Pregação preparada pelo Pr. Clarence Stam

Leitura: Neemias 01

Texto: Neemias 01

Amada congregação do Senhor Jesus Cristo,

Estamos começando hoje uma série de sermões no livro de Neemias, um servo do Senhor que atuou na reconstrução de Jerusalém e na restauração de Israel no período depois do grande exílio. Uma das razões de estudarmos este livro é que temos muito o que aprender com ele nos dias de hoje. Claro que a situação naquele período não é igual a de hoje, mas a natureza humana não mudou desde aquele período. E Deus continua o mesmo em sua providencia e conselho.

Então, mesmo havendo várias diferenças entre aquele período e o nosso, há muita coisa que pode nos instruir ainda hoje. Uma das coisas importantes a aprender com este livro é que ele nos mostra que construir a igreja não é um trabalho humano, não depende dos esforços humanos, mas do próprio Deus que está reunindo, defendendo, e preservando para ele mesmo uma igreja escolhida para a vida eterna (como confessamos no Domingo 21 do Catecismo de Heidelberg).

Este livro traz uma questão a ser respondida: como edificar a igreja propriamente em nosso tempo com os grandes desafios e perigos que a cercam? Esta será a questão constante no pano de fundo desta série.

Hoje, neste sermão introdutório, vamos tratar com todos os elementos em todo este primeiro capitulo. Comecemos dando atenção à pessoa e ao tempo de Neemias. Deixe-me mencionar por um momento a seqüência dos eventos: Após setenta anos de exílio, a primeira onda de judeus que haviam sido exilados retornaram para Canaã sob a liderança de Zorobabel e Josué — o sumo sacerdote. Sabemos que este povo experimentou muita oposição por parte daqueles que haviam tomado conta da área na ausência dos israelitas. Esdras e a segunda onda de pessoas que retornaram chegou mais ou menos oitenta anos depois, eles viram que a situação em Judá estava ruim. O templo tinha sido reconstruído, mas os exilados encontravam dificuldades em servir ao Senhor, pois eles se misturaram com os habitantes locais. Esdras foi tocado pela deformação que encontrou. Ele usou medidas fortes contra isto, mas não estamos certos a respeito do sucesso que ele obteve. Por outro lado, os inimigos tentaram impedir a reconstrução de Jerusalém. É neste período do tempo que Neemias aparece em cena.

Neemias chegou em Jerusalém treze anos após Esdras. Mas muitos dos problemas ainda persistiam: complacência, falta de compromisso, conformidade com este mundo, lentidão na reconstrução da cidade do Senhor. Neemias, como Esdras, teve que vencer inúmeros problemas. Humanamente falando havia pouca esperança de que Israel voltasse a ser o povo fiel do Senhor.

O livro de Neemias começa contando como Neemias — ainda vivendo Susã, a capital do império persa — recebe a visita dos homens de judá, dentre eles provavelmente o irmão de Neemias. É por meio desta visita que o Senhor chama Neemias a reconstruir Jerusalém. Pois, lição numero um, a obra de reconstrução da igreja, mesmo sendo feito por pessoas, é e ainda permanece uma obra de Cristo somente. Veremos aqui especialmente dois elementos.

Tema: A real construção da Igreja somente pode ser feita:

  • 1. Em verdadeiro amor pela igreja do Senhor
  • 2. Através de uma forte ligação com o Senhor da Igreja

1. A Real construção da igreja somente pode ser feita em um amor verdadeiro pela igreja do Senhor

Neemias, vivendo em susã, recebe a visita de parentes e amigos de Judá. Provavelmente, como muitos exilados não tinham retornado para Judá mas permaneceram na Babilônia, estas visitas não eram incomuns. Entretanto isto levanta uma questão: por que Neemias ainda vivia em Susã naquele tempo? Não era também sua responsabilidade voltar para Israel e reconstruir as suas ruínas? Aqueles que ficaram em babilônia certamente não pareciam ter muito compromisso com a causa do povo do pacto do Senhor. O que moveu Neemias a ficar na Babilônia como se estivesse “dormindo com o inimigo”?

É difícil responder a esta questão. Muitos dos exilados anteriores e seus descendentes tinham se familiarizado muito bem com a Babilônia e com a área em geral, tinham se estabelecido naquela região, e tinham criado uma nova vida para eles mesmos. Eles tinham adquirido possessões, posição, e segurança, e não queriam expor-se voltando para Canaã. Eles estavam contentes com o novo lar e tinham pouco interesse em retornar para Canaã. Podemos aprender que nem todo mundo tem o mesmo amor pela igreja de Cristo, e em conseqüência nem todo mundo tem o mesmo comprometimento também.

Entretanto, é difícil aceitar que Neemias não tivesse este amor pelo povo do Senhor. Não sabemos exatamente a razão pessoal que o motivou a ficar em Susã. Mas aprendemos que o Senhor usa a pessoa e a posição de Neemias na corte do rei, para beneficiar a reconstrução de Israel.

Vemos isto no verso 11: “Neste tempo eu era copeiro do rei”, isto não é uma posição insignificante, pois o copeiro era uma pessoa próxima e de confiança do rei. Não é o Senhor que às vezes coloca seus filhos em posições importantes para o bem de seu povo? Pense em Daniel, Ester e aqui em Neemias. Eu às vezes penso que eles ocuparam estas posições sem nem mesmo quererem.

Mas o que é decisivo aqui não é nossa preocupação com o motivo pessoal que fez Neemias ficar em Susã. Já podemos concluir que ele amava, por suas questões e reações, o povo do Senhor. Quando os visitantes vieram para ver Neemias, ele diz em verso 2: “…lhes perguntei pelos judeus que não foram levados para o exílio e acerca de Jerusalém”. Aqui estão palavras chave.

Eu sublinhei a palavra perguntei. O verbo tem um sentido de urgência. Neemias não perguntou sobre as coisas relacionadas com a família, sobre tios e tias, se os negócios iam bem em Betel, como estava o tempo em Jerico — coisas que geralmente fazemos em um reencontro — ele perguntou aos visitantes a respeito do povo do Senhor e a cidade. Ele disse: diga-me, primeiro, sobre a igreja em Judá e a cidade de Jerusalém. Isto foi a primeira coisa, certo? O verbo também sugere que Neemias estava querendo saber detalhes importantes. Não eram perguntas triviais, tais como: “ oh, como estão as coisas em Jerusalém?” mas era uma questão séria e penetrante, ou seja, diga-me exatamente como está o povo e a cidade?

Também Neemias usou as palavras, “judeus que escaparam e não foram levados ao exílio”(LITERALMENTE, ESTAS PALAVRAS, “JUDEUS QUE ESCAPARAM” SIGNIFICA “O REMANESCENTE”). Ou seja, ao chamar aquele povo de remanescente, Neemias não estava pensando em falsos idealistas que seguiam um sonho impossível, não! Ele vê estas pessoas como o remanescente, pessoas que Deus preservou para si mesmo dentre todo o Israel; cujo coração o Senhor conservou fiel.

O remanescente não é um bando de extraviados, tolos, mas o começo do novo Israel, a base para o novo povo que seria reunido para a igreja de Deus. O remanescente são aqueles de quem os profetas falaram, o povo de Deus que Ele mesmo traria em arrependimento e fidelidade para si. Eles sobreviveram ao exílio, o que significa que eles não sucumbiram como os outros israelitas, mas, pela graça de Deus, sobreviveram, mantiveram a fé, e continuaram servindo e vivendo para o Senhor. “Sobreviventes” são as pessoas que se agarraram a esperança de vida e liberdade, que passaram pela ira de Deus, que não sucumbiram ao período de hostilidade, e retornaram à sua herança prometida.

Ele também perguntou por Jerusalém. E por que Jerusalém? Porque era o lugar onde Deus habitava no meio de seu povo. Jerusalém é onde o templo esta localizado, onde o ministério da reconciliação era realizado; é a amada Sião, da qual o próprio Deus havia dito: LER SALMO 65:1-4. Neemias não estava falando de uma velha cidade, mas a respeito da cidade de Deus, a cidade de Davi, a cidade do grande Messias, a cidade e reino do Senhor Jesus Cristo.

Diga-me exatamente como está o remanescente e a cidade, a esperança e o coração de Israel. Esta é sua primeira preocupação, porque por este povo e esta cidade ele tem profundo amor. Ele podia estar fisicamente em Susã, talvez por boas razões, mas a sua alma e o seu coração estavam com o remanescente fiel, em Sião.

Agora, é claro, esta é a linguagem do Velho Testamento. A igreja era a grande preocupação dos profetas do Velho Testamento. Mas, alguma coisa mudou? Esta era também a primeira preocupação dos apóstolos. Paulo passava dias de angustias esperando por noticias das igrejas. A primeira preocupação de cada cristão é a igreja de Cristo e o seu bem-estar, pois o ministério da reconciliação ainda continua. Devemos confessar isto e ensinar nossas crianças, dizendo: a igreja não é um passatempo, nem um hobby, nem deve ser colocada na periferia de nossa vida. Não, a igreja de Cristo, seu corpo, seu povo, seu reino, deve ser a nossa principal preocupação, ela é a nossa vida. No coração do que pensamos e do que fazemos e dizemos, esteja Cristo e a sua igreja. isto não é fanatismo nem sectarismo, isto é bíblico. O salmo 137 diz: “se eu de ti esquecer Jerusalém, que se resseque a minha mão direita.”

Então irmãos, os visitantes de Judá deram uma resposta realista e honesta da situação. Estes visitantes não deram uma resposta qualquer, mas contaram a situação como ela realmente era. Eles disseram: “O povo? Eles estão em problemas e desgraça. Jerusalém? O muro está derrubado e os portões estão queimados.” Péssima situação, Neemias. O povo está com problemas. Isto, provavelmente — como veremos em sermões futuros —, se refere a circunstâncias externas, pobreza e opressão. Descobriremos que havia fome e escravidão. E a palavra desgraça é talvez uma referencia ao fato que as pessoas não serviam ao Senhor como deveriam. Estes homens estão preocupados tanto com o lado material quanto com a situação espiritual da igreja.

A igreja tem o seu lado material. Isto deve causar preocupação a todos quando as obrigações financeiras não estão sendo cumpridas. Pois isto significa que os ministros responsáveis não estão sendo cuidadosos. Mas tão importante é o lado espiritual da igreja que freqüentemente estes dois caminham juntos; uma igreja que não é espiritualmente saudável também será materialmente fraca. Isto era verdade no tempo de Neemias e ainda o é hoje.

Os visitantes também falaram do estado da cidade. Verso 3b: “os muros de Jerusalém estão derribados e suas portas queimadas”. Isto significa que a cidade não oferece refúgio para os israelitas. Ela não é mais, como antes, uma cidade segura e esperançosa. Uma dia ela foi uma fortaleza, agora é uma pilha de ruínas que apresenta desolação em seu quadro. Por trás disto está a questão: Deus realmente vivia naquela cidade entre o povo de Israel? A cidade é o coração da nação: se ela está em ruínas após tantos anos, que esperança há de sua restauração?

Esta é uma notícia devastadora. Eu tenho a impressão que era bem pior do que Neemias imaginava. Sua péssima impressão agora estava confirmada. Nós estamos 125 anos depois do retorno do primeiro exílio, mas que progresso eles haviam feito? Nenhum! O povo de Deus está realmente castigado. Algumas vezes parece que o espiral de declínio nunca pára. Qual era o propósito do retorno do exílio se este ainda era o estado das coisas após um século?

O que é notável é o que lemos no verso 4: “tendo ouvido estas coisas, assentei-me e chorei, e lamentei por alguns dias, e estive jejuando e orando perante o Deus dos Céus.” Esta é uma simples expressão de profunda tristeza e lamento. Neemias está profundamente comovido pela notícia. Note a progressão da situação de Neemias: chorei, lamentei, jejuei e orei. A primeira reação é a de chorar audivelmente, depois se torna em um lamento, um sentimento silencioso. Isto leva a jejuar e orar. Tudo isto demonstra um amor profundo pela igreja, o povo do Senhor.

Agora notemos uma coisa importante aqui. Eu não leio nenhuma raiva, ira ou pena de si mesmo. Neemias não fica irado como Senhor nem O culpa pela desgraça de Israel. Eu menciono isto porque ira e auto comiseração são talvez as reações mais comuns quando estamos em adversidade. Ambas as reações também não deixam ver a própria responsabilidade pela adversidade. Auto comiseração (AUTO LAMENTO) impede de ter uma visão real da situação. Do mesmo jeito, ficar irado com aqueles que não são culpados não irá resolver a situação. Ambas as reações impedem que possamos resolver a situação do jeito certo.

Nós não lemos neste texto, também, que Neemias ficou sem reação ou paralisado com o desespero. Sua profunda dor não o levou a ficar inerte, sem reação. Os cristãos não ficam se lamentando. Neemias sentiu profunda tristeza, mas depois tomou a atitude certa: ele orou ao Senhor. Aqui está o sinal de um verdadeiro filho de Deus: A adversidade não silencia a oração mas a intensifica. Neemias não esqueceu das promessas do Senhor por causa da adversidade que Israel sofria. Ao contrário, ele multiplicou e intensificou a oração pelo povo do Senhor.

Algumas vezes, quando estamos face a face com todo tipo de adversidade — especialmente quando esperamos pelo Senhor — nos tornamos frustrados, irados, ressentidos, e paramos de orar. Dizemos a nós mesmos que Deus desistiu de nós, e isto justifica desistirmos de Deus. Muitas vezes ouvimos crentes dizendo: orar, não tenho orado mais. Eu não sei realmente o que dizer, se ela realmente tem algum efeito. Paralisia espiritual algumas vezes ocorrem conosco. Nos sentimos traídos e nos isolamos. E neste momento não pensemos em outras pessoas, podemos dizer que certamente já passamos por isto.

Mas se somos realmente movidos por um amor profundo pela igreja de Cristo, então nunca desistiremos. Pois sabemos que a igreja não existe pelo nosso esforço próprio. A igreja de Cristo é a obra-prima de Deus, Ele é quem a edifica. Israel é o povo do pacto do Senhor. A única coisa a fazer é tomar a necessidade que a igreja está passando e colocá-la diante do Senhor, Aquele que pode trazer uma mudança positiva para a igreja. Esta é a única atitude correta para os santos: colocar a necessidade do povo do Senhor diante do próprio Deus. Se nossa vida é motivada por um amor sincero pela igreja de Deus, então este amor é sustentado e fortificado por uma dependência do Senhor da igreja.

2. A real construção da igreja somente pode ser feita por uma ligação muito forte com o Senhor da igreja

Você somente pode fazer alguma coisa pela igreja do Senhor se tiver uma forte ligação com o Senhor da igreja. Vemos evidência desta ligação na oração de Neemias, mencionada dos versículos 5 ao 11. A própria forma da oração é muito instrutiva. No verso 4 nós lemos o que Neemias diz: eu orei ao Deus dos céus. E assim ele começa sua oração no verso 5: “O Senhor, Deus dos céus, Deus grande e temível..”. Esta forma nos mostra que Neemias não perdeu em nenhum momento sua fé no poder de Deus. Mesmo as noticias ruins que ele recebeu sobre Israel não o fizeram desacreditar do poder do Senhor. Deus pode fazer grandes coisas, e tem feito, e continuará fazendo. Somente porque as coisas não vão do jeito que queremos, isto não significa que Deus não tenha poder suficiente. Neemias ainda temia a majestade e a glória de Deus como o único Deus dos céus, o Deus que está entronizado acima das pessoas e nações e de governos, e que dirige todas as coisas. Para ser um edificador da igreja, você deve crer na onipotência, no governo e na providencia deste grande Deus.

O próximo elemento que está bem visível, é o fato de Neemias chamar Deus de Deus do pacto, verso 5: “aquele que guarda a aliança e a misericórdia para com aqueles que te amam e guardam os teus mandamentos”. Deus não está distante do seu povo, mas está perto do seu povo por causa do seu pacto. O pacto é um relacionamento vivo e real de amor. Isto é visto em todo o ministério do pacto, como ele é uma grande promessa de redenção do povo de Deus através do grande mediador do pacto. Neemias ainda vê que este pacto de amor existe e funciona.

Ele também percebe que o pacto obriga Israel a responder a Deus em obediência e amor. E se há alguma necessidade ou problema, isto não é culpa de Deus mas do povo. A oração de Neemias tem uma profissão de fé, mas também uma confissão de pecado muito importante. Verso 6: “e faço confissão pelos pecados dos filhos de Israel, que temos cometidos contra ti, pois eu e a casa de meu pai temos pecado”. Se alguém deve ser culpado este não é Deus, mas Israel. Aqui está um verdadeiro edificador da igreja, realmente.

Note bem como Neemias expressamente faz uma confissão pessoal. Ele não diz: Israel pecou, mas, nós temos pecado, incluindo a si mesmo e a casa de seu pai. Ele enfatiza o sua própria culpa. Ele humilha a si mesmo. Ele toma toda a responsabilidade do povo de Deus por esta triste situação. Você e eu sabemos quão tentador é colocar a culpa em outros quando nossa vida vai mal ou a igreja vai mal. Dizemos: não é nossa culpa, e ficamos cheios de críticas para com os que falharam e nos desapontaram. Mas Deus não pode usar tal tipo de pessoa na obra de edificação da igreja. Para construir a igreja você precisa primeiro de toda a humilhação. Deus exige uma ligação forte como Senhor da igreja, uma ligação baseada em uma profissão de fé e em uma confissão de pecados. Você deve levar toda a responsabilidade e nunca culpar os outros.

Neemias também entende a seriedade do pecado de Israel, verso 7: “ temos procedido de todo corruptamente contra ti”. Isto mostra, como confessamos no Domingo 1, quão sérios são os meus pecados e a minha miséria. Os edificadores da igreja não devem mascarar ou camuflar a realidade e sua culpa; eles devem tomar toda a responsabilidade pelas suas ações e vê-las claramente à luz da palavra de Deus. Pois Neemias adiciona que a lei de Deus foi clara e explicitamente dada a Moisés. Deus não deu direções incertas; Israel de uma forma teimosa se recusou a seguir a vontade de Deus claramente revelada. Esta é a mesma confissão do salmo 79: 8-9. Permanência no pecado, culpa acumulada, desprezo pela vontade de Deus e por suas bênçãos, tristemente tem ocorrido na historia da igreja.

E então dos versos 8 ao 11 Neemias vem com uma petição: “lembra-te da palavra que ordenaste ao teu servo Moisés…”, e ele quer dizer com isto: as promessas do pacto do Senhor. Se o povo retornar para o Senhor e para seus caminhos, ele será misericordioso para com eles. Ele apela para as próprias promessas da graça imerecidade de Deus.

Aqui você tem o perfil do verdadeiro edificador da igreja. ele é um homem que tem uma ligação muito forte com o Senhor da igreja, uma ligação pessoal. Ele professa o poder todo-poderoso do Senhor. Ele confessa seu próprio pecado. Ele apela para as promessas do próprio Deus. E procura conforto unicamente na graça de Deus. O amor pela igreja do Senhor não vem por ele mesmo; é resultado de uma ligação como Senhor da igreja.

O Senhor procura pessoas humildes, que amem sua igreja, que confiem em suas promessas e dependam de sua graça somente. Estas pessoas sempre encontrarão um jeito de ajudar na edificação da igreja. estas pessoas não colocam a si mesmas em posição de destaque, é o Senhor que as traz para o centro da situação — principalmente em tempo de necessidade.

Uma ligação muito íntima com o Senhor da igreja é vista por meio da fé e de uma simples oração. A construção da igreja é baseada na oração. Não é feita com nossas próprias forças, mas na total dependência do Senhor.

Eu acho que isto foi feito claramente por Cristo, nosso Senhor. Ele viveu e agiu somente através da oração, através de uma completa e total dependência do pai. O amor de Cristo por sua igreja fluiu de uma ligação muito forte com o Senhor, uma ligação perfeita, pois esta foi sem o pecado. E se você der a si mesmo para o Senhor do mesmo jeito que ele se deu, não haverá limite para o que o Senhor poderá fazer pela sua igreja.

Nós permanecemos limitados pela nossa fraqueza e pecado. Mas em fé podemos trabalhar de uma forma incessante. Somente Cristo pode se dar ilimitadamente, em perfeita adoração. Por isto ele é o único mediador, o perfeito salvador, o única cabeça da igreja. Mas através dele, através da ligação feita pelo Espirito Santo, podemos também nos tornar edificadores da igreja em nosso tempo.

Então sabemos que todos os oram também agem. Neemias deixa claro em sua oração que irá tomar uma atitude (verso 11): “concede que seja bem sucedido o teu servo hoje, e dá-lhe mercê perante este homem”. Neemias irá até o rei. É um risco muito grande que ele corria em ir até o rei, pois, sendo reprovado, poderia ser duramente punido. Mas ele irá com o Senhor. Seus pensamentos estão formados e determinados. De fato, orar não é uma forma de escapar da sua responsabilidade, mas de se envolver com a construção da igreja. A oração revitaliza, motiva, e ativa o filho de Deus à obra de servir no reino dos céus.

Não somos Neemias, e nosso tempo é diferente. Mas somos chamados para sermos edificadores da igreja; muito mais em nossos dias, porque servimos ao próprio cabeça e fundamento da igreja, que manifestou a si mesmo na obra de salvação. Cristo derramou seu sangue pela igreja. Ela é seu corpo e não o nosso. Mas somos membros vivos, componentes ativos de um corpo que funciona e cresce e edifica a si mesmo em amor.

Agora, através de Cristo e do Espirito Santo, nesta ligação tão forte com o Senhor da igreja, mostremos nosso amor pela igreja do Senhor.

Todos nós somos chamados para sermos edificadores da igreja.

Amém.

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

Compartilhe!

Pr. Clarence Stam

17 de setembro de 1948 - 1 de janeiro de 2016.

One Thought to “Neemias 01”

  1. RIVALDO CONSTANTINO DOS SANTOS

    Sermão maravilhoso. Edificante exposição da Palavra de Deus. Que o SENHOR em graça continue lhe capacitando Pr. Clarence Stam!

Deixe um Comentário