Pregação preparada pelo Pr. Abram de Graaf

Leitura: 2º Reis 01

Texto: Dia do Senhor 34

“Não terás outros deuses diante de mim”

Queridos irmãos em Jesus Cristo,

Hoje a noite vamos falar sobre idolatria, feitiçaria, adivinhação e superstição. Coisas ocultas, coisas que são ligadas com demônios, coisas que vem do diabo. Coisas que têm muita influência aqui no Brasil.

Há pessoas que têm medo de certos números. Especialmente o numero treze (13)! há Hotéis, que não têm o apartamento com o numero 13, pois muitas pessoas não querem dormir num tal apartamento; Há pessoas, que não vão se assentar num jantar para treze pessoas. Há pessoas que têm medo de sinais, como o gato preto que passa em frente deles.

Aqui no Nordeste existem costumes que parecem supersticiosos. No dia da sexta feira santa as pessoas não podem varrer a casa, não podem tomar um banho, não podem pentear os cabelos, as pessoas cobrem o espelho, não podem comer carne. Costumes que estão relacionadas com o luto, que os católicos observam neste dia. Costumes de luto, que as pessoas devem fazer, pois se não forem feitos uma coisa mal pode acontecer.

E pense nos textos religiosos que as pessoas colocam no caminhão ou no seu carro. Os rosários que estão pendurados no retrovisor; o uso de pedras especiais, e de amuletos.

Em cada jornal ou revista encontramos uma parte que fala sobre a astrologia. Sobre a posição das estrelas. E quase cada pessoa (aqui também!) conhece o seu signo: touro, leão ou escorpião. E há poucas pessoas que não resistem à tentação de ler o seu horóscopo se estiverem lendo o jornal. E todo mundo diz que não liga, mas todos são curiosos de ler o que está escrito. E quando vai para a praia do Francês no dia de sábado com certeza encontrará algumas ciganas que querem ler a sua mão; outras visitam os cartomantes, ou os pais-de-santo. Especialmente os participantes de Macumba e Candomblé são muito supersticiosos. Eles têm ritos para chamar os espíritos. Eles têm reuniões com musicas africanas, reuniões para se comunicar com os espíritos.

São poucos exemplos, mas são muitas pessoas que estão ligadas com estas formas de superstição, adivinhação, feitiçaria e idolatria. Muitas pessoas são viciadas usando estas praticas. Estas coisas dominam a vida delas. Elas ficam paradas se alguma coisa má pode acontecer, elas ficam doentes se pensar na possibilidade que uma pessoa botou um olho mau neles e precisam de um curandeiro para ser curada.

A superstição estraga a vida das pessoas. Em vez de alegria isso dá terror; em vez de se sentirem seguras as pessoas se sentem ameaçadas; é o terror do Mal que domina a suas vidas.

A bíblia nos mostra varias historias sobre este poder do mal.

Deixa me contar uma historia que nós encontramos em 2 Reis 1. Não vou ler esta historia, mas contar. Esta historia aconteceu na época do profeta Elias. Era uma época em que Israel estava cheio de idolatria. O Rei Acabe e especialmente a Rainha Jezabel, que introduziu a religião de Baal em Israel. Foi uma religião ligada com os poderes da natureza. O Baal garantiria fertilidade e as sacerdotisas dele foram usadas como prostitutas. Houve também o Baal que deu os castigos as pessoas. O Baal-Zebub controlava esta área. Literalmente o nome dele quer dizer O Senhor das Moscas. Ele controlava a área de saúde e doenças.

Acabe e Jezabel estimulavam esta superstição e criavam os seus filhos com esta supertição.

Então, irmãos, um dia o filho de Acabe, o rei Acazias, teve um acidente. Ele caiu pelas grades dum quarto alto e adoeceu. Ele ficou deitado na cama. Ele não pensou em Deus. Ele não pensou: há só um que pode me ajudar! Devo procurar o Deus de Israel, que controlava a natureza nos dias do meu pai Acabe. Não! Nada disso! Acazias seguia o caminho da sua mãe. Ele tinha colocado a sua confiança na superstição de Baal.

Ele conhecia um lugar aonde havia um templo de Baal-Zebub. O Senhor das Moscas! Este Senhor das Moscas podia dar uma doença às pessoas pelas moscas, e com certeza ele podia curar pessoas, se estas pessoas o respeitassem e lhe dessem presentes.

Por isso ele mandou mensageiros ao templo de Baal-Zebub para descobrir se sararia desta doença. Mas no mesmo tempo disse o Senhor a Elias: “Levanta-te, sobe para te encontrares com os mensageiros do rei de Samaria, e dize-lhes: Porventura não há Deus em Israel, para irdes consultar a Baal-Zebube, deus de Ecrom? Por isso assim diz o Senhor: Da cama, a que subiste, não descerás, mas sem falta morrerás”.

Os mensageiros, ouvindo esta mensagem, não pensavam mais para ir para Ecrom. Eles logo voltaram para Samaria e disseram tudo ao rei Acazias, que estava com surpresa que os seus mensageiros voltaram tão rápido. O que aconteceu, que voltastes? Ele disse.

E os seus servos, que foram ignorantes porque não tinham reconhecido Elias, disseram: Um homem saiu ao nosso encontro, e nos disse: Ide voltai para o rei que vos mandou, e dizei-lhe: Porventura não há Deus em Israel, para irdes consultar a Baal-Zebube, deus de Ecrom? Por isso assim diz o Senhor: Da cama, a que subiste, não descerás, mas sem falta morrerás”.

Logo o rei Acazias reagiu e perguntou: “Qual era a aparência do homem que veio ao vosso encontro e vos falou estas palavras?”. E eles lhe disseram: Era um homem peludo, e com os lombos cingidos de um cinto de couro. Ouvindo isso, Acazias o reconheceu logo: É Elias, o tisbita.

E em vez de pensar em todas as historias maravilhosas que Acazias tinha ouvido do seu pai Acabe; em vez de se converter e de se humilhar perante o Deus de Elias, Acazias mandou um capitão do exercito com cinqüenta soldados para pegar Elias. E quando o capitão, também ignorante, encontrou Elias ele disse com desprezo: Homem de Deus, desce! Mas Elias não desceu; Ele mostrou ao capitão que eles estava brincando com fogo, pois ele lhe respondeu: Se eu, pois, sou homem de Deus, desça fogo do céu, e te consuma a ti e aos teus cinqüenta. Então fogo desceu do céu, e consumiu a ele e aos seus cinqüenta.

Depois disso o rei ainda não aprendeu nada. De novo ele mandou um capitão com cinqüenta soldados e se repetiu a mesma coisa. Fogo saiu e consumiu o grupo de cinqüenta e um soldados. E mais uma vez o rei mandou um capitão com cinqüenta soldados. O rei ainda não aprendeu nada, mas este capitão SIM. Humildemente ele se aproximou e pediu para ser salvo. Ele reconheceu que houve um Deus poderoso em Israel.

Aquela época foi uma época especial na historia de Israel, irmãos. Elias vivia numa época em que a igreja foi bem pequena em Israel. A fé em Deus quase não existia mais. A verdadeira religião foi quase extinta!!!! Só houve 7000 pessoas que não se ajoelharam para adorar o Baal. A verdadeira adoração a Deus só se encontrava em Israel e só 7000 pessoas ficaram firmes. O poder do diabo foi enorme naquela época. Foi uma época escura na historia da igreja de Deus. E por isso Deus mandou um profeta com muitos poderes. Um profeta poderoso para mostrar ao povo de Deus que só há um Deus.

Na época de Acabe, no monte Carmelo (1 Reis 18) o povo gritava: “Só o Senhor é Deus; só o Senhor é Deus”. Mas uns vinte anos depois eles já esqueceram tudo o que aconteceu no monte Carmelo. Eles esqueceram Elias e o Deus de Elias. É impressionante como as pessoas esquecem rápidas as bênçãos do Senhor. E parece que a idolatria é muito poderosa.

Os pais de Abraão já viviam no meio da idolatria; Jacó descobriu isso quando ele buscou as suas mulheres no país dos seus bisavôs; a idolatria foi muito forte depois do êxodo de Israel do Egito (Atos 6,43); Durante o caminho no deserto Israel aprendeu confiar só em Deus, mas depois disso, quando entraram no país de Canaã os problemas começaram de novo. O povo parecia viciado, pois cada vez de novo eles caíram neste pecado. De novo o povo precisava dum êxodo para aprender que há um só Deus. Por isso Deus mandou o povo em Exílio. Lá em Babilônia eles aprenderam de novo que só há um Deus. Pensa na historia de Daniel. De novo Deus deu um profeta poderoso para mostrar que há um só Deus.

Até o rei Nabucodonosor confessou e disse: “Bendito seja o Deus de Sadraque, Mesaque e Abednego, que enviou o seu anjo, e livrou os seus servos, que confiaram nele, pois violaram a palavra do rei, preferindo entregar os seus corpos, para que não servissem nem adorassem algum outro deus, senão o seu Deus. Por mim, pois é feito um decreto, pelo qual todo povo, e nação e língua que disser blasfêmia contra o Deus de Sadraque, Mesaque e Abednego, seja despedaçado, e as suas casas sejam feitas um monturo; porquanto não há outro Deus que possa livrar como este”.

Estas são as palavras do Rei Nabucodonosor. Mas ele mesmo mostra como uma pessoa esquece as coisas, pois um pouco depois disso o rei ficou orgulhoso e se engrandeceu e ficou louco. Pois ele não deu toda honra e gloria ao Deus de Daniel.

Então, irmãos, a historia de Israel nos mostra que a idolatria é uma tentação forte na vida das pessoas. E por que? Por que a tentação da idolatria é tão forte, irmãos? Pode ser por causa do mesmo motivo que deixou Israel no deserto fazer um bezerro de ouro. Em Êxodo 32 lemos que o povo estava esperando por Moisés voltar da montanha. Cada dia a distancia entre o povo e Deus cresceu. O povo queria um Deus, que estivesse perto deles. Um Deus que eles pudessem ver. Um Deus que eles pudessem levar, numa festa ou numa batalha. Eles queriam um Deus que eles pudessem MANIPULAR. Isso me parece o motivo mais profundo do homem. O homem quer O SEU DEUS. O homem quer o gênio da lâmpada de Aladim; o povo quer o seu São Nunca, que cumprirá os seus desejos.

Ninguém gosta dum Deus que coloca limites na nossa vida; um Deus que mostra o que está errada na nossa vida; um Deus que governa o mundo e domina a nossa vida. O homem quer ser DEUS. Isso foi o grande pecado de Adão e Eva, e o mesmo sentimento domina a vida de muitas pessoas. Eles querem manipular Deus. Mas Deus não deixa se manipular. Ele não é o burro, que empurra o nosso carro. Deus é Deus para quem mostra respeito a Ele. Deus é poderoso para todos que conhecem as suas fraquezas. Deus é Deus para todos que o obedecem.

Isso é também um aspecto da idolatria. Ainda há ídolos. Não estou pensando nos deuses da época de Israel ou dos apóstolos. Estes ídolos não existem mais. Mas ainda há ídolos. O catecismo diz: o que é idolatria? Idolatria é inventar ou ter alguma coisa em que se deposite confiança EM LUGAR ou AO LADO do único e verdadeiro Deus, que se revelou em sua Palavra.

Quero dizer alguma coisa sobre isso. QUALQUER COISA QUE DOMINA A SUA VIDA EM LUGAR DE DEUS é um ídolo. Cada DEPENDÊNCIA TEM UM CARATER DE IDOLATRIA. Drogas são ídolos. Eles transformam uma pessoa completamente. Para ter esta droga, uma pessoa paga todo o seu salário, ele deve roubar para ter dinheiro, ele não pode viver sem esta droga. A droga destrói a sua vida. Da mesma forma o Álcool e os cigarros podem se tornar ídolos na sua vida se você não pode viver sem eles.

Futebol é um esporte inocente, mas pode se tornar um ídolo. Se há um jogo no domingo e na mesma hora tem um culto, o que vamos assistir? O culto da bola ou o culto ao Senhor. O culto da copa ou o culto ao Senhor. Pense nisso, irmãos. Pois se me não engano houve aqui também membros que assistiram o culto da copa em vez de visitar a igreja no final da última copa mundial. Como isso combina com a sua vida com Deus? Neste momento você faz parte dos milhares que se ajoelharam para o culto da bola.

Pai e Mãe podem se tornar ídolos na nossa vida, se eles dominarem a nossa vida em lugar de Deus. Se eles proíbem fazer coisas que Deus quer. Pais e Patrões podem te proibir de visitar a igreja, de participar dos cultos. Mas não podem dominar o teu coração. Talvez deva obedecer, mas não quer dizer que você deve terminar o seu culto a Deus.

Os filhos ou as namoradas podem se tornar ídolos, no momento que eles dominam a nossa vida e se tornam um motivo para se afastar de Deus. De fato o afastamento é o maior perigo para nós. A historia de Israel mostra que toda idolatria começou com isso: o afastamento do culto de Deus. Esaú foi um exemplo disso. Hebreus 12,14-17 nos mostra o caminho da idolatria. Um afastamento de Deus, uma briga, a briga não se resolve e se torna amarga, mais afastamento, confusão, o irmão se torna devasso e profano, contato com outras pessoas e se afasta completamente e procura a sua salvação em outras coisas.

Irmãos, Jesus Cristo conhecia o poder do mal e da idolatria. Por isso ele nos ensinou orar: E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal. Devemos orar isso. CADA dia, irmãos. A oração é o contato vivo com Deus. A oração ajudou os profetas.

Amém.

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

** Este sermão foi originalmente escrito para uso do pastor e não passou por correção ortográfica ou gramatical.

Compartilhe!

Pr. Abram de Graaf

O pastor Abram de Graaf é “Doctorandus” (Drs) em Teologia e um dos professores do Instituto João Calvino (Aldeia, Camaragibe-PE). Ele é pastor da Igreja Reformada de Hamilton, Canadá, enviado como missionário às Igrejas Reformadas do Brasil, desde o ano 2000. É Diretor do Projeto Dordt-Brasil. Ele mora em Maceió e também desenvolve projetos nessa cidade.

Deixe um Comentário