Sermão preparado pelo pastor Jim Witteveen
Leitura: Juízes 03.07-30
Texto: Juízes 03.07-30

Amada Congregação do Nosso Senhor Jesus Cristo:

Se qualquer história nas Escrituras poderia ser considerada comédia sombria, a história do segundo juiz, Eúde, e sua libertação do povo de Deus dos moabitas, é exatamente isso. É o tipo de história que pode ofender aqueles com delicadas sensibilidades; histórias como esta não são encontradas na maioria das Bíblias para crianças. Há decepção. Há homicídio – e homicídio descrito com detalhes – e não é uma imagem bonita. E também há um pouco do que você pode chamar de “humor do banheiro” para terminar a primeira parte da história. E tudo isso é seguido pelo massacre de todo um exército.

O que é irônico em nossa sociedade hoje é que todas essas coisas – a violência, o humor negro, os detalhes grosseiros – são os blocos básicos de construção do que é chamado de “entretenimento.” E muitas pessoas não têm problema algum com isso! Comediantes e artistas construíram carreiras inteiras nessas coisas, e dado o atual estado de moralidade pública, ou falta de moralidade, isso é considerado bem.

Mas quando você encontra esses detalhes num texto “religioso,” no contexto da verdade absoluta, no contexto de um livro que afirma ser as palavras do Deus Todo-Poderoso, de repente todas essas coisas tornam-se motivo para ofensa. São um remanescente infeliz de uma época passada, uma era brutal e violenta, quando as pessoas acreditavam que eram escolhidas por Deus, quando as pessoas faziam guerra contra aqueles que eram diferentes, quando zombar seus inimigos foi considerado inteiramente apropriado.

Percorremos um longo caminho desde os dias dos juízes, desde que Eúde enfiou uma espada na barriga de um rei grosseiramente gordo. Não podemos mais levar a sério esse tipo de humor e acreditar que isso é um ponto muito importante. Poderíamos rir e seguir em frente, poderíamos esquecer nossos problemas diários por uma hora e meia nos confins escuros de um cinema e voltar para nossa vida diária, mas não podemos deixar uma história como essa servir de guia para nossa vida.

Em Salmo 119.103-105, o salmista diz:

“Quão doces são as tuas palavras ao meu paladar! Mais que o mel à minha boca. Por meio dos teus preceitos, consigo entendimento; por isso, detesto todo caminho de falsidade. Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e, luz para os meus caminhos.”

Juízes 3.21-24 nos diz isto:

“Então, Eúde, estendendo a mão esquerda, puxou o seu punhal do lado direito e lho cravou no ventre, de tal maneira que entrou também o cabo com a lâmina, e, porque não o retirou do ventre, a gordura se fechou sobre ele; e Eúde, saindo por um postigo, passou para o vestíbulo, depois de cerrar sobre ele as portas, trancando-as. Tendo saído, vieram os servos do rei e viram, e eis que as portas da sala de verão estavam trancadas; e disseram: Sem dúvida está ele aliviando o ventre na privada da sala de verão.”

“Quão doces são as tuas palavras ao meu paladar! Mais que o mel à minha boca.”

“Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e, luz para os meus caminhos.”

Tudo isso pode nos levar a questionar. Como podemos dizer tais coisas sobre a história de Eúde e Eglom? Como essa história poderia ser “doce ao meu paladar, mais que o mel à minha boca”? Como essa palavra pode servir como “lâmpada para os meus pés e luz para os meus caminhos”?

Nosso ponto de partida é este, como sempre: esta é a Palavra de Deus. Essa história foi incluída nas Escrituras para um propósito perfeito, pelo Deus perfeito. Um dos servos de Deus, provavelmente Samuel, foi inspirado pelo Espírito Santo para registrar essa história para o povo de Deus. Não há um detalhe, nem uma palavra, que não foi incluída para os propósitos de Deus.

Nossa segunda premissa é esta: Deus nos deu Sua Palavra, em primeiro lugar, para nos falar sobre Ele. O que esta passagem nos dize sobre nosso Deus? Essa é a primeira pergunta que precisamos fazer.

E se você olhar para os lugares nesta história onde as ações são atribuídas ao Senhor, o Senhor fez isto, o Senhor fez aquilo, você pode ver que esta história nos diz que o Senhor está inteiramente no controle de tudo, do começo ao fim – direcionando as coisas, orientando as ações humanas, guiando a própria história. Três lugares em particular, vemos a mão ativa do Senhor.

Versículo 12: O Senhor deu poder a Eglom, rei dos moabitas, contra Israel, porquanto fizeram o que era mau perante o Senhor.

Versículo 15: O Senhor lhes suscitou libertador: Eúde, homem canhoto, filho de Gera, benjamita.

Versículo 28 – O Senhor entregou nas vossas mãos os vossos inimigos, os moabitas.”

Ao longo deste livro, a história se tornará bem-conhecida, até mesmo monótona; mas mesmo essa repetição, esse sentimento de que essa é a mesma velha história, repetidamente, é importante. Aconteceu antes que o Senhor levantasse Otniel, o primeiro juiz, e o capacitou com o Espírito Santo para libertar Seu povo:

“Os filhos de Israel fizeram o que era mau perante o Senhor e se esqueceram do Senhor, seu Deus; e renderam culto aos baalins e ao poste-ídolo” (Juízes 3.7). Quarenta anos depois, uma geração depois… “Tornaram, então, os filhos de Israel a fazer o que era mau perante o Senhor…”

Então o Senhor respondeu. E a resposta dele não é simplesmente a mão da punição. O Senhor estava disciplinando seu povo, trazendo-os novamente para o lugar onde clamaram a ele. Então ele levantou um inimigo para trazer essa castigo sobre o seu povo. E o instrumento inconsciente de Deus era o rei dos moabitas, Eglom. Eglom fez uma aliança com os amonitas e os amalequitas, e em aliança com essas duas nações, ele derrotou Israel, e tomou posse da cidade das palmeiras – Jericó.

E aqui já começa a ironia. Moabe e Amon eram descendentes de Ló, produtos de relações incestuosas, lembranças de Sodomo e Gomorra, de onde Lós e suas filhas haviam escapado. Os amalequitas eram o pior inimigo de Israel; eles foram os primeiros a serem derrotados por Israel, e Deus fez menção especial deles em Deuteronômio 25.17-19:

“Lembra-te do que te fez Amaleque no caminho, quando saías do Egito; como te veio ao encontro no caminho e te atacou na retaguarda todos os desfalecidos que iam após ti, quando estavas abatido e afadigado; e não temeu a Deus. Quando, pois, o SENHOR, teu Deus, te houver dado sossego de todos os teus inimigos em redor, na terra que o SENHOR, teu Deus, te dá por herança, para a possuíres, apagarás a memória de Amaleque de debaixo do céu; não te esqueças.”

O povo de Israel esqueceu-se. E pagou o preço. Agora, seus primos afastados haviam se unido ao jurado eterno inimigo, e esse inimigo fez seu quartel-general em Jericó – o primeiro lugar que Israel havia vencido, o lugar onde sua vitória foi mais obviamente inteiramente devido à intervenção de Deus.

Então, o SENHOR estava basicamente mostrando Israel o que foi que eles tinham se tornado. Quando abandonaram o Senhor e abraçõu os deuses falsos de Canaã, eles se tornaram como Moabe, como Amon e até como Amaleque. A punição se encaixa no crime; eles queriam fazer parte da cultura de Canaã, e agora aquela cultura cananéia perversa dominou completamente.

E o líder exemplificou o que essas pessoas eram. Em versículo 17 lemos um tipo de comentário sobre Eglom, rei dos moabitas. Simplesmente, “era Eglom homem gordo.” O que acontecerá com ele depois mostrará que isso não era exagero, e não é simplesmente mencionado como uma informação interessante. Quando você olha para essa história, tudo é importante. Tudo tem significado. Eglom era glutão. Ele é um lembrete da dissipação de Sodoma e Gomorra, alguém que se dedicou a agradar a carne, a buscar prazer físico, em vez de buscar a santidade e a retidão.

E este homem e seus cúmplices, mesmo que não reconhecessem isso, estavam agindo como agentes de Deus, não simplesmente em infligir dor a Israel por seus pecados, mas em levá-los ao arrependimento. Por dezoito anos, os israelitas viveram sob o jugo de Eglom e seus aliados, dez anos mais do que haviam vivido sob a opressão do rei da Mesopotâmia antes de clamar por libertação. Dezoito anos é muito tempo; mas tomou dezoito anos para aprender a “odiar o poder de paganismo, antes que eles se tornassem capazes de distinguir entre os deuses das nações e o Deus de Israel, antes que eles se desviassem dos deuses que oferecem nenhuma ajuda e com fé e arrependimento voltassem para seu Deus, a fim de que ele pudesse salvar eles.”

Eles haviam esquecido. Eles escolheram não se lembrar. Ló, o ancestral de Amon e Moabe, havia sido salvo de Sodoma por causa das orações de Abraão; o povo não tinha a fé de Abraão, então eles tinham voltado para Sodoma.

Moisés orou fervorosamente quando Israel batalhou contra Amaleque, e essa oração levou à sua libertação; mas essas pessoas não oraram, então desta vez Amaleque poderia ganhar a vitória.

Jericó havia caído por causa da convicção de Josué de que a batalha pertencia ao Senhor; mas agora Israel não tinha essa certeza. Por isso, Jericó, a cidade das palmeiras, havia sido recapturada e repovoada, mais uma vez pelos inimigos do povo de Deus.

Então Deus agiu. Ele não esqueceu o seu povo. Como um pai disciplina seus filhos, o SENHOR disciplina os que Ele ama. E nenhuma disciplina, no momento em que é administrada, parece agradável. Mas foi para o bem do povo, para abrir os olhos para o quanto haviam caído. E levou algum tempo, mas funcionou.

O povo clamou ao Senhor, e isso nos leva ao segundo ato do Senhor nesta história – Ele levanta um libertador, um salvador. É como Deus opera. Ele “escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes; e Deus escolheu as coisas humildes do mundo, e as desprezadas, e aquelas que não são, para reduzir a nada as que são; a fim de que ninguém se vanglorie na presença de Deus” (1 Coríntios 1.27-29).

Ele levanta Eúde, da tribo de Benjamim, homem canhoto, para libertar seu povo. Os últimos capítulos de Juízes estão fora de sequência; eles registram eventos do início do período dos juízes, provavelmente da época de Otniel e Eúde. E esses capítulos mostram o lugar que a tribo de Benjamim tinha no quadro geral. Benjamim não era forte; ele estava em apuros. Ele não tinha lugar de proeminência em Israel. Mas o Senhor levantou um homem dessa tribo para libertar a nação.

E ele era canhoto. É interessante, porque o nome “Benjamim” significa “filho da mão direita.” Mas dentro destes filhos da mão direita, Deus levanta um filho da mão esquerda, uma verdadeira raridade. Muitas vezes os canhotos foram vistos como deficientes, e os pais treinavam seus filhos canhotos para serem destros. Mas Deus transformou o que as pessoas em sua loucura acreditavam ser prejuízo, para algo que funcionou a seu favor.

E para encurtar a história, esse homem canhoto prova ser muito habilidoso. Ele ganha uma audiência privada com o rei gordo. Ele diz ao rei que ele tem uma mensagem particular para ele; e quando ele tem a oportunidade de ficar sozinho com Eglom, Eúde se torna mais específico – essa mensagem privada é uma mensagem de Deus. Ele matou o inimigo de Deus com essa palavra, com aquela espada de dois gumes. E esse fato, juntamente com o que aconteceu a Eglom, deve nos lembrar de Hebreus 4.12-13:

“Porque a palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração. E não há criatura que não seja manifesta na sua presença; pelo contrário, todas as coisas estão descobertas e patentes aos olhos daquele a quem temos de prestar contas” (Hebreus 4.12-13).

Eglom foi chamado para prestar contas ao Senhor. Ele foi exposto. Em sua morte patética, em sua impureza tornando-se óbvia quando a espada é enterrada até o punhal em sua barriga, quando o estrume saiu, quando seus atendentes cheiraram algo daquela câmara privada que levou ao pensamento que ele estava usando o banheiro, até que ficaram tão envergonhados que não puderam esperar mais tempo antes de destrancar a porta, Eglom ficou nu e exposto. O senhor o havia fortalecido, mas Eglom não tinha nenhum interesse em ser servo de Deus. E fica ainda mais claro quando entendemos que o nome de Eglom significa “pequeno bezerro.” O comentarista puritano, Matthew Henry, disse: “Ele caiu como bezerro cevado, pela faca, um sacrifício aceitável para a justiça divina.”

Cada pessoa deve pagar o preço pelos seus pecados. Se não estivermos unidos a Cristo pela fé, se o seu sacrifício perfeito não for um sacrifício feito em nosso favor, teremos que pagar esse preço, e esse preço não é apenas a morte física, é a morte eterna e o castigo eterno, porque só isso é suficiente para retribuir uma ofensa contra o perfeito e santo Deus da criação. Eglom não tinha fé em Deus, e tinha que pagar esse preço.

O pequeno bezerro é abatido. O homem que, na vida, tinha sido o epítome do poder e da opressão, mostrou na morte o que ele realmente era: alguém que era impuro; alguém que não tinha lugar na terra prometida. O Senhor ouviu seu povo. Ele havia levantado um salvador. E esse libertador esmagou a cabeça do inimigo de Deus. Tudo o que restava agora foi que eles avançassem na fé; a cabeça havia sido removida e agora chegou a hora de assumir a batalha, derrotar totalmente os inimigos de Deus.

E esse é o terceiro ato de Deus nesta história. A cabeça do inimigo é esmagada pelo salvador ungido de Deus, e ele sai para liderá-los em batalha. Eúde deixa Eglom morto e envergonhado trancado em seu quarto superior, ele escapa, e chama o povo de Efraim para se juntar a ele na batalha contra seus inimigos. Ele os leva para baixo da região montanhosa, e este é o seu grito de guerra: Segui-me, porque o SENHOR entregou nas vossas mãos os vossos inimigos, os moabitas!

Então o povo, vendo a vitória que já havia sido vencida, sai em fé. Eles seguem Eúde até os vaus do Jordão, na entrada da Terra Prometida, eles tomam a fronteira e matam 10.000 guerreiros moabitas. E, ao contrário de seu rei, esses homens eram todos fortes e saudáveis. E desta vez obedeceram ao Senhor até o fim – nenhum homem escapou. A vitória foi ganha; como o Senhor diria em Zacarias 4.6, a vitória havia chegada, não por força, nem por poder, mas por Seu Espírito.

Irmãos, toda essa história, por mais estranha que seja, nos dá uma imagem da maior vitória de todas, a vitória de nosso Senhor Jesus Cristo sobre o pecado e a morte. Deus enviou o supremo juiz, o perfeito Salvador, para derrotar o inimigo e esmagar a cabeça da serpente. Ele ganhou essa vitória na cruz; ele derrotou o grande inimigo, Satanás. E agora Ele nos chama adiante, assim como Eúde chamou o povo de Israel, para a batalha. O inimigo foi derrotado. Agora somos chamados a obedecer esse chamado, o chamado de nosso Senhor Jesus Cristo: “Segui-me, porque o Senhor entregou nas vossas mãos os vossos inimigos.”

O povo de Israel, finalmente, seguiu o Salvador e derrotou seu inimigo. E a terra, a terra da promessa, teve descanso por duas gerações, durante oitenta anos. A vitória não foi permanente, não foi completa, foi marcada pela incapacidade e falta de vontade do povo em permanecer fiel. Mas ainda assim, é uma imagem do que nós temos, se confiarmos em Jesus Cristo. Precisamos obedecer esse chamado. Precisamos lutar contra nossos inimigos, contra o pecado, o diabo, todo o seu domínio, contra nossa própria carne, nossa própria natureza pecaminosa, e precisamos batalhar contra todas essas coisas com fé, sabendo que a batalha foi ganha. Mas a batalha não é vencida pelo poder humano ou pela engenhosidade. A batalha não é vencida por nosso próprio esforço. A batalha pertence ao Senhor; não por força, nem por poder, mas pelo Seu Espírito.

A história de Eúde e Eglom mostra a soberania de Deus na história, pois Deus traz a salvação ao seu povo, apesar da sua pecaminosidade. Ele revela, em termos inequívocos, a tolice e a realidade do mundo pecaminoso, na pessoa de Eglom, o gordo rei. Ele revela o destino final de qualquer um que não se submete a Ele, naquela imagem de Eglom deitado no chão na sua sala do trono com um punhal na sua barriga, fedendo. Tudo parece bem do lado de fora, desse mundo pecaminoso. Tudo parece tão atraente. Mas no final, não passa de sujeira e lixo. No final não passa de um fedor nojento. Ele revela seu poder. Ele revela seu amor. Ele revela o caminho da salvação. Ele revela Sua justiça.

E assim, mesmo nesta história, com todos os seus elementos repugnantes, com toda a sua zombaria dos inimigos de Deus, como todo o seu humor negro e ironia, encontramos o evangelho. Recebemos a boa notícia. Temos a Palavra de Deus. Lembre-se do Salmo 119:

“Quão doces são as tuas palavras ao meu paladar! Mais que o mel à minha boca. Por meio dos teus preceitos, consigo entendimento; por isso, detesto todo caminho de falsidade. Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e, luz para os meus caminhos.”

Que possamos contar e recontar a história de Eúde e Eglom com isso em mente: que esta história é uma história de doce vitória que deve nos deixar com o sabor do mel em nossa língua.

Que esta história nos dê entendimento; e nos leve a odiar todo falso caminho.

Que esta palavra e sua imagem de nosso Salvador, o Senhor Jesus Cristo, seja uma lâmpada para nossos pés e luz para nosso caminho.

Porque é isso que o Senhor quer dizer: Confie no Senhor. Combata o bom combate com consciência limpa. Segue-o, porque o Senhor deu os nossos inimigos nas nossas mãos.

Amém

___________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

** Este sermão foi originalmente escrito para uso do pastor e não passou por correção ortográfica ou gramatical.

Compartilhe!

Pr. Jim Witteveen

Pastor missionário das igrejas reformadas do Brasil e diretor do Instituo João Calvino.