Sermão preparado pelo pastor Lucio Manoel
Leitura: Levíticos 10; Hb 12.25-29
Texto: Levíticos 10.01-07

Amada Igreja do Senhor Jesus Cristo

A Bíblia ensina em muitos lugares, que Deus é Santo. Ele é separado de todo pecado; Ele não suporta o pecado diante de Si. Por causa dos pecados, Ele castiga o mundo incrédulo, agora e eternamente. Deus também castiga aqueles que se aproximam Dele com desprezo à Sua Santidade.

Uma das passagens que ensina o zelo de Deus por sua santidade é Levítico 10. E a mensagem desta pregação pode ser resumida com as palavras do verso 3 deste capítulo, que está no centro do texto da pregação: Deus mostra sua santidade naqueles que se chegam a Ele e é glorificado por todo seu povo.

Nadabe e Abiú eram os filhos mais velhos de Arão. Eles eram sacerdotes ungidos, junto com seu pai e seus outros irmão, Eleazar e Itamar (Essa unção aconteceu no capítulo 8). Passados sete dias da consagração (Lv 8.33), Arão começou a exercer o serviço do tabernáculo auxiliado por seus filhos (Lv 9).

O capítulo dez, então, registra o serviço que Nadabe e Abiú realizaram. Eles tomaram seus incensários, colocaram fogo, acrescentaram o incenso e se aproximaram ao SENHOR para lhe oferecer incenso (v. 1).

Mas tinha alguma coisa errada com esta oferta de incenso. Os sacerdotes levaram “fogo estranho diante do SENHOR”.

A conclusão é que alguma coisa na oferta de incenso queimado não está saindo exatamente como foi ordenado (v. 1b). E, por causa disso, o SENHOR não aceitou a oferta, e enviou fogo que matou os dois sacerdotes (v. 2).

Este fogo do SENHOR já havia descido sobre a oferta oferecida por Arão. Ele serviu como sinal da presença de Deus e de sua aceitação da oferta. Naquele momento, o povo ficara alegre com este fogo do SENHOR (Lv 9.24).

No caso de Nadabe e Abiú, o fogo do SENHOR viera novamente, mas sobre os sacerdotes, não sobre a oferta do sacerdote. O fogo serviu como sinal da presença de Deus, mas não como aceitação da oferta, e sim de reprovação dela.

O SENHOR foi bastante rigoroso com estes homens que se aproximavam de Deus para realizar o serviço sagrado. Deus quis marcar o início do serviço dos sacerdotes no tabernáculo com o temor que a sua santidade exige. Por todas as gerações, os sacerdotes e o povo deviam aprender que devem aproximar-se do SENHOR com a santidade devida ao seu nome.

Quando Moisés tomou conhecimento da situação, foi a Arão, não para censurá-lo, mas para explicá-lo por que tinha acontecido aquilo com seus filhos: “Isto é o que o SENHOR disse: Mostrarei a minha santidade naqueles que se chegam a mim e serei glorificado diante de todo o povo” (v. 3a).

Arão estava angustiado com a morte dos seus filhos. Seu coração estava machucado – Você pode imaginar a dor que Arão estava sentindo por ter perdido dois filhos de uma só vez. Mas as mortes de Nadabe e Abiú foram justas. O SENHOR mesmo já tinha alertado em Êxodo 19.22 “Também os sacerdotes, que se chegam ao SENHOR, se hão de consagrar, para que o SENHOR não os fira”.

Arão ouve as palavras de Moisés e fica calado. Ele não rebate Moisés. Ele não reclama. Ele aceita o que Deus está fazendo, mesmo que isso o machuque – Deus seja glorificado diante de todo povo (v. 3b). É isso que ele está aprendendo com a situação, embora seja da maneira mais dura: com a morte de seus dois filhos.

Então Moisés chamou seus primos que eram levitas também, embora não fossem sacerdotes, e eles levantaram os corpos de Nadabe e Abiú, pegando pela roupa, e levaram do lugar Santíssimo para fora, para o acampamento (v. 4).

Arão e seus filhos mais novos não podiam se envolver com o funeral de Nadabe e Abiú, porque eles não podiam deixar a tenda enquanto durasse o tempo do serviço deles. Eles não podiam nem mesmo participar do lamento pelo que tinha acontecido.

Em Israel, o lamento pela morte de um familiar ou amigo era marcado por choro, grito, o rasgar das vestes, cabelos sem pentear. Nada que indicasse alegria era feito durante o tempo de luto. Mas Arão, Eleazar e Itamar não podiam lamentar a morte de Nadabe e Abiú. Eles tinham de deixar isso para seus parentes e familiares. Eles estavam impedidos de fazer estas coisas porque eram sacerdotes santos e sobre eles estava o óleo da consagração (Lv 21.10-12).

Essas regras que estavam impostas sobre os sacerdotes podem parecer duras para pecadores como nós, mas ensinam muito sobre a santidade de Deus e sobre a responsabilidade daqueles que se aproximam Dele. O culto é coisa séria.

Arão, Eleazar e Itamar tiveram de aprender sobre a santidade de Deus. Eles tinham de sofrer calados a morte de seus familiares. Tinham de aceitar a disciplina do SENHOR. Tinham de aprender que Deus exige santidade daqueles que se aproximam dele, especialmente os que devem conduzir a adoração do povo de Deus e guiar o povo na santidade que Deus exige dele.

Agora, voltem ao versículo primeiro, e prestem atenção à expressão “fogo estranho”. Fogo, talvez seja uma palavra que serve para descrever o ritual inteiro de queimar o incenso. Neste caso, a reprovação se dá ao ritual inteiro, não meramente ao fogo.

Mas alguns têm sugerido que o erro de Nadabe e Abiú foi que eles tomaram fogo de outro lugar que não do altar (pode ser). Outros têm indicado que o serviço devia ser feito individualmente, e não em dupla (pode ser). Outros falam que o serviço devia ser realizado exclusivamente pelo sumo sacerdote (Lucas 1.8-10 mostra Zacarias, pai de João Batista, que era sacerdote, realizando o serviço do incenso – 2Cr 26.18). Outros dizem que o erro deles foi entrar no Santo dos Santos, o que só era permitido ao Sumo sacerdote (mas essa restrição só foi indicada depois do incidente com Nadabe e Abiú – Lv 16.1).

Tem ainda outra maneira de explicar o erro de Nadabe e Abiú. Eles podem ter realizado a oferta em horário impróprio.

Em Ex 30.6-8 o SENHOR diz a Moisés que o incenso devia ser queimado sempre pelas manhãs e no final da tarde, quando o sacerdote fosse alimentar as lâmpadas que estavam no lugar santo. Essa oferta coincidia com os sacrifícios que eram realizados pela manhã e no final da tarde (1Cr 13.10-11).

Inicialmente, o altar de incenso ficava junto com a arca da aliança, no lugar santíssimo (Ex 30.6; 40.5,26; Hb 9.4). Porém depois do incidente com Nadabe e Abiú, o SENHOR proibiu a entrada diária dos sacerdotes no Lugar Santíssimo para oferecer incenso (Lv 16.1,2), e determinou que apenas o Sumo sacerdote entrasse no Santo dos santos com o incenso (Lv 16.12,13), apenas uma vez no ano, junto com os sangue dos sacrifícios, no Dia da Expiação (Lv 16.29-34).

Os sacerdotes continuaram oferecendo o incenso pela manhã e à tarde, porém, fora do Santos dos santos (Lc 1.8-10).

Então, ao que parece, a coisa errada não foi que Nadabe e Abiú entraram no Santo dos santos com o incenso, pois parece que isso estava previsto. Mas eles podem ter realizado o serviço fora do horário, ou seja, nem pela manhã nem pelo fim da tarde, mas na hora da refeição.

Se a narrativa do capítulo 10 segue-se logo após ao capítulo 9, como parece ser o caso, então já haviam acontecidos os sacrifícios da manhã (note Lv 9.17). Depois disso, Moisés entrou na tenda com Arão, possivelmente para comer a parte do sacrifício a que os sacerdotes tinham direito (Lv 9.23). E provavelmente ainda era hora da refeição quando Nadabe e Abiú foram mortos, pois Moisés sentiu falta dos moços que não estavam no lugar santo comendo sua parte do sacrifício (Lv 10.17).

Então, o incenso devia ser oferecido pela manhã e no final da tarde, mas Nadabe e Abiú o está oferecendo no hora da refeição. Esse pode ser o erro dos sacerdotes.

Irmãos, vocês podem perceber que não é tão simples entender qual foi o pecado de Nadabe e Abiú, nesta passagem.

Porém, mesmo sendo difícil dar um significado exato para a expressão “fogo estranho” a conclusão é muito clara: Nadabe e Abiú realizaram o serviço a Deus de um modo errado. Eles realizaram o serviço de um modo não ordenado pelo SENHOR, e por causa disso foram punidos com a morte.

Precisamos meditar mais sobre isso. Aparecer diante do SENHOR e adorá-lo de modo errado, ofende a Deus e merece o castigo divino. Nadabe e Abiú provaram que isso é verdadeiro.

Meus irmãos, vocês entendem a seriedade do culto? O que está registrado nessa passagem é para vocês também. Este acontecimento ensina que vocês devem se aproximar de Deus de modo santo, reverente, obediente.

Lembrem-se que vocês não tinham condições nenhuma de aparecer diante de Deus. Vocês não tinham a mínima condição para apresentar um culto aceitável ao SENHOR. Vocês, com seus pecados mereciam o mesmo castigo de Nadabe e Abiú. Mas vejam o que Cristo fez por vocês. Ele, com sua inocência e perfeita santidade cobre os pecados de vocês aos olhos do Pai, e torna vocês aceitáveis a Deus (1Co 1.2).

Como isso é possível? Somente por causa do Mediador Jesus. É somente pela mediação de Jesus que vocês podem aparecer diante de Deus, sem medo de ser castigado. Essa é a promessa para os crentes. Essa é a promessa para os filhos da aliança. Essa é a promessa para você que recebe estas palavras com fé verdadeira e amor sincero pelo Salvador Jesus.

Os que amam a Cristo, amam também a Sua Palavra (Jo 14.21). Os que amam a Cristo se aproximam de Deus com confiança reverente, com temor santo. Essa confiança para se aproximar de Deus não se dá por causa do medo do castigo, mas por causa do desejo de agradar Aquele que o amou primeiro. O amor a Cristo leva vocês a amar a presença de Deus.

Vocês entendem isso? Vocês entendem que o Deus Santo chama vocês para o culto?

Se vocês entendem que é o Deus santo quem chama vocês ao culto, por que alguns deixam de atender à convocação do Deus Santo para cuidar de suas próprias coisas? Por que alguns de vocês deixam de vir ao culto por motivos que não impediriam vocês de ir ao trabalho ou de fazer outras coisas de seu interesse?

Isso é correto? Isso é adequado? Essa é uma maneira santa de lidar com a convocação que o SENHOR faz ao seu povo santo?

Isso não é certo, irmãos. Orem para que Deus acenda no coração de vocês a alegria de estar no culto. Deus pode fazer crescer no coração de vocês o desejo por este momento em que a igreja se aproxima de Deus. Mas vocês precisam lutar contra a tendência da natureza caída de escolher outras coisas que não o culto.orem. Peçam isso a Deus. Ele vai ajudar vocês.

Vocês se lembram de quando a pregação era uma coisa tão importante para você que você vinha ao culto se perguntando: qual será a pregação desse Domingo? Depois do culto você voltava para casa conversando com a família sobre as mudanças que Deus exigia que acontecesse na vida de vocês. O que aconteceu irmão e irmã? O que aconteceu com aquele prazer que vocês tinham com a pregação?

Orem para que Deus reavive no coração de vocês este prazer de estar no culto. Mas de sua parte, assuma o compromisso de lutar contra as armadilhas do diabo para tirar você do culto.

Vocês entendem também que o Deus Santo quer que vocês o adorem de modo adequado?

Se entendem, por que acontece de alguns se portarem de maneira irreverente no culto, sem prestar atenção à Palavra que está sendo pregada, sem participar adequadamente dos elementos do culto?

Onde está o temor de Deus? Onde está a reverência que é devida ao SENHOR? Onde está o amor que Deus quer receber do Seu povo?

Meus irmãos, o culto é o encontro pactual entre o Deus Santo e o seu povo santo. No culto, vocês ouvem em silêncio quando o Deus Santo fala com vocês. Lembrem-se do silêncio de Arão diante do SENHOR. Vocês ouvem suas palavras com o ouvido do coração e meditam em cada uma de suas palavras (Salmo 19.7-10).

O culto é reverente, mas também é alegre. No culto, vocês rompem o silêncio respondendo ao SENHOR com a voz do coração. Vocês oram, vocês confessam seus pecados, vocês renovam seus votos, vocês abrem bem a boca e cantam Salmos e Hinos em louvor ao Deus Santo, Santo, Santo.

(Aleluia!)

Vocês entendem que o Deus Santo deu oficiais à igreja para ajudar a dirigir o povo em santidade diante de Deus?

Se vocês entendem isso, por que é difícil para alguns obedecer os conselhos da Palavra de Deus que estes homens dão, sejam nas conversas, quando nos reunimos para o culto, sejam nas visitas pastorais que vocês recebem? Por que incomoda quando um dos oficiais pergunta: por que você não veio ao culto? Não era para se sentir feliz com esta pergunta? Afinal de contas, eles sentiram sua falta. Eles se preocupam com você. Os oficiais mostram esse cuidado porque eles vão responder por suas vidas diante de Deus (Hb 13.7).

Os oficiais não escapam ao juízo de Deus. Nadabe e Abiú foram castigados por não realizarem bem seus serviços. O SENHOR agiu com rigor logo no início do serviço deles, para que todo o povo aprendesse que Deus mostra sua santidade naqueles que se aproximam Dele, e é glorificado diante de todo seu povo.

Os oficiais são os primeiros a serem advertidos pelo SENHOR. Mas vocês precisam ter estes homem em alta estima por causa do serviço que eles realizam no meio da igreja.

Pais, os filhos de vocês estão aprendendo com vocês a amar o SENHOR e a estimar o culto do SENHOR? Ou eles estão aprendendo com você que o culto não é tão importante assim. Quando vocês desprezam o culto, vocês ensinam os seus filhos a desprezar a Deus. Quando você permite que seu filho pequeno decida se quer ir ao culto ou não, você está ensinando a ele que o culto não é tão importante assim.

Pais, vocês estão ensinando os seus filhos a temerem ao SENHOR? Ou vocês estão deixando os filhos de vocês fazerem o que querem e do jeito que querem? Vocês estão ensinando seus filhos a ter reverência no culto? Ou será que em sua casa não estão acontecendo as reuniões domésticas onde os seus filhos aprendem a como se comportar no culto? Você disciplina seus filhos em casa? Ou você vai tentar discipliná-los apenas quando chegar à igreja? Ensina o menino no caminho em que deve andar (Pv 22.6). Fala com ele ao acordar, ao deitar, na mesa, no caminho, encha a sua casa do conhecimento do Senhor (Dt 4.6-9).

Pais que tem filhos maiores, será que você está pronto para aceitar uma disciplina eclesiástica do seu filho, como Arão aceitou o castigo que Deus infligiu sobre seus dois filhos? Vocês estão ensinando seus filhos, a fim de que eles sejam servos fiéis ao SENHOR, ou vocês estão contribuindo para que eles desprezem ao SENHOR?

Amados irmãos e irmãs, estas advertências que vocês ouviram neste culto são para o bem de vocês. Deus é bom com vocês. Ele aceita vocês em sua presença, por causa de Cristo. Vocês são povo santo do SENHOR. Andem na presença do SENHOR e sejam santos. Seja aqui no culto ou onde vocês estiverem, sejam santos. Em toda vida de vocês, sejam santos.

Durante a semana, sentem-se em família. Aproveitem mais os momentos das refeições. Avaliem como vocês têm lidado com o assunto do culto. Abram a Escritura, juntos. Estabeleçam critérios de horário para chegar no culto; evitem dormir tarde demais no sábado, para não tornar a manhã de Domingo tão cansativa. Observem se seus filhos têm se comportado bem no culto.

Vocês têm o Espírito Santo. Busque a sabedoria do Espírito em oração e na Palavra. Deus vai ajudar vocês, quando aplicarem o coração a buscar ao SENHOR com fidelidade. Aproximem-se de Deus confiados no Salvador Jesus Cristo que cobre vocês com sua santidade. Amém.

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

** Este sermão foi originalmente escrito para uso do pastor e não passou por correção ortográfica ou gramatical.

Pr. Lucio Manoel

Lucio Manoel é pastor missionário da Igreja Reformada de Maceió, Bel. em Divindade pelo Instituto João Calvino, em Recife/PE. Lucio Manoel é colaborador do Projeto Dordt-Brasil.