Pregação preparada pelo Pr. Abram de Graaf

Leitura: Mateus 25.31-46

Texto: Eclesiastes 11.09 – 12.01

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus,

Quem não viu nessa semana passada: um céu cheio de nuvens?
O dia começou com sol, um momento bonito em que as crianças podiam brincar na rua;
Mas esta alegria foi ameaçada pela chuvarada que estava se arrumando no horizonte.

O nosso texto é assim: uma exortação para se alegrar, enquanto as nuvens escuras estão no horizonte. O nosso texto fala aos jovens e os exorta para se alegrar, mas eles não devem esquecer que as nuvens da velhice estão no horizonte. Alegrem-se, porque juventude vai passar! Capitulo 12, 1 diz: Lembra-te do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias, e cheguem os anos dos quais dirás: Não tenho neles prazer.

No final da nossa vida somos velhos, fracos e doentes e não temos mais tanto prazer na nossa vida. Então, pensando nisso, o autor diz aos jovens: alegre-te, antes que venham os dias maus. Alegre-te. Agora é o momento! Alegre-te, mas lembra-te do teu Criador. Não o esqueça na sua juventude, porque precisarás dele na sua velhice.

Assim é o contexto do nosso texto; assim é também o contexto da nossa vida; e assim é também o contexto deste momento especial aqui na igreja. Duas jovens farão a sua profissão de fé no final do culto; e essas duas jovens pensaram independentemente (!) nessa palavra de Deus, que encontramos aqui em Eclesiastes 11. Um texto cheio de alegria; uma palavra para os jovens que são crentes; uma exortação para jovens que se devem preparar para o futuro escuro e nublado.

ALEGRA-TE JOVEM NA TUA JUVENTUDE!

  • 1) AME A DEUS ACIMA DE TUDO E
  • 2) FAÇA O QUE QUISER.

Queridos irmãos,

Este texto é uma palavra excelente para este momento em que duas jovens, Aline e Tânia, farão a sua profissão de fé. Porque o texto fala aos jovens, observa a vida deles, e exorta os jovens a se alegrarem e a não esquecerem Deus. O livro de Eclesiastes fala sobre a vida do dia-a-dia, mas não esquece Deus, o Criador, que vive no céu. Isso combina com o momento de hoje: duas jovens param a sua vida por um momento para confessar a sua confiança em Deus.

Já disse no início: o nosso texto é como um raio de sol num dia nublado. O livro Eclesiastes fala sobre a vaidade dessa vida. Vaidade de vaidades, tudo é vaidade. Tudo é passageiro; tudo é como a fumaça, que desaparece quando o vento vem. Tudo é vaidade, tudo é passageiro, também a nossa vida. Mas no meio de tudo isso, o nosso texto levanta a nossa cabeça para o céu e nos ensina a confiar em Deus.

Cap. 12, 1 diz: Lembra-te do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias, e cheguem os anos dos quais dirás: Não tenho neles prazer. E versículo 9 e 10 do Capitulo 11 dizem: Alegra-te, jovem, na tua juventude, e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade; sabe, porém, que de todas estas coisas Deus o trará a julgamento. Duas vezes a luz de Deus esclarece as sombras deste livro. São dois momentos únicos neste livro, que deixam o nosso texto especial.

Lembra-te do teu Criador nos dias da tua mocidade, diz a palavra de Deus. Lembra-te do TEU Criador. O texto não fala sobre o Criador em geral, mas sobre o TEU Criador. Prestem atenção nessa pequena palavra TEU, irmãos. Isso mostra que existe uma relação íntima entre o Criador e os jovens. Ele é TEU Criador. Deus, o Criador, não é uma pessoa desconhecida para nós. Nós o conhecemos. Ele se revelou a nós: através da sua criação, e mais especificamente através da sua Palavra.

Hoje em dia muitas pessoas acreditam que existe uma coisa, UM PODER, que criou o universo. Elas acreditam nesse PODER, mas não o conhecem. Este poder fica desconhecido. A Palavra de Deus não fala assim. A Palavra de Deus nos revela quem é esse Criador. Ele é o Deus de Abraão e de Israel; Ele é o Pai eterno de Jesus Cristo. Ele fez uma aliança com Abraão e com todos os crentes. E baseado nessa aliança podemos dizer: Ele é o NOSSO Criador. Ele é o MEU Deus. Ele é MEU Pai celeste.

Lembra-te do teu Criador nos dias da tua mocidade, diz a Palavra de Deus. LEMBRAR na Bíblia é muito mais do que um pensamento passageiro. Lembrar-te do teu Criador não acontece num flash. Lembrar-se do seu Criador é pensar nos atos dele no passado, adorar a presença dele no presente e confiar nele para o futuro. Lembrar-se do seu Criador é um estilo de vida. Lembrar-se do seu Criador significa um convívio continuo. As crianças em Israel aprenderam isso dos seus pais.

Elas aprenderam a adorar a Deus. Os pais em Israel falaram com as suas crianças sobre Deus. As crianças conheciam o Todo Poderoso, que criou o céu e a terra. Mas como sempre chega um período na vida de uma criança em que surgem dúvidas. Especialmente na adolescência. Muitas adolescentes perdem a sua fé na adolescência. Quem já experimentou isso, ele sabe que este texto é muito importante e que este momento aqui na igreja é muito especial. Duas jovens que passaram a adolescência e guardaram a sua fé; Elas se lembram do seu Criador e confessam isso publicamente! Graças a Deus!

Agora, quero focalizar um pouco mais no nosso Criador. Quem é o seu Criador? O texto que vocês escolheram diz: Alegra-te, jovem, na tua juventude, e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade; sabe, (porém), que de todas estas coisas Deus o trará a julgamento.

Pensando nesse texto surgiu uma pergunta: Deus é chato? Por um lado Ele lhes diz: ALEGRA-TE, JOVEM, mas por outro lado Ele o trará ao julgamento por causa desses momentos de alegria!! Como combinar isso? Deus quer que nós nos alegremos, SIM ou NÂO? Ele vos exorta para se alegrar, mas depois vos castigará porque se alegraram? É assim, irmãos? Deus é tão chato?

Não, irmãos! Deus não é chato. Ele realmente quer que nós nos alegremos. O CRIADOR quer isso. Vou mostrar isso. Abram a Bíblia em Atos 14, 17! Ali o Espírito Santo nos diz o seguinte: Deus fez o céu, a terra, o mar e tudo o que neles existe. Ele permitiu, nas gerações passadas, que todas as nações seguissem os próprios caminhos. No entanto, não deixou de dar testemunho de si mesmo fazendo o bem, do céu enviando-vos chuvas e estações frutíferas, saciando de alimento e ALEGRIA os vossos corações. Estão ouvindo, irmãos?! Deus, O Criador, quer nos saciar de alimento e de ALEGRIA.

Também o próprio Livro de Eclesiastes diz isso. Lemos em Ecl. 9,7-9: Vai, come teu pão com ALEGRIA e bebe gostosamente o teu vinho, porque Deus já aceitou tuas obras. Que tuas vestes sejam brancas em todo tempo e nunca falte perfume sobre a tua cabeça. Desfruta a vida com a mulher amada em todos os dias da vida de vaidade que Deus te concede debaixo do sol, todos os teus dias de vaidade, porque esta é a tua porção na vida.

Deus não é contra alegria, irmãos. Deus quer que nós nos alegremos! Ele realmente quer isso. Ele nos exorta e estimula. Ele nos dá o alimento para se alegrarmos, pão e vinho e carne e muito mais. Deus quer nos dar alegria nessa vida. Mas a questão é: qual é o caráter da nossa alegria? A nossa alegria é uma verdadeira alegria? Não somente para mim, mas também para as pessoas que vivem perto de mim? Ou a minha alegria é particular? Talvez até egoísta? Eu me alegro, mas os meus pais não; eu me alegro, mas os meus irmãos não; Eu me alegro mas Deus não. Eu, eu, eu e o resto morreu?

Que tipo de alegria é essa? Deus não gosta desse tipo de alegria malvada e egoísta, mas Deus é em favor da alegria pura e verdadeira. Uma alegria, que traz felicidade para todos que vivem em redor de nós. Uma alegria boa com verdadeiro amor. Uma alegria que compartilhamos com as pessoas que vivem perto de nós. 1 Cor. 13 diz: Ainda que tivesse fé, mas não tivesse o amor, essa fé não presta nada. Assim posso também dizer: Ainda que tivesse ALEGRIA, mas não tivesse o amor, essa ALEGRIA não presta nada.

Duas pessoas podem se alegrar, mas a sua alegria pode ser completamente diferente. Depende do coração delas. Uma pessoa cheia de fé e amor se alegrará com outras coisas do que uma pessoa egoísta e soberba que não conta com ninguém. A pessoa egoísta só se alegra com a própria prosperidade; mas o coração do verdadeiro crente se alegra com a prosperidade dos seus irmãos e dos seus amigos. Existem dois tipos de alegria, e, o jovem deve saber que tipo de alegria agrada a Deus.

Porque a palavra diz: Alegra-te, jovem, na tua juventude, e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade; sabe, (porém), que de todas estas coisas Deus o trará a julgamento. Pensando no julgamento, podemos pensar em Mateus 25, 31-46, que fala sobre o último julgamento. Naquele momento encontraremos também dois tipos de pessoas; dois tipos de jovens.

Um grupo de jovens que vivia para satisfazer os seus próprios interesses. Eles não se preocupavam com a vida das pessoas que viviam ao redor deles. O estilo da vida deles era assim: Eu, eu, eu e o resto morreu. No final Jesus lhes dirá: Eu tive fome e não me destes nada a comer; eu tive sede e não me destes nada a beber; fui estrangeiro, e vocês não me acolheram; necessitei de roupas, e vocês só compraram roupas para si mesmo; estive enfermo e preso, mas nunca me visitaram. Infelizmente encontramos muitas pessoas e muitos jovens que vivem assim neste mundo.

Mas existe também um outro tipo de jovem. Jovens que foram convertidos e transformados pelo Espírito Santo. Jovens que começaram a conhecer Jesus Cristo; Jovens que mudaram o seu estilo de vida. Jovens que começaram a viver uma vida cristã; jovens que se esforçaram a cumprir a vontade de Deus. Estes jovens não vivem de acordo com a idéia: Eu, eu, eu e o resto morreu. Mas eles vivem com o amor de Cristo no coração.

Cristo andava neste mundo e se alegrava muito. Ele compartilhava a sua alegria com as pessoas que viviam perto dele; ele compartilhava o evangelho com as pessoas que ele encontrava nas suas viagens: pessoas doentes, pessoas cegas ou surdas; pessoas paralíticas; uma multidão que estava com fome; pessoas que estavam com sede. Etc. etc. Cristo os ajudou, porque ele sabia que isso era a vontade de Deus; Cristo os ajudou porque queria vê-los alegres. Cristo os ajudou porque sabia que Deus de todas estas coisas nos trará ao julgamento.

E Cristo mesmo será o último Juiz. Ele avaliará a nossa vida e está observando se nós nos alegramos com esta alegria pura e santa, que vem de Deus. E se for assim ele vai dizer: Venham, benditos de meu Pai! Recebam como herança o Reino que lhes foi preparado desde a criação do mundo. Pois eu tive fome, e vocês me deram de comer, tive sede, e vocês me deram de beber. fui estrangeiro, e vocês me acolheram; necessitei de roupas, e vocês me vestiram; estive enfermo, e vocês cuidaram de mim; estive preso, e vocês me visitaram;

Prestem atenção, irmãos. O convite para se alegrar não é somente um convite para se alegrar por um momento, mas o objetivo desse convite é a vida eterna. Por causa disso o convite chama a sua atenção para a existência de Deus. Tem dois tipos de alegria, mas só uma delas leva para a vida eterna. Podemos nos alegrar aqui de acordo com a idéia “Eu, Eu, Eu e o resto morreu”, mas esta alegria é vaidade e passageira: não durará para sempre. A verdadeira alegria, que é uma alegria com amor, esta alegria dura para sempre!! Todas as coisas são vaidades e passageiras, mas só há uma coisa que ficará: É o amor. Quem tem este amor no coração, passa pelo julgamento sem ter medo. Quem tem Cristo no coração passa pelo julgamento sem medo.

ALEGRA-TE JOVEM NA TUA JUVENTUDE!

  • 1) AME A DEUS ACIMA DE TUDO E
  • 2) FAÇA O QUE QUISER.

Faça o que quiser! Esta palavra pode causar um constrangimento aqui. Faça o que quiser! Se disser isso a uma pessoa que vive no mundo, ele pensará em muitas coisas erradas. Mas prestem atenção, irmãos! Esta palavra não é dita às pessoas que vivem no mundo, mas às pessoas que vivem na igreja; Esta palavra é para pessoas convertidas, regeneradas. Vocês tem que passar pelo ponto 1 para chegar ao ponto 2.

Antes de tudo uma pessoa tem que aprender a AMAR A DEUS ACIMA DE TUDO e só depois poderá cumprir o segundo ponto: FAÇA O QUE QUISER. Essa palavra não é uma licença para fazer tudo. A nossa liberdade é limitado por nossa responsabilidade. A Bíblia diz:
Alegra-te, jovem, na tua juventude, e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade; anda pelos caminhos que satisfazem o teu coração e agradam aos teus olhos; sabe, (porém), que de todas estas coisas Deus o trará a julgamento.

A primeira parte fala sobre a nossa liberdade, e a segunda parte fala sobre a nossa responsabilidade. A nossa liberdade é limitada pela nossa responsabilidade.
Faça o que quiser, mas ame a Deus acima de tudo.

Faça o que quiser, mas lembra-se que de todas estas coisas Deus o trará ao julgamento.

Então, no primeiro lugar devemos aprender a amar a Deus; Lembrar-se do nosso Criador. Se você aprendeu isso, você será uma outra pessoa, uma pessoa regenerada. Uma pessoa que ama a Deus; Uma nova criatura que está cheia do Espírito de Deus; Uma pessoa que vive conforme a imagem de Deus; uma pessoa nova com um coração novo; uma pessoa nova que quer cumprir a vontade de Deus. Se você é regenerada, você não quer fazer tudo; você não quer fazer coisas malvadas porque aprendeu a amar.

O amor traz um compromisso na nossa vida. O amor muda a nossa vida. O amor transforma a nossa vida. Quantas vezes não aconteceu que duas pessoas começaram a namorar e as suas vidas mudaram. Elas aprenderam a se respeitar e a evitar certos costumes. Uma pessoa que fumava, não fuma mais, porque a sua esposa não gostava disso e ele ama a sua esposa mais do que o cigarrinho. Um homem bebia muito, mas não faz isso mais porque ele ama a sua família. Ele se sente responsável por suas crianças e esta responsabilidade limitou a sua liberdade. Ele parou de beber.

A palavra diz: Alegra-te, jovem, na tua juventude, e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade; anda pelos caminhos que satisfazem o teu coração e agradam aos teus olhos; Isso oferece uma liberdade em fazer contatos e relações, mas esta liberdade é também limitada pelo nossa responsabilidade. Paulo diz para os jovens (1 Cor. 7,38) : você está livre para casar, com quem quiser, mas no Senhor. Somos livres para satisfazer o nosso coração e os nossos olhos, mas somente no Reino de Deus. Antes de tudo, deixe o amor de Deus purificar o vosso coração e os vossos olhos e depois disso vocês estão livres para fazer o que quiser. Mas tenha cuidado! Porque existe um perigo que pode estragar a sua alegria. O texto diz: Afasta, pois, do teu coração o desgosto e remove da tua carne a dor.

Existem pessoas que vivem reclamando o tempo todo, porque não sabem se alegrar; não conhecem essa alegria santa, porque não conhecem o amor de Deus. Não são amados e por causa disso estão tristes e vivem reclamando para receber atenção; reclamam sobre a dor na carne, visitam os médicos e os especialistas, mas não encontram nada, porque a dor não está na carne, mas vem do seu coração. Elas tem que tirar do seu coração o desgosto e só depois disso elas podem remover a dor na carne. Então, a pergunta é: o que causou o desgosto no coração delas?

O que é o desgosto do seu coração? A palavra significa uma magoa que foi causada por uma outra pessoa. Existem pessoas que vivem com uma mágoa no coração. Uma mágoa que as incomoda. Uma mágoa que funciona como um espinho na carne; como uma pedrinha no sapato. Mais tempo que fica, mas ela incomoda. Uma pessoa deve tirar o espinho da sua carne, porque se não, a carne vai ficar vermelha e haverá uma infecção; tem que tirar a pedrinha do sapato, porque se não incomodará mais e mais e no final não conseguirá mais andar. Do mesmo jeito tem que tirar a mágoa do seu coração. Mas como fazer isso?

A resposta é simples: se converter e viver uma vida Cristã. E parte dessa vida é aprender a PERDOAR! Tem que tirar o espinho e devolver àquela pessoa que lhe deu. Tem que tirar a mágoa do coração e devolver a pessoa que lhe deu e dizer: por favor, você me magoou, mas eu lhe perdôo. Assim tem que tirar a mágoa e isso curará a dor da carne. Isso curará a sua vida e as suas relações com as pessoas mais próximas. Isso restaurará a sua alma e lhe trará a verdadeira alegria. Uma alegria com amor. Esta alegria que dura para sempre.

Quem tem tal desgosto no coração tem que tirá-lo, porque a juventude e os cabelos negros são vaidade. Até jovens podem morrer. E quando acontece e você não tem a verdadeira alegria no seu coração; não terá paz na sua vida, Deus o trará o julgamento. E Cristo o dirá: afaste te de mim! Não o conheço; não o reconheço, porque não teve o amor no coração; Esse é o lado escuro da vida, irmãos; essas são as nuvens no horizonte da nossa vida.

Mas nós não vivemos na escuridão, nós não vivemos nas trevas. Nós vivemos na luz. Nós conhecemos o Cristo. Nós conhecemos a remissão dos pecados! Hoje de manhã celebramos a santa ceia: celebramos a comunhão dos santos; conhecemos esta alegria santa, que o sacrifício de Cristo nos deu.

Temos aqui duas jovens que querem fazer a sua profissão de fé; elas descobriram essa alegria na sua vida; elas querem ser parte dessa alegria. Elas enriquecerão a nossa alegria. E juntos esperamos pela plenitude de alegria, que Cristo nos trará. A todos nós. Em Cristo nós nos alegramos. Não temeremos o julgamento, porque a nossa alegria é santa; a nossa alegria é Cristo Jesus.
Amém.

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

** Este sermão foi originalmente escrito para uso do pastor e não passou por correção ortográfica ou gramatical.

*** Encontre mais sermões do Pr. Abram de Graaf em: bramdegraaf.com

Compartilhe!

Pr. Abram de Graaf

O pastor Abram de Graaf é “Doctorandus” (Drs) em Teologia e um dos professores do Instituto João Calvino (Aldeia, Camaragibe-PE). Ele é pastor da Igreja Reformada de Hamilton, Canadá, enviado como missionário às Igrejas Reformadas do Brasil, desde o ano 2000. É Diretor do Projeto Dordt-Brasil. Ele mora em Maceió e também desenvolve projetos nessa cidade.

Leave a Comment