Pregação preparada pelo Pr. Elso Venema

Leitura: Mateus 22.01-12

Texto: Mateus 02.01-12

Amada congregação do Senhor,

Não sabemos quase nada sobre os magos que visitaram Jesus. Alguns têm o pensamento que havia três magos, sendo um de cada cor: um preto, um branco e um amarelo, representando assim as três raças do mundo. Mas este pensamento não tem fundamento. Não sabemos quem os magos eram. Também não sabemos quantos eram, nem de onde vieram. Será que eles vieram da região que hoje se chama Arábia? Ou da região onde hoje se encontra Iraque? Ou da Índia? Ou da China, o que é muito mais longe ainda? Existem especulações. Existem várias possibilidades. Mas não há evidências. Os magos que visitaram o Senhor Jesus foram desconhecidos que apareceram e desapareceram. De repente eles apareceram em Jerusalém, buscando informações sobre o rei nascido. Depois, eles voltaram para seu país, sem deixar pistas. Nunca mais ouvimos nada deles. Meus irmãos, por que esta história está na Bíblia? Por que a Bíblia relata que o menino Jesus foi visitado por homens que depois seriam lembrados como desconhecidos? A visita dos magos parece um episódio isolado. Tudo que sabemos sobre os magos é que eles eram gentios. Eles não pertenciam ao povo de Deus. Eles eram inteligentes, certamente sabiam ler e escrever, mas não conheciam a Palavra de Deus. Eles eram astrólogos. Eles tentavam conhecer o futuro a partir da posição das estrelas. Tal atividade era estritamente proibida pela Palavra de Deus. O povo de Deus estava proibido de consultar as estrelas, pois a única luz deles era a Lei e a Palavra de Deus. Mas aqueles magos não conheciam esta proibição. Eles viram uma estrela, a qual subia naquele setor do céu, que estava ligado ao país de Israel. Logo eles tiraram sua conclusão: nasceu um grande rei em Israel!

O que deve chamar sua atenção, meus irmãos, é que os magos que visitaram o rei recém-nascido mostraram muita disposição. Eles tinham que fazer uma viagem muito longa. Não aconteceu que eles viram aquela estrela e disseram: vamos hoje à noite fazer uma visita àquele rei que nasceu. Foi bem diferente. Sabemos que os magos, depois de terem visto a estrela, demoraram mais de um ano para se encontrarem com o rei Jesus! Isto demorou mais do que um ano, irmãos. Quando os magos falaram com o rei Herodes, este também disse ter interesse em adorar o rei recém-nascido. Naquela ocasião Herodes “inquiriu dos magos com precisão quanto ao tempo em que a estrela tinha aparecido” (Mt 2.7). Herodes queria saber exatamente quanto tempo fazia que os magos tinham visto a subida daquela estrela. Um pouco mais tarde, quer dizer, talvez uma ou mais semanas mais tarde, com base nos dados precisos fornecidos pelos magos, o rei Herodes “mandou matar todos os meninos de Belém e seus arredores, de dois anos para baixo, conforme o tempo do qual com precisão tinha se informado dos magos” (Mt 2.16). Então, podemos entender que depois que os magos viram aquela estrela, demorou mais de um ano, ou até mesmo quase dois anos para eles visitaram o menino Jesus. Por que demorou tanto para os magos visitaram o menino Jesus? Primeiro, depois de terem visto a estrela, os magos tinham que tomar uma decisão: vamos visitar o rei recém-nascido ou não? Segundo, depois de terem tomado a decisão de querer visitar o rei recém-nascido, eles tinham que se preparar para a viagem, pois não era uma viagem curta. Terceiro, a própria viagem tomou muito tempo, pois provavelmente eles viajavam de camelo e tinham que percorrer uma distância muito grande. O que chama a nossa atenção em tudo isso é que os magos mostraram muita disposição para adorar o recém-nascido rei.

O que aconteceu quando os magos chegaram finalmente no país de Israel? Eles foram direto até a capital Jerusalém. Lógico que eles foram para lá. Se nascesse um rei no país de Israel, o único local indicado não seria a capital, onde havia palácios e uma estrutura completa para receber o rei recém-nascido com as devidas honras? Dá para entender este pensamento, pois de fato todos os reis na casa real de Davi nasceram em Jerusalém. Por isso, então, nada mais natural do que os magos viajarem direto até a cidade de Jerusalém. Era a cidade mais indicada para procurarem informações a respeito do rei recém-nascido. O que aconteceu quando os magos chegaram a Jerusalém? A notícia da chegada dos magos e das informações procuradas por eles logo chegou aos ouvidos de Herodes. Este Herodes era um estrangeiro que governava como rei sobre Israel. Ele era muito cruel e violento. Quando Herodes ouviu a notícia sobre o nascimento, logo se assustou e ficou extremamente enfurecido, perguntando-se: “Que história é essa? Será que nasceu alguém para disputar o poder comigo? Onde está ele? Vou fazer de tudo para matá-lo!” Então, reparem irmãos! Os magos viram uma estrela e acreditaram. O rei Herodes ouviu um rumor e também acreditou. Informações mínimas convenceram todos os gentios envolvidos nesta história. Ao ouvir receber a informação sobre um recém-nascido rei, os magos logo se prepararam para viajar para adorá-lo. Quando Herodes recebeu a notícia, logo se enfureceu e mandou investigar o caso. Não houve nenhum gentio que não acreditasse nessa história.

Mas a história sobre a visita dos magos nos relata também sobre pessoas que não acreditaram. E é justamente este dado que mais chama a atenção! O que aconteceu foi o seguinte: quando os magos pediram informações sobre o nascimento de um rei, Herodes chamou os teólogos judeus, que eram os líderes espirituais do povo. Ele convocou todos os principais sacerdotes e escribas do povo (Mt 2.4). Estes líderes do povo de Deus tremiam de medo, pois todos já sabiam que Herodes estava louco de raiva, pois alguns estrangeiros tinham espalhado uma notícia absurda sobre um rei que teria nascido em Israel. Por isso, os líderes do povo de Deus estavam morrendo de medo quando foram convocados por Herodes. Quando Herodes lhes pediu onde o Cristo nasceria, os teólogos, que, afinal de contas eram teólogos, abriram suas bíblias. Eles logo apontaram algumas palavras do profeta Miquéias, onde este diz, com todas as letras: o Cristo vai nascer em Belém de Judá. Reparem, irmãos, esta informação era uma informação da própria Palavra de Deus. Não era um sinal vago que estava lá nas estrelas. Não era um rumor trazido por estrangeiros desconhecidos. Era a mensagem fiel da própria Palavra de Deus. A própria Palavra de Deus jogava luz sobre a questão levantada por Herodes. O rei não nasceria em Jerusalém, a capital. O lugar indicado para ele nascer era Belém de Judá, uma vila pequena que mal se encontra no mapa. Mas lá nasceria o Cristo de Deus! Os próprios líderes espirituais do povo de Deus forneceram esta informação tão importante e privilegiada. Sem esta informação da Palavra de Deus, os magos jamais teriam achado o Cristo. De fato ninguém pode achar o Cristo sem a luz da Palavra.

Agora, o que é realmente triste é que todos os gentios, tanto magos como o incrédulo Herodes, acreditaram no nascimento de Jesus. Todos eles levaram as notícias a sério. Mas os próprios líderes espirituais do povo de Deus, mesmo conhecendo a Palavra de Deus, se mostraram totalmente desinteressados. Eles leram as palavras do profeta Miquéias, depois fecharam as suas bíblias, e continuaram vivendo como se nada tivesse acontecido. Eles tinham um coração de pedra e se mostraram espiritualmente cegos e mortos. Belém ficava bem perto de Jerusalém. Não era nada demais andar até Belém para ver se ali havia um menino recém-nascido, de dois anos para baixo, e que era descendente do grande rei Davi. Pois todos eles sabiam: o Cristo que deveria nascer em Belém, seria descendente de Davi. Mas nenhum dos líderes espirituais do povo de Deus teve a ideia de querer conferir nada. A própria luz da Palavra de Deus era claríssima. Mas os líderes do povo eram tão cegos que nem a luz da Palavra de Deus adiantou nada. Eles leram, mas não entenderam nada. Eles abriam as suas bíblias, mas continuaram com seus corações fechados. Nenhum deles foi para Belém, levando presentes. Nenhum deles foi para Belém para adorar o recém-nascido rei, o grande filho de Davi, o Salvador prometido. Neste momento podemos observar a misericórdia e a bondade de Deus, que enviou o seu Filho ao mundo. Deus podia ter dito: jamais vou enviar o meu Filho amado, pois o meu povo é um povo tão desinteressado, de coração tão duro, que de nada adianta enviar o meu Filho. Deus poderia ter dito: Eu amo o meu Filho e não quero que ele passe por tal tratamento vergonhoso da parte do povo de Israel. Mas Deus não pensou isso. Pelo contrário, Deus tanto amou o seu povo, que enviou o seu Filho amado.

Meus irmãos, já falei sobre os magos, sobre o rei Herodes, e sobre os teólogos do povo de Deus. Alguns acreditaram na notícia, outros não acreditaram. Quero também falar sobre vocês, ou melhor, sobre a reação de vocês. Pois todos têm de se posicionar. Diante de Cristo, queira ou não, todos têm de mostrar sua posição. Não tenho dúvida que todos vocês reconhecem que Jesus Cristo, nosso grande rei, de fato nasceu em Belém. Vocês estão aqui justamente por causa deste fato tão importante. Vocês sabem muito mais do que os magos, muito mais do que Herodes, muito mais do que os teólogos judeus. Vocês sabem que o menino que nasceu em Belém, cresceu e completou o seu ministério até morrer na cruz. Vocês sabem que aquele mesmo povo desinteressado que não veio adorar o Cristo depois se levantou com muita fúria e histeria para crucificá-lo. Agora quero fazer-lhes uma pergunta, meus irmãos. Qual é a sua reação, qual é a posição que você, meu irmão, minha irmã, e você jovem assume sabendo que Jesus Cristo nasceu em Belém e depois morreu no Gólgota? Muitos acreditam no nascimento de Jesus, com certeza. Mas só acreditar na história do nascimento de Cristo não é suficiente. O rei recém-nascido precisa ser adorado. Ele é o Filho de Deus que baixou dos céus. Ele veio conforme as antigas promessas. Ele merece ser engrandecido e exaltado! Meus irmãos, vocês acreditam nessa história tão bonita. Mas como vocês se posicionam diante de Cristo? Qual é a atitude que vocês assumem diante dele? Ele é seu Deus e Rei? Vocês têm disposição para servir a ele?

Faço estas perguntas pois é muito bem possível celebrar o nascimento do Salvador sem adorá-lo. É possível celebrar o natal e ter um dia muito especial com roupas, comidas e bebidas diferentes, para depois continuar vivendo como se nada tivesse acontecido. É possível ler o evangelho de natal, receber a luz da sagrada Escritura sem, porém, ficar iluminado. É possível estar no culto ou até ser membro da Igreja Reformada, ao mesmo tempo achando que não existe nada mais interessante e importante do que a diversão do mundo. Na verdade todos nós, que somos miseráveis pecadores, temos essas tendências em nosso peito. Desejamos qualquer coisa, desde que seja conveniente para a nossa carne. Reparem só como foi a reação dos líderes espirituais do povo de Deus quando ao receberam a notícia do nascimento de Jesus Cristo. Eles tinham a Bíblia na mão. Mas até uma viagem para Belém, uma caminhada que dava para fazer a pé, já era demais para eles. Melhor aprendermos com os magos. Aqueles magos vieram de longe. Não sabemos nada sobre eles. Eles apareceram e desapareceram, mas fizeram o essencial. Eles buscaram a Cristo, com muita disposição e alegria. Quando o encontraram, pela graça de Deus que iluminou seu caminho, se prostraram diante do menino Jesus e o adoraram. Seja a sua vida assim, irmãos! Seja este o sentido e o lucro deste natal! Que vocês que estão aqui, independentemente de qualquer outra circunstância, pela graça de Deus estejam dispostos a buscar a Jesus Cristo e a reconhecê-lo como o único Senhor e Rei da sua vida. Aproveitem a oportunidade antes de desaparecerem! As boas novas lhes foram trazidas. Estas boas novas estão confirmadas pelo santo evangelho. Jesus Cristo, o grande Rei, nasceu em Belém. Importa a todos nós aproveitarmos a oportunidade e prostrar-nos diante dele, arrependendo-nos dos nossos pecados e andando em novidade de vida.

Amém.

 

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

Compartilhe!

Deixe um Comentário