Pregação preparada pelo Pr. Charles Wieske

Leitura: Salmo 22

Texto: Jó 02.11- 03.26

Amada Congregação de nosso Senhor Jesus Cristo,

O livro de Jó nos mostra a presença do sofrimento. Não qualquer sofrimento mas o sofrimento que não parece fazer nenhum sentido. Porque este vai de encontro ao que esperamos. Este mesmo sofrimento corre contra a própria palavra de Deus! Pois não é verdade que tudo o que aconteceu com Jó está fora de lugar? O Antigo Testamento não ensina que todos os que andam no caminho do Senhor serão abençoados? Não são as calamidades e doenças de Jó parte das maldições de Deus, reservada para seus inimigos? Para aqueles que se recusam a amar ao Senhor e obedecer a seus mandamentos? Era por isto que Jó tinha ficado perplexo! Foi por isto que sua esposa desistiu! Onde estava o Deus fiel e amoroso? Será que o Senhor mudou? Será que ele se tornou como o homem, dizendo uma coisa e fazendo outra?

Não, amados, o Senhor não mudou! Ele permaneceu fiel como sempre! Leal aos seus filhos. Sempre confiante para aqueles que dependem dEle. Somente olhe para Jó! Que ser humano poderia louvar o seu Deus quando todas as coisas estivessem caindo em pedaços? E ainda confessar que não deveríamos somente esperar as boas coisas que vem das mãos de Deus mas também as ruins? E não falar isto somente quando as coisas estiverem bem, mas exatamente quando estas coisas estiverem acontecendo? Com todas as possessões destruídas, todos os filhos mortos e sofrendo de uma terrível doença? Irmãos e irmãs, se você quer estar seguro que Deus sempre é fiel, somente olhe para Jó e o jeito que ele reagiu. Não para glorificar a si mesmo mas para glorificar o seu Deus, que de fato é aquele que sustenta seus filhos nas circunstâncias mais difíceis.

Entretanto, o livro de Jó não somente fala de sofrimento. Isto faz parte do livro, e até recebe uma importante atenção. Mas não é a parte mais importante. Por trás de tudo o que acontece vem a questão: quem é Deus? Podemos chamá-lo a prestar contas conosco? Podemos compelí-lo a nos dar explicações de seus procedimentos quando Ele não dá nenhuma pista sobre isto? Pode um ser humano insignificante intimar o todo-poderoso Deus diante do tribunal de sua consciência?

O diabo disse: Deus? O Senhor? Ele não é merecedor de seu amor Jó! Somente olhe para sua situação e contemple o seu estado! O que fazer com um Deus como este? Amaldiçoe-o, homem! Mas o Senhor replicou ao diabo: você duvida de que a fé de Jó seja verdadeira? Você acha impossível que alguém me ame quando todas as suas posses vão embora? Bem, eu provarei a você que este não é o caso! Você gostaria que eu provasse a você que minha obra de redenção é capaz de sobreviver às mais severas tempestades de destruição e dores e miséria e agonias? E o Senhor gloriosamente mostrou! O diabo perdeu duas batalhas consecutivas, uma após a outra.

Pois Jó não amaldiçoou a Deus! Mesmo passando por sofrimentos terríveis. E esteve completamente doente com uma doença e batalhando entre muitas questões, mas ele não abandonou a Deus, ele se agarrou em sua integridade. Ele acreditou que o Senhor não o abandonaria quando as coisas se tornassem mais e mais fortes, ainda que estivessem insuportáveis.

Mas o conflito não tinha terminado ainda! Certamente o Senhor tinha vindicado seu nome em seu servo Jó. Satanás não tinha como permanecer de pé, pois foi provado que a salvação é real mesmo em um mundo hostil, pois esta salvação está no Messias prometido, o qual fará o que é humanamente impossível em uma gloriosa realidade, pelo fato de pagar pelos nossos pecados, e por reconciliar os que odeiam a Deus e transformá-los em seus preciosos filhos que o amarão novamente, não pelo que Ele dá, mas por quem Ele é e pelo que Ele quer ser em seu povo.

Mas isto é somente o começo! Muito mais precisa ser trabalhado! Pois não há salvação sem fé! E a fé não é ameaçada somente quando as calamidades alcançam você fazendo suas bênçãos externas desaparecerem, ou ainda quando você está seriamente doente e seu corpo está com uma dor que causa uma terrível coceira e que o faz perder a cabeça. Quando isto vem ao seu momento mais importante há sempre um grande inimigo da fé! E é exatamente nestes momentos que as pessoas tentam usar argumentos e razões que soam piedosas mas são cheias de mentiras, ou ainda usam uma linguagem teológica onde as frases consoladoras nunca vêm a superfície, ou usam afirmações dogmáticas que geralmente enterram as palavras vivas do pacto entre Deus e o homem com sabedoria humana e pregações sobre moralidade.

É por isto que o Senhor permite que o conflito prossiga! Pois Ele quer instruir sua igreja e  consolar seus filhos com a verdade! A verdade de sua palavra! É por isto que o Senhor permite que Jó vacile e caia, como veremos em nosso texto. Até parecendo que o diabo sai vitorioso, pois Deus sabe que a menos que uma pessoa se curve diante de seu criador e o aceite, aceita a sua palavra, e mantenha a confiança na Sua promessa de salvação, não importa o que aconteça, esta pessoa não pode e não irá perseverar.

É por isto que mais uma vez a fé de Jó será posta à prova, e também sua justiça diante de Deus pela fé na promessa de salvação. E há mais do que isto, porque por trás deste conflito está Cristo e sua obra sendo também postas à prova! Será ele nosso único redentor? Podemos confiar nele como nosso salvador completo? Sempre? Em qualquer situação? Também quando as pessoas usam uma linguagem piedosa para minar nossa fé? Quando querem que encontremos justiça em nós mesmos? Em nossos próprios esforços ou boas obras ou obediência aos mandamentos de Deus?

O nosso texto relata o terceiro e final ataque de satanás! E este é ainda mais satânico! É por isto que ele quase tem sucesso. Se não tivesse sido o Senhor, Jó teria perecido em seus tormentos, mas Deus também queria o capítulo 3 na Bíblia, irmãos e irmãs! E isto para sermos consolados, pois lá aprendemos que nossa salvação não está em nós, em nossa força de vontade e pertinaz perseverança. Oh, irmãos, a palavra de Deus é confortadora e franca! Ela externa as aflições severas dos filhos de Deus até mesmo as rebeldias e dúvidas deles, não com um propósito sensacionalista mas para nos ensinar que somente Deus é nosso refúgio e fortaleza. Que Ele sustenta seus filhos mesmo quando eles vacilam na corda do desespero e querem desistir de tudo. Mas somente saem desta sua situação por causa de fidelidade de Deus e de suas promessas pactuais, e porque Seu filho Jesus Cristo intercede por suas débeis fé e confiança.

Eu proclamo a vocês o evangelho da salvação sob o seguinte tema:

Tema: O diabo continua seu ataque para que Jó desista de seu Deus!

  • 1. Como ele o faz usando seus amigos;
  • 2. Como ele quase realiza seus propósitos.

1. Usando seus amigos

Algum tempo transcorreu entre os versos 10 e 11. A notícia sobre o desastre de Jó tinha se estendido tão longe que alcançou os ouvidos de seus três amigos. Eles ouviram a respeito dos males que aconteceram a Jó e decidiram visitá-lo em seu momento de dor e sofrimento. É muito bonito quando você tem uma congregação onde se tem amigos que fazem todo o possível para consolar e confortar você. Estes três abandonaram seus afazeres diários e fizeram uma grande viagem. Eles eram Elifaz, o temanita, talvez o mais velho e o mais sábio. Teman, um neto de Esaú – e em Jr. 49:7 aprendemos que esta cidade-estado era conhecida pela sua sabedoria. Então havia Bildade, muito propriamente um descendente de um dos filhos de Abraão e Ketura, chamado Suá, como vemos em Gn.25:2-6. E o ultimo, Zofar de Naamã, um lugar desconhecido para nós. Estes homens eram príncipes árabes que viviam no Oeste. Não tão distante de onde Jó residia, mas ainda assim requeria deles um tempo para chegarem à terra de Uz.

Nós dissemos que eles provavelmente eram homens proeminentes. Como Jô, estes homens de boas maneiras foram educados na escola da vida prática. Suas palavras mostram que eles tinham adquirido um profundo conhecimento dos mistérios da criação e da natureza humana. Eles eram homens de um alto calibre moral. Professavam crer em Deus e estavam muito certos de que esta vida não era governada pela sorte mas pelo Deus todo-poderoso, justo e santo. Eles decidiram se encontrar em algum lugar e dali viajaram juntos para ajudar e consolar seu amigo. O provérbio que diz: o amigo necessitado deve ser um amigo ajudado parece cair sobre eles como uma luva. Eles estavam certos do que estavam fazendo e foram visitar a Jó com boas intenções.

Quando finalmente chegaram ao lugar em que Jó estava sentado, eles se assustaram. Que imagem da miséria! Que ruína humana! Que visão terrível! Eles demoraram a reconhecer Jó. Ele mudou tanto que eles tiveram problemas em reconhecer o amigo deles. É este o Jó que conhecemos a algum tempo atrás? Isto mostra a nós que eles nunca tinham percebido ou considerado que as coisas eram tão ruins assim. Eles sabiam que ele estava doente, eles ouviram a respeito de seus problemas, mas quando o viram de uma certa distância perceberam que as coisas eram piores do que o que eles tinham ouvido. O tempo que eles levaram para visitar a Jó foi devido ao que consideraram sobre a sua situação, mas a condição de Jó deteriorou-se gradualmente.

Agora ele deve ter chegado ao fundo do poço. Do capitulo 7 verso 3 nós aprendemos que alguns meses se passaram desde que ele começou a adoecer. E a lepra da qual ele sofria está indo de mal a pior. Vagarosamente o corpo está definhando. Perda de peso, ossos expostos, faz a vítima parecer um morto-vivo. Olhos profundos, feridas profundas, uma pele descascada, a qual se estendia completamente pelo corpo e parecia um pergaminho seco, e isto completava a pintura da tristeza de Jó. Que visão terrível! Nenhuma surpresa seus amigos estarem perturbados, de uma maneira oriental eles mostram a ele que estavam simpatizando com a sua dor emitindo um lamento ruidoso. Eles partem suas túnicas em pedaços ao ar. Eles estavam tomados pelas palavras, confusos diante de uma imagem tão aterradora. E eles tomaram seus assentos ao lado de Jó. Por sete dias somente se sentaram lá, sem proferir nenhuma palavra, estavam perplexos para dizerem qualquer coisa.

Agora, por que o senhor nos diz todas estas coisas, irmãos e irmãs? Qual o propósito  desta visita? E como podemos relacionar estes assuntos com o os outros conteúdos deste livro? Bem, amados, esta visita é o começo de tudo o que transpira entre os capítulos 3 e 31. Este não é o momento de tomarmos um fôlego e relaxar pensando que os sofrimentos de Jó foram amenizados, porque os seus amigos lhe deram o que ele estava ansiando. Isto mostra como vemos uma visita ao doente! Não pensemos que isto põe um fim em seus problemas e tristezas. Mas pelo menos ajuda a aliviar sua miséria. Mas este não é o caso aqui, irmãos, pois o diabo ainda está lá, não se esqueça; seu nome pode não ter sido mencionado desta vez, mas ele está presente, pois ele ainda não desistiu. Ele fará tudo o que ele puder para usar os amigos de Jó para realizarem seus propósitos malignos, pois está determinado a destruir a fé de Jô, provando que Deus estava errado! Ainda obcecado com mostrar que a salvação não passava de uma idéia imaginária, a qual não pode ser realizada em um mundo pecaminoso, porque quando vem ao ponto mais importante ninguém ama a Deus simplesmente porque Ele é o Senhor, ou pelo fato de ter prometido sua graça e misericórdia.

Oh, irmãos, aqueles três amigos eram completamente ignorantes sobre isto. E Jó pode ter pensado que ele finalmente receberia consolo para suas aflições, mas na verdade ainda demorará, pois, por via destes amigos o diabo monta seu imponente e ruidoso ataque contra a fé de Jó e a fidelidade de Deus. Na qual qualquer um que confia não confia em vão, e naquele que quem crer será justo, o que significa ser livre de culpa! E, em conseqüência, livre de punição. Os crentes não devem viver com dúvidas se o Senhor os ama ou não. Pois a fé deles é uma obra de Deus, é um fruto de sua graça e de sua fidelidade pactual.

E então o terceiro round esta apenas começando. O diabo vai com tudo, ele vai para matar, pois aprendeu que as catástrofes não são suficientes, e que a terrível doença de Jó não o permitiu deixar o seu Deus, é por isso que o diabo usa um tipo diferente de aproximação, por via dos amigos de Jó, e o conflito começa tão logo eles sentam ao lado de Jó, pois permanecem sem pronunciar uma só palavra.

Oh, amados, há muita verdade no dito que diz: falar é prata, silenciar é ouro. Há limites, irmãos: quando você encontra alguém que está passando por uma dor muito forte, não é muito sábio bombardeá-la com uma multidão de palavras. Nessa hora, o silencio pode ser uma benção. Então seu olhar e gestos e sua inabilidade para falar a coisa certa pode promover maior conforto do que uma enxurrada de palavras. Mas quando você mantém-se calado por sete dias isto não só é embaraçoso como insuportável. E é isto o que acontece aqui. Os amigos não sabem o que dizer. Eles estão assustados com tanta miséria, e se vêem sem palavras, pois, algumas vezes tal sofrimento nos impede de que digamos alguma coisa, e assim seu desejo de consolar cai completamente, e depois de um silêncio tão longo, o seu desejo de dizer alguma coisa torna-se o oposto.

Pois é simplesmente impossível estar quieto por sete dias e não expor seus mais profundos pensamentos e sentimentos. Sua atitude e os gestos de seu corpo revelarão o que de fato está em seus corações. A intenção inicial deles em confortar Jó gradualmente cedeu espaço para as suspeitas. Que pessoa como Jó sofre sem razão? Qual o problema com ele para que Deus o tenha afligido tão duramente? Ele deve ser um grande pecador. Ele deve ter feito algo que provocou a ira de Deus. Isto deve tê-los deixado encucados. A simpatia inicial transformou-se em espanto, e de alguma forma Jó deve ter percebido. Com o passar dos dias ele deve ter sentido a diferença entre os primeiros dias de sua vida e a sua situação presente. E está é a satânica tentação que Jó agora tem de enfrentar.

O diabo pode usar o silêncio para torturar os filhos de Deus! Especialmente quando vem de seus melhores amigos. Também quando você nota em seus olhos e testemunha no comportamento deles a questão sobre seu estado diante de Deus. Eles podem fazer você sentir que os problemas que você está sofrendo são culpa sua. Sua falta de fé no Senhor, ou omissão na educação dos seus filhos. Ou sua falta de compromisso no serviço ao Senhor, oh, isto não quer dizer que nenhum deles estivesse correto. Quem há que sirva a Deus como deveria? Mas é satânico insinuar que nossos sofrimentos e dúvidas são enviadas por causa da punição do Senhor, e é isto o que merecemos pelos nossos pecados. Pois o Senhor não trata com seus filhos na mesma moeda, irmãos! A despeito de todos os seus pecados e omissões, os crentes devem saber que Deus os ama incondicionalmente por causa de Jesus. Então, pela fé nEle eles são justos, não importando o que lhes aconteça, o Senhor cuida deles e usa estas tribulações para o bem deles.

E isto foi o que aconteceu com Jó. Ele era justo diante de Deus, inculpável e reto, conforme o capítulo 1 e 2 nos diz. A despeito dos desastres que sofreu, ele agarrou-se em sua integridade. Imputada sobre ele por crer na promessa do Messias. Prometido a ele pelo Senhor do pacto. Mas seus amigos não entendiam nada a respeito disto. A despeito de todo o conhecimento e sabedoria em suas palavras, elas revelam que eles eram totalmente ignorantes da verdade de que um pecador é justificado pela fé somente. E se você não sabe isto, se você falha em apoderar-se desta verdade básica do Evangelho, então tudo o que você pensa ou diz se torna distante da verdadeira doutrina.

O justo viverá por fé, diz o evangelho! E por nada mais. Jogue está bem aventurada verdade fora e você abrirá a porta para a depressão e o desespero. Se isto não é a verdade, a religião cristã se torna uma grande carga a ser levada. Sem nenhuma alegria, nunca certo de sua salvação, sempre em dúvida se Deus aceita você, em um mundo onde tudo está em fluxo e nada é permanente, você está para ser lamentado. Você nunca saberá a respeito da paz que excede todo entendimento. E o diabo sabe, talvez como nenhum outro. Ele percebe que os pecadores têm somente uma esperança, que é a graça e a misericórdia de Deus. Sua promessa bem-aventurada de salvação em Jesus cristo e em sua obra de expiação. Pois se você acredita nisto, se você acredita no Evangelho, o maior pecador pode crer que é perdoado e em conseqüência justificado e grandemente amado por seu pai celestial.

Os amigos de Jó não sabiam disto, e é por isto que eles não podiam consolá-lo também. O que Jó precisava ouvir da boca deles era que embora tivesse passando pelo que estava passando, ele nunca deveria se esquecer que o Senhor é bom,  e nunca abandonará seus filhos. Nem mesmo quando tudo está desmoronando em suas vidas, ou quando suas cabeças estão cheias de questões e você nem vê o amor de Deus por causa das circunstâncias, pois o justo viverá pela fé! Este é o único evangelho que confortará os filhos de Deus em todas as situações da vida. Vamos para o segundo ponto.

2. Como ele quase realiza seus propósitos

Jó se tornou ciente de que seus amigos falhariam com ele. Pois eles não pronunciaram uma sílaba. E esse silêncio disse um milhão de palavras. E então o que acontece? Este filho de Deus explode com uma veemência que nós não esperamos. O silêncio de seus amigos quase o dirige para fora de sua mente. Onde está o consolo que ele quer ouvir? Onde estão as reafirmações de que se pode confiar em Deus? Onde está o bálsamo para sua torturada alma, de que seja o que for o que aconteça, o Senhor nunca se esquecerá dos que confiam nEle e nas suas promessas de salvação?

No capitulo 3, Jó alcança o ultimo degrau. Ele balança na linha da desesperança e está no ponto de desistir e deixar a sua fé e dizer tchau a Deus. E então isto acontece? Aqui prendemos a respiração. Será que o diabo ganhará depois de tudo? Será ele capaz de roubar a Deus de sua glória, a realidade de que a salvação é possível neste mundo, que não há pessoas que amem a Deus não importando o que aconteça?

Então Jó bem alto amaldiçoa o dia de seu nascimento. Pois, de que vale tal vida? Quando tudo está em trevas. Quando ninguém diz nada. Nos versos 1-9 ele deseja nunca ter visto a luz do dia. Nos versos 11- 19 ele pergunta por que não foi abortado ou por que sua mãe não fez um aborto, ou porque não morreu na mais tenra idade. E nos versos 20-26 ele implora a Deus que o deixe morrer. A vida perdeu o sentido e propósito para ele. Nada mais é importante. No verso 8 ele alude às superstições locais. Entre as tribos do oriente o sol e a lua eram adorados como deuses. E a religião mitológica deles cria que o Leviatã, um horrível monstro inimigo dos deuses, algumas vezes os engolia. Quando o sol e a lua estavam em eclipse eles acreditavam que o mal tinha vencido o bem. Os magos possuíam o poder para trazê-los de volta.

Com seus encantamentos, eles podiam despertar este monstro para causar trevas e caos. Isto não significa que Jó, meus irmãos, acreditasse nas superstições de seus compatriotas. No capitulo 31:26 ele nos dá uma prova do oposto. Mas isto mostra quão distante Jó estava daquilo que a palavra de Deus ensina. A bíblia nos diz que a vida é um dom de Deus! Ele, Ele mesmo nos coloca no ventre de nossa mãe. O nascimento de um bebê é uma grande benção, e não algo que deve ser amaldiçoado.

Irmãos e irmãs, vocês percebem o quanto Jó está perto, quão perigosamente ele quase realiza o propósito de Satanás? Mas não sejamos tão duros com ele! Não, nós não podemos chamar de bom o que está definitivamente errado, nem podemos minimizar o pecado de Jó aqui. Mas não podemos relatar isto? Você nunca teve um pensamento deste tipo, quando tudo esteve nebuloso? Você nunca sentiu a falta de certeza do amor de Deus por você? Quando os problemas e as tensões estão cobrindo você a ponto de não conseguir encontrar a saída de jeito nenhum? E se você nunca teve, não bata se congratule por isto, mas, agradeça a Deus por tê-lo preservado e protegido destes pensamentos pecaminosos. Ou talvez você simplesmente não tenha passado pelo que Jó estava passando.
Jó amaldiçoou no verso 1. Não, não foi do jeito que o diabo queria. Chegou muito perto, claro! O hebraico usa uma palavra diferente no verso 1, que significa: invocar o mal ou desejar o que não tinha acontecido. Pois Jó estava perplexo. Como um crente do VT, ele fala a respeito do reino da morte como um lugar de descanso. Onde a dor e os problemas chegam ao fim. Um estado de bem aventurada não existência. Um sono profundo.

Aqui no capitulo 3 este filho de Deus começa a pecar com seus lábios. Em sua severa prova, da qual ele não sabia o propósito que sacudiu as bases de sua vida, ele não ouviu nenhuma palavra de consolo! Nem do céu nem da terra. O que se tornou uma forte tentação para ele. Tão forte que não conseguiu exercitar sua fé, e quando você não faz isto, amados, então você tomba e cai e isto pode acontecer tão fortemente que pode chegar tão baixo que nada mais parece ter importância. E chega a conclusão que nada mais parece ser pior do que sofrer sem saber o por quê. Até a morte parece ser o melhor.
Ao mesmo tempo, Jó não amaldiçoou a Deus! E por causa disto o diabo não conseguiu a vitória! Depois do capitulo 3 Jó nunca mais chega tão perto dos objetivos do diabo como ele o faz agora. Porque o Senhor o segura. Ele não abandona a Jó porque Ele é fiel à promessa de que Jó é justo diante dEle, justo pela fé, mesmo quando ele está muito fraco e sem condições de exercitá-la. Tudo isto por causa de Cristo. E é por causa dEle somente que Jó vencerá e perseverará.

E também isto se aplica a nós, irmãos e irmãs! Nos Cânones de Dort nós confessamos a Perseverança dos Santos. Mas nós também confessamos lá que estes santos podem algumas vezes pecar seriamente. Então a fé deles não lhes fala mais, ela pode estar virtualmente ausente, pois os problemas e tensões e dores podem algumas vezes nos pegar de um jeito que nos tornamos depressivos, de um jeito que nada mais importa para nós, e assim nos tornamos vulneráveis. Vulneráveis aos ataques do diabo, que conhece quando você está para baixo e vulnerável. Desta forma você é sério candidato a pecar. Não somente por palavras, mas caindo em pecados graves. Ao mesmo tempo, confessamos que o crente nunca cai da graça de Deus, por causa da mão do Senhor que segura os seus filhos, por causa de sua fidelidade, e por causa de Cristo, que nos fez amados por Deus quando expiou nossos pecados. E foi uma expiação por todos eles. Até mesmo por aqueles quando nos sentimos para baixo e abandonados.
Foi por isto que o Senhor colocou este capítulo na Bíblia, para nos mostrar quão fracos nós somos em nós mesmos. Quão facilmente nos tornamos indiferentes, desesperançados e desesperados quando nos esquecemos que o Senhor é digno de confiança e amor em todos os tempos. Pois nosso Deus nunca muda, amados! Você pode sempre se apoiar nEle! Pelo o que Ele prometeu a você, a cada um de vocês.

Jó em sua tristeza, Jó em sua prova, Jó amaldiçoando o dia de seu nascimento, achou que havia sido abandonado por Deus. Desprovido de todos os símbolos da bondade de Deus, ele pronunciou o Salmo 22. Mas por trás de Jó estava o seu Senhor e redentor! O único que um dia pronunciaria estas palavras na cruz. Realmente abandonado! Verdadeiramente deixado sob seus próprios cuidados! Por causa de Jó e por nossa causa. Para pagar pelos pecados dele e pelos nossos. E então reconciliar uma igreja com Deus. Um povo que pode acreditar que o Senhor nunca abandonará nenhum daqueles que confiam em sua salvador.

Foi por isto que o diabo não ganhou! E é por isto que o diabo nunca ganhará. Não importam quão profundas sejam as águas da destruição. Porque o Deus de Jó é também nosso Deus, amados! Até mesmo quando o anticristo dá as cartas, pode acontecer de perdermos todas as nossas bênçãos terrenas, e pode parecer que estamos acreditando em uma causa perdida, que até os céus podem parecer cerrados para nós e que nossos amigos mais íntimos nos digam que estamos loucos, mas todos aqueles que acreditam em Deus, o Deus do pacto, o Deus que nunca falha em cumprir o que prometeu, serão preservados. Como a menina de seus olhos. Então eles herdarão a vida eterna. Pela graça somente, pela fé no Senhor e salvador deles. Pois nosso Deus e Pai é o Deus e Pai de Jesus cristo, que é o nosso salvador certamente! Por isto não caímos, e estamos seguros, pois é uma obra dEle mesmo. Vamos viver este evangelho, amados! Vamos crer naquEle que nunca mente! Em Jesus cristo, que expiou a culpa por todos os nossos pecados.

Por isto podemos cantar! Ainda que nos encontremos tristes e depressivos, ou com medo do futuro, ou a respeito de nossos filhos e netos, sim, nós podemos cantar as palavras do salmo 22 – LER ÚLTIMO VERSO

A salvação de Jó foi uma obra de Deus. Foi por isto que ele perseverou. E o mesmo vale para conosco, do começo ao fim.

Amém.

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

Compartilhe!

Leave a Comment