Sermão preparado pelo Pr. Elissandro Rabelo

Leitura: Mateus 19:03-09; Dia do Senhor 41

Texto: Gênesis 02:18-24

Amados irmãos em Cristo

Deus nos deu o sétimo mandamento para proteger o casamento, para manter a pureza e a bênção na vida dos casais. É bom para nós, sejamos casados ou solteiros, aproveitar essa ocasião para ouvir o que a Palavra de Deus nos ensina acerca do casamento. Não é somente bom, mas também urgente para nós ouvirmos o ensino bíblico sobre o casamento.

Pois, na sociedade moderna em que vivemos o casamento não tem sido levado a sério, mas tem sido desvalorizado ou é visto como algo ruim que escraviza as pessoas, uma coisa chata. “O casamento foi bom para sua época, mas já está ultrapassado para nós hoje”, alguns afirmam. Há pessoas que se casam apenas para ver se vai dar certo, como um tipo de experiência, ou como se fosse um contrato frio que pode ser desfeito a qualquer momento. Outros vivem juntos sem se casar legitimamente. Sem falar no grande número de adultérios, divórcios ilegítimos e da união entre pessoas do mesmo sexo (homossexualismo), coisas vistas como normais em nossos dias, mas contrárias à vontade de Deus e condenadas por Ele no sétimo mandamento.

O que Deus pensa do casamento? O que Ele nos ensina em sua palavra sobre o matrimônio? Ele nos ensina que o casamento é uma instituição inventada por Ele, é algo que surgiu em seu coração, uma coisa boa que Ele criou para o bem da humanidade. É uma aliança que deve ser honrada, valorizada. Digno de honra entre todas as coisas seja o casamento (Hb. 13.4), pois foi planejado e criado por Deus para refletir a sua glória e trazer alegria ao homem. Ele nos criou homem e mulher à sua imagem e semelhança, ou seja, com a intenção de que haja a união entre duas pessoas de sexos diferentes com o propósito de refletir sua glória no domínio da criação, na geração de filhos bem como no relacionamento íntimo de amor e companheirismo (Gn. 1.27,28).

Cada vez que um homem e uma mulher se unem no Senhor, isso agrada a Deus e promove a sua glória. Afinal foi o próprio Deus quem celebrou o primeiro casamento da história. E viu Deus que isso era bom. Lemos sobre isso em Gênesis 2.18-24. (ler o texto). O que aprendemos nesse texto? Aqui temos o relato histórico em que Deus providencia uma esposa para Adão e onde também aprendemos alguns princípios estabelecidos por Deus para um casamento feliz e harmonioso. A mensagem é esta:

O SENHOR INSTITUIU O CASAMENTO PARA O BEM DO HOMEM E DA MULHER

  1. A Provisão de Deus para o Casamento
  2. O Plano de Deus para o Casamento

1) A Provisão de Deus para o Casamento

Em Gênesis 1, aprendemos que Deus, nosso Pai, fez os céus e a terra e tudo que neles existem. E tudo que Deus fez era muito bom, ou seja, perfeito, completo, adequado ao seu propósito na criação. Ele também criou o homem à sua própria imagem, sendo este a coroa da sua criação (Gênesis 1.27). Em seguida, Deus o colocou num lindo jardim para o cultivar e o guardar (Gn. 2.15). Isso era bom. O homem vivia num lindo lugar e podia cumprir alegremente a vontade de Deus no domínio da criação (exemplo: Adão deu nome aos animais – vss. 19,20). Porém, quando chegamos no verso 18 do capítulo 2, lemos que Deus viu algo que não era bom, algo que ainda faltava para a alegria plena do homem. (ler vs.18).

O Senhor olhou para o homem entre todos os animais do campo, todas as aves do céu e declarou que sua vida solitária não era adequada, não era boa. Imagine Adão vivendo num ambiente perfeito em plena comunhão com Deus e os animais, mas, ao mesmo tempo, sozinho, sem alguém adequado a ele, da sua espécie, alguém que pudesse ajudá-lo e ter um relacionamento com ele. Deus contemplou a solidão de Adão. Ele viu que o homem precisava de alguém que o completasse e começou a trabalhar para preparar uma esposa adequada para o homem.

O que Deus faz para solucionar o problema da solidão de Adão? Observe o agir de Deus para provê uma esposa para Adão. Em primeiro lugar, Deus coloca os animais diante de Adão para que este desse nomes a cada um deles (vss.19,20). Por que Deus faz isso? Para que Adão não só exerça o seu ofício de dominar a criação dando nomes aos animais, mas também para que ele encontre alguém adequado para ele.

Todos os animais desfilaram em sua frente, mas não se achou ninguém que o auxiliasse e completasse, alguém que combinasse com ele. (v.20). É claro que Deus sabia disso. Por que então ele permite que Adão examine todos os animais? Para ensinar a Adão a sua necessidade, que ele precisava de uma companheira que lhe fosse idônea. Deus está preparando Adão para o seu casamento. Chegaria o momento em que Adão daria o nome a sua própria esposa.

Em segundo lugar, Deus faz Adão cair num sono profundo, retira uma das suas costelas e a transforma na sua mulher (vss. 21,22). Exatamente como a mulher foi feita permanece um segredo de Deus. O que sabemos é que enquanto Adão dormia, o Senhor trabalhava a fim de providenciar-lhe uma esposa. Deus realiza uma operação cirúrgica em Adão e, de parte do seu lado, retira o material para formar a sua mulher. Tendo feito a mulher, Deus a apresenta a Adão (e lha trouxe) e realiza o primeiro casamento da história, sendo ele o ministro e a única testemunha daquela cerimônia naquele lindo jardim.

Irmãos! Que lição maravilhosa aprendemos aqui! O Senhor trouxe uma mulher para Adão. Deus conhece as nossas necessidades e as supre segundo a sua vontade e para sua glória. Deus percebeu a necessidade de Adão ter uma esposa e lhe concedeu Eva. O Senhor trouxe a mulher para o homem. Casamentos não acontecem por acaso, não é fruto de um destino cego, mas é algo planejado e providenciado por Deus. A pessoa com quem nos casamos ou vamos nos casar um dia tem a ver com a providência de Deus nas nossas vidas, tem a ver com o trabalhar de Deus em nos preparar para o casamento e nos dá a benção do casamento. Aqueles que são casados não se conheceram por acaso. Deus uniu um ao outro, Ele cruzou os seus caminhos para que agora vocês tenham um só caminho: o caminho de viver um para o outro como marido e mulher. Vocês foram unidos pela mão de Deus.

Caro jovem cristão! Dentre as suas principais preocupações está com quem você vai se casar um dia. Não se desespere com isso! Não siga seus caminhos entregando-se à imoralidade do mundo e unindo-se com pessoas ímpias. Deus não se esqueceu de você! Ele conhece as suas necessidades! Descanse na providência divina. O Senhor providencia a pessoa certa na hora certa para cada um de nós. E saiba que Deus está mais preocupado com quem você vai se casar um dia do que você mesmo. Seja fiel a Deus e Ele satisfará os desejos do teu coração abençoando-o com a dádiva da esposa prudente ou do esposo fiel (ver Pv.18.22; 19.14; Sl. 37.4,5).

Qual foi a reação de Adão ao despertar do seu sono e contemplar a mulher que Deus providenciou para ele? Adão ficou extasiado. Ele foi tomado de grande alegria. Sua alegria foi tanta que ele louvou a Deus com um hino de gratidão pela boa dádiva que Deus preparou e trouxe para ele, a sua mulher (ler v.23). A gratidão de Adão não estava simplesmente no fato de Deus ter criado outra pessoa, mas que esta pessoa havia surgido dele, de sua própria carne e sangue, alguém da sua espécie e que o completava.

É como se Adão dissesse: “Finalmente, encontrei alguém que é semelhante a mim; alguém que pode dar fim á minha solidão, alguém que me completa e pode me ajudar, alguém que se adequa perfeitamente a mim, alguém que é carne da minha carne, alguém que pertence somente a mim”. Depois de ter dado nome a todos os animais, o homem agora se alegra com a sua mulher e dá nome a ela (v.23; 3.20) Isso mostra sua autoridade, intimidade, fé e alegria. Finalmente uma auxiliadora idônea lhe foi entregue pelo Criador. Deus instituiu o casamento para o bem e a alegria do homem.

Essa mesma alegria que contagiou Adão deve se manifestar em todo casamento. Essa alegria se manifesta quando vemos o nosso cônjuge como um presente de Deus, um dom de Deus. Deus deu um ao outro para a alegria de ambos. Precisamos aprender a olhar um para o outro como um presente de Deus e se alegrar um no outro a cada dia. Precisamos ser gratos a Deus pela pessoa que ele colocou na nossa vida.

Muitos casais precisam resgatar essa alegria de volta, o prazer de viver um para o outro e pertencer um ao outro. Alegrem-se com o seu cônjuge e o veja como um dom de Deus para sua vida. Essa alegria é possível quando Cristo é o Senhor de nossas vidas e de nosso casamento. É possível quando a palavra de Deus guia o nosso casamento. Deus não só instituiu o casamento, mas ele também nos aponta o caminho para se obter alegria e harmonia no casamento. Isso nos leva ao segundo ponto.

2) O Plano de Deus para o Casamento

O Senhor deixa bem claro no verso 24 que no casamento o homem deve deixar seu pai e sua mãe e unir-se à sua mulher. Precisamos atentar para significado de dois verbos importantes aqui para entender o plano de Deus para o casamento: deixar e unir-se. O que significa deixar pai e mãe? Isso serve para o homem e a mulher. O que quer dizer “deixar”? Literalmente significa “abandonar”. É a mesma coisa que Jesus pediu a seus discípulos: deixar pai e mãe por amor a Ele e seu reino (Lc.14.26; Mt.10.37). A mesma coisa acontece no casamento. Esse deixar significa romper algo que é temporário (relacionamento pais e filhos) para formar algo que será permanente (relacionamento marido e mulher). O deixar aqui indica que a relação familiar mais importante não é a relação pai-filho, mas a relação esposo-esposa. Abaixo de Deus nosso cônjuge se torna o “número um” depois que casamos. Quando alguém se casa, ele não pode mais manter com seus pais o mesmo relacionamento que tinha antes (dependência emocional, financeira, proteção).

Isso não quer dizer que os recém-casados vão abandonar seus pais deixando de honrá-los e respeitá-los. Eles vão cuidar de seus pais e até receber seus conselhos quando necessário. Mas seus pais não podem interferir em seu casamento. Eles agora formam uma nova família. É importante que tanto os pais quanto os filhos aqui presentes entendam o que significa esse deixar para não colher sofrimento depois. Pois muitos casamentos têm problemas e se acabam porque tanto os pais quanto os filhos não entendem e nem praticam esse “deixar”.

Infelizmente, em nossa sociedade moderna, a relação pai-filho é a mais significativa no convívio familiar do que marido e mulher. Os pais de hoje, com frequência vivem para os filhos. Gastam a maior parte do seu tempo e energia em função dos filhos. É claro que os pais devem cuidar dos seus filhos, dar-lhes carinho, atenção, mas precisam ter cuidado pra que isso não esteja acima do seu relacionamento com o seu cônjuge. É triste dizer, mas muitos casais permanecem juntos não porque um se alegra no outro, mas por causa dos filhos. A coisa mais prejudicial que os pais podem fazer aos filhos é construir um casamento em torno deles. Por outro lado, o maior presente que um pai e uma mãe podem dar para seus filhos é sendo um bom marido e uma boa esposa. O que os filhos precisam ver são pais que saibam viver como pais, mas principalmente como marido e mulher. Isso vai encorajá-los a deixar sua casa um dia e construir sua própria família.

Filhos! Entendam que os seus pais não devem viver em função de vocês, mas um para o outro. Sejam sábios em viver de tal forma que ajudem seus pais a viver um para o outro na família. Pais! Compreendam que o deixar faz parte do plano de Deus e deixem seus filhos construir em paz suas famílias. Entendam que a relação mais básica na família é a que existe entre marido e esposa e não entre pai e filho. Preparem seus filhos desde cedo a deixarem o lar sem nenhuma complicação quando a hora deles chegar. Os filhos podem ser uma alegria para os pais e na verdade são, mas não podem ser a base da alegria no casamento. A alegria de Adão foi Eva.

A outra palavra importante é o verbo “unir-se”. O deixar os pais leva ao unir-se um ao outro. Esse é o plano de Deus para os que se casam: fazer-lhes um, uni-los um ao outro. O que essa união significa? Podemos entender o seguinte: Unir-se significa uma união permanente, para a vida toda, até que a morte os separe. Deus vos uniu um ao outro e nada nem ninguém deve separar este relacionamento. A palavra aqui usada indica isso, pois “unir-se” significa cimentar, juntar de tal maneira que não se pode separar. É como colar uma folha de papel na outra. Não dá para separá-las. Nosso Senhor Jesus Cristo que honrou o casamento quando revelou sua glória nas bodas de Caná da Galiléia (João 2:1-11), nos ensina que o casamento é uma instituição divina que não pode ser quebrada, pois Cristo falou: “Porquanto o que Deus ajuntou, não o separe o homem” (Mateus 19:6). Não até que os parentes os separem, nem até que a profissão ou a discórdia os separe, não até que vida, mas até que a morte os separe.

Esse unir indica uma união completa. Os dois se tornam uma só carne. É uma união física, emocional, intelectual e espiritual. Um não vive sem o outro, mas um depende do outro. Ambos precisam um do outro para se satisfazerem mutuamente em todos os sentidos. O homem precisa da mulher e a mulher precisa do homem. Quando ambos se unem no casamento, eles completam um ao outro e satisfazem suas necessidades. Infelizmente muitos casamentos se parecem com dois estranhos dividindo o mesmo teto. Mas esse não é o plano de Deus. O casal é um só, tem o mesmo alvo, segue o mesmo caminho e participam juntos das mesmas alegrias e tristezas.

O unir-se implica em companheirismo e cooperação. Deus uniu o homem à sua mulher para terem filhos, satisfazerem um ao outro, mas também para serem amigos e ajudarem um ao outro em todas as coisas. Deus criou a mulher para ser a companheira adequada do homem. Ela lhe é dada para completá-lo e dar-lhe toda assistência. O que é uma mulher? Por que, especificamente, foi ela criada? O que ela deve fazer? A mulher foi criada como ajudadora do homem (v.18). Como é que uma esposa auxilia o seu marido? Sendo a sua companheira. O companheirismo é um dos propósitos do casamento (Pv.2.17; Ml.2.14). Nós todos temos necessidade de intimidade; o casamento satisfaz a essa necessidade. É bom ter alguém para fazer planos e enfrentar e resolver os problemas juntos (ver Ec.4.9-12).

Lembrem-se, mulheres. Deus te deu ao seu marido como a auxiliadora dele. Não para ser escrava dele, mas para ser sua melhor amiga e ajudá-lo a cumprir a sua vocação de cabeça do lar. Lembrem-se, homens! Para o seu próprio bem, Deus te deu a tua esposa como uma dádiva graciosa para te completar e ser sua auxiliadora. Receba com alegria a sua companheira e a ajude também sendo um marido amoroso, fiel e compreensível.

Irmãos! Deus instituiu o casamento para o vosso bem e alegria. Ele trouxe um para o outro. Ele mostra o caminho a vocês. Aceitem o plano de Deus para o seu casamento. Que Cristo seja o centro de vossa casa. Permitam que a bússola da palavra de Deus oriente o barco do seu casamento em meio às tempestades dessa vida. Se Cristo está no barco com vocês, não precisam temer o amanhã nem as aflições desse tempo presente. Jesus lhes dará força para viver um para o outro e ambos para Deus. Com Cristo em suas vidas e em seus casamentos vocês encontrarão o porto seguro da felicidade. Amém.

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

** Este sermão foi originalmente escrito para uso do pastor e não passou por correção ortográfica ou gramatical.

Compartilhe!

Pr. Elissandro Rabêlo

Pastor na Igreja Reformada em Cabo Frio - RJ.

Deixe um Comentário