o Senhor e somente Ele quem abre as portas e realiza as ocasiões, com a finalidade de progredirmos. Quantas vezes não ficamos surpresos quando um problema deve ser enfrentado e o Senhor guia de uma maneira que ele se resolve por si mesmo? Esta ocasião é soberana e poderosamente resolvida por Deus. Pois o Senhor não está preso às nossas limitações e situações. Ele cria situações a fim de que sua glória e nosso beneficio sejam atingidos. Deus tem um jeito único de trabalhar as coisas de uma forma que as oportunidades aparecem. A questão é se faremos uso desta oportunidade que de repente aparece diante de nós.

2. A tensão amenizada pelo Senhor

Eu creio que a pergunta do rei colocou Neemias no centro da festa. Se a questão foi dirigida em uma voz audível (voz alta), todo mundo na festa deve ter ficado quieto e deve ter pensado: alguma coisa está acontecendo aqui.

Por favor note o verso 2: “então temi sobremaneira”. Isto parece uma tradução suave. Na verdade o versículo parece dizer: eu estava horrivelmente, terrivelmente amedrontado. Neemias viu de repente o chão se abrir. É um momento decisivo e perigoso. Uma palavra errada e ele está perdido. Que pensamentos não passaram pela sua mente? Pensem por um momento na posição dele, quase ouvimos ele dizer, aqui não, Senhor, não agora, eu maio estarei pronto.

Ora, Neemias poderia ter tentado se sair com uma resposta que agradasse o rei. Ele poderia ter usado o bom humor para se safar ou usado uma tática engraçada para disfarçar. Muitas estratégias eram possíveis para evitar o assunto, mudar o problema, e freqüentemente usamos estas táticas. Quando repentinamente estamos horrivelmente amedrontados, a adrenalina começa a fluir, de uma forma tal que possamos tomar a rota de fuga para escaparmos. “Não! eu estou bem sua majestade, somente um pouco cansado”. Quando tensões se levantam, nós procuramos adaptar a situação.

Mas o temor de Neemias não o guia a este caminho. Ele diz: temi sobremaneira, mas, disse ao rei: viva o rei para sempre. Mas eu disse …Neemias fala, mesmo com medo. Ele decide que este é o momento dado por Deus para falar, sem se preocupar com as conseqüências. E devemos dizer: foi o Senhor quem deu a Neemias esta coragem e esta força. Pois de quem mais receberíamos força? Nesta instância, a vida e a morte passam diante dos olhos dos homens, o Senhor torna Neemias hábil para falar pelo seu povo. Em conseqüência eu posso dizer: o Senhor ameniza a tensão. É o Senhor quem nos dá coragem para falar nestes momentos decisivos. Isto tem sido sempre o consolo dos filhos de Deus. Não temas, pois darei a você as palavras corretas e necessárias.

Neemias não é um herói. Está pálido e enfadado, mas agradou a Deus usá-lo para fazer progredir o seu Reino. Os heróis de Deus são simples, cansados, às vezes vencidos, pessoas que nunca teriam realizado suas tarefas se não fosse o Espírito santo. A força de Deus sempre se mostra visível na fraqueza dos seus servos, pois o tesouro está em vasos de barro. Afim de que aqueles que se gloriam, gloriem-se no Senhor. Aqui de novo vemos o perfil do evangelho: o poder de Deus se manifesta na fraqueza do homem.

Mesmo estando temeroso, Neemias não perdeu sua compostura. Ele diz: vive o rei para sempre. Isto é uma saudação educada e comum dirigida ao rei, especialmente quando se quer pedir alguma coisa a ele. Temos de convir que o pedido não ameaça o rei ou seu reino. Neemias mantém a sua humildade de servo de quem nunca deveria haver dúvidas, porém mostra que alguma coisa alta está para ser pedida.

E note quão cuidadoso Neemias parece em seu pedido, na forma da questão podemos ver isto: “como não estaria eu triste se a cidade onde estão os sepulcros de meus pais está assolada e tem as portas queimadas pelo fogo”. Podemos ler a questão da seguinte forma: como poderia estar feliz quando….? Isto é uma simples porém emocional questão pela qual Neemias coloca para fora toda a ansiedade de seu coração. Isto é o que faz uma afirmação ser genuína. Isto não é uma palavra política. Aqui está um choro que vem do coração. Este homem não tem uma agenda escondida ou um plano secreto, ele não tem nenhuma conspiração contra a glória do rei da pérsia, mas ele experimenta uma dor profunda pelo estado de seu povo.

E entendemos que isto também ajuda a amenizar a tensão. A palavra de Neemias é verdadeira e sincera. E isto toca o coração do rei. Fica cada vez mais claro que isto não é uma estratégia de Neemias. Estas são as palavras de um homem que fala do próprio coração sobre o seu povo.

Uma verdade…. Neemias não menciona o nome da cidade. Talvez porque ele quis ser cuidadoso. Emoção combina com razão, e a integridade deve vir com sabedoria. Sejam simples como as pombas e prudentes como as serpentes, disse Jesus. Neemias disse: a cidade onde meus pais estão sepultados. Isto deve ter tocado o coração dos persas, pois eles respeitavam os seus ancestrais e se orgulhavam de sua herança.

Esta afirmação genuína e honesta ameniza a questão. Deus ameniza a tensão. Será que isto não nos ensina alguma coisa? Nós nos preocupamos com muitas coisas, coisas pessoais ou coisas relacionadas com a igreja, mas aqui aprendemos que o Senhor, em seu caminho diferente do nosso, resolve todas as coisas. Os construtores da igreja devem saber sobre isto e trabalhar sobre esta verdade. Faça o que você tem para fazer, faça o que você pode fazer, faça o seu melhor, mas creia que o Senhor, ele mesmo, irá abrir o caminho.

O rei percebe que há mais para ser dito e pergunta: o que você quer que seja feito? Diferentemente da primeira pergunta, talvez esta tenha sido mais calma e amigável. A tensão já está amenizada.

Após esta questão do rei nós lemos no verso 4b: “ então orei ao Deus dos céus”. Neemias primeiro ora! Devemos entender que isto não foi uma oração longa, mas uma oração pequena, porém intensa. Pode ter sido: Senhor ajuda-me agora, abençoe-me agora. Seus pensamentos estavam dirigidos ao Senhor. Notem: o Deus dos céus. O onipotente e soberano Deus. Se alguma vez Neemias precisou de Deus, nunca tinha sido como agora. E antes de falar com o rei, ele fala com Deus.

O que podemos aprender disto? De uma oração rápida porém intensa? Quando estamos em face de uma situação que é extremamente tensa e nos encontramos vulneráveis, devemos elevar nossos corações ao Senhor — e isto nos mostra que tipo de homem Neemias era. Esta era sua única força. Ele era um homem de uma certa profundidade espiritual.

Porém quero dizer alguma coisa aqui. Neemias fez esta pequena oração porque ele vivia e era um homem de oração. Aprendemos isto no capitulo 1. E aqui aprendemos que aqueles que oram regularmente, podem espontaneamente orar em tempos de necessidade repentina.

Esta oração de Neemias lhe dá coragem. Ele faz seu pedido de uma forma concreta e simples. Deixe-me ir à cidade de Judá para que eu possa reconstruí-la. Ele ainda não disse “Jerusalém”, mas todo mundo sabe que cidade significa. Neemias de fato diz: envia-me! Não somente deixe-me ir, NÃO! Mas envia-me! Ele quer uma missão oficial, ordenada e sancionada pelo rei, se assim não for, então, não terá sucesso.

Bem, aqui está o meu pedido. Toda a corte ouviu. O pedido não é feito de homem para homem, mas diante de todos os nobres da pérsia. Não foi feito de uma forma escondida ou em uma sala por trás, mas de uma maneira aberta e clara. Isto foi de um jeito que Neemias provavelmente não pretendia, mas este foi o jeito que Deus escolheu para demonstrar sua soberania. Pois Ele constrói sua igreja diante de todo o mundo.

3. A decisão tomada pelo Senhor

Agora os olhos de todos estavam voltados para o rei. O que ele dirá sobre isto? De fato, dentro da constituição dos medos e dos persas, nenhum edito imperial era revogado. Não era costume, em circunstância alguma. Porém o pedido de Neemias era quase impossível. Poderia ser considerado quase que uma insubordinação. Eu creio que até os nobres seguraram sua respiração. Talvez tenha sido feito um grande silêncio em torno do trono de Artaxerxes. Reconstruir Jerusalém?O centro da rebelião? O problema mais difícil que todo o império enfrentou até agora? Era impossível reconstruir a cidade que foi chamada de “a cidade da rebelião e da sedição” (Esdras 4; 17-22). O rei não podia voltar atrás e isto significava que Neemias estava perdido. Todos estavam esperando pela explosão que estava para vir do rei.

Mas de uma maneira maravilhosa lemos estas palavras: “então o rei, estando a rainha sentada junto dele, me disse: quanto tempo durará tua ausência? E quando voltarás? Disto Neemias concluiu, “aprouve ao rei enviar-me, e eu marquei certo prazo”. O rei disse: SIM. Notem que o fato da presença da rainha é mencionado: o rei da pérsia, com toda a sua corte real, com a rainha ao seu lado, e todos os nobres ouvindo, diante de todos os importantes súditos disse: sim, o antigo decreto real é revogado. E um novo decreto é feito.

Neemias vai, inclusive, de uma forma oficial, com cartas de recomendação e com cavaleiros e oficiais. Tudo isto parecia algo impossível para Neemias. Pois até mesmo Zorobabel e Esdras não receberam este tratamento da corte. Neemias ainda pede cartas oficiais para poder conseguir madeira da floresta do rei: cedros do Líbano. Isto prova que os construtores da igreja devem estar atentos às oportunidades e devem confiar no Senhor. Para ser um edificador da igreja, não se precisa somente de coragem, mas também de visão. Olhar adiante, contar os custos, ver as oportunidades.

Agora podemos dizer: este Artaxerxes deve ter sido um homem gentil, amoroso e piedoso. Mas na verdade ele não era. Ele agiu como Ciro, que permitiu que se cultuasse a outros deuses em sua região. Embora não houvesse razão para quebrar o decreto anterior.

Não devemos dizer que Neemias foi um sortudo. E que ele deve ter pego o rei numa boa hora. Pois sabemos que não existe o que se chama sorte, e que o reino de Deus não depende do homem ou de suas estratégias. Ainda assim permanece notável que Artaxerxes tão rápida e facilmente tenha dado a oportunidade a Neemias. Não seria normal para um rei persa consultar seus conselheiros e estudar os editos anteriores antes de tomar esta decisão? De fato, o melhor que Neemias conseguiria seria uma promessa de que o rei providenciaria uma comissão para rever as possibilidades de seu pedido. Mas, pelo contrario, o rei responde rapidamente ao pedido de Neemias.

De fato, devemos dizer: esta decisão foi tomada pelo Senhor. Como foi com todas as decisões antigas do império persa. Isto é o Senhor, o Deus dos céus, que na sua maneira maravilhosa de trabalhar continua a reconstruir a sua igreja. Ele usa Neemias. E dirige o rei da pérsia. Sua providência e poder se tornam evidentes de uma maneira clara. Podemos pensar aqui no texto de provérbios 21:1: “o coração do rei está nas mãos do Senhor; ele o direciona para onde quer”. O Rei persa e todos os reis, fazem somente o que Deus quer. Esta é sua soberania, sempre a mesma. Neemias disse isto no verso 8: porque a boa mão do meu Deus era comigo.

Isto agradou ao rei? Não, isto agradou ao Senhor, Deus dos céus. Este é o verdadeiro segredo da historia da igreja, da construção da igreja. Para ser usado na construção da igreja, também hoje, devemos saber este segredo, crer nesta verdade. A mão do Senhor está sobre nós. Você crê nesta mão e sente esta mão? Em sua vida? Na vida das igrejas? Ele nos capacita e nos protege. É deste jeito que ele nos usa para a construção da igreja.

Há muitas coisas que podem nos preocupar. A situação política do país, a questão econômica, as influências seculares: tudo isto constantemente ameaça nossa vida, a vida da igreja de Cristo. E temos que tratar com todas as coisas. Nos encontramos diante de muitos desafios em todas as gerações. Mas sempre saibamos: a decisão em todas estas coisas é tomada pelo Senhor, pelo filho de Deus, que está agora governando todas as coisas. Deus ainda tem oportunidades inesperadas. Ele nos capacita a que enfrentemos estes desafios. E quando elas vem a nós, a decisão sempre é em favor da igreja.

SEMPRE AMÉM.

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

Compartilhe!

Pr. Clarence Stam

17 de setembro de 1948 - 1 de janeiro de 2016.

Deixe um Comentário