Pregação preparada pelo Pr. Elso Venema

Leitura: Efésios 05.03-14

Texto: Dia do Senhor 32

Andai como filhos da Luz

 

Amados irmãos no Senhor Jesus Cristo,

Vocês são filhos da luz e devem buscar a nova vida em Cristo. Esta nova vida é bem diferente de uma vida sem Deus e sem gratidão. É uma vida diferente da vida dos que não conhecem a Deus. A respeito disto podemos aprender muito com o apóstolo Paulo. Ele dá, no quinto capítulo de sua carta aos efésios, um retrato daquelas coisas que são impróprias para nós filhos da luz, e que portanto não devem fazer parte da nossa vida. O apóstolo menciona pecado por pecado, dando nomes aos bois. O que chama a atenção é que a maioria dos pecados mencionados pelo apóstolo Paulo, têm a ver com imoralidade sexual. O apóstolo Paulo fala de impudicícia (prostituição), e também se refere a toda sorte de impureza. Ele menciona também as conversas vazias e as piadas sujas que têm a ver com sexo. E avisa: Nenhum imoral nem impuro, nenhuma pessoa cujo prazer está em atos ou palavras imorais, tem herança no Reino de Cristo e de Deus.

Além das imoralidades sexuais, o apóstolo Paulo ainda menciona outro pecado que deve estar ausente das nossas vidas: a cobiça ou a avareza. O pecador que procura seu prazer em pecados sexuais, ele peca contra seu próprio corpo ( 1 Coríntios 6: 18 ). Mas o avarento, aquele cujo pecado não tem a ver com sexo mas com dinheiro, ele peca contra sua alma. A palavra de Deus diz que o avarento é idólatra ( Efésios 5: 4 ). Quer dizer: ele só pensa em ficar rico e acumular bens. Para ele não existe nada mais importante do que dinheiro, riquezas e bens. O dinheiro é o deus do avarento. A alma dele se curva diante do dinheiro da mesma forma que nós nos curvamos diante de Deus. Desses dois pecados mencionadas pelo apóstolo Paulo, a saber a imoralidade sexual e a avareza, devemos ficar longe.

Talvez alguém tenha estranhado ouvindo como o apóstolo Paulo condena tão rigorosamente a imoralidade sexual e a avareza. Talvez alguém tenha pensado que o apóstolo Paulo é radical demais. Pois quem é capaz de preservar o seu corpo, sem nunca cometer uma besteira? Nós não vivemos numa sociedade onde há milhares de tentações? Então, como será possível durante uma vida toda sempre evitar os pecados sexuais? E mais: como é possível evitar a cobiça, e a avareza? Não é verdade que sem dinheiro não se consegue nada, e com dinheiro se compra quase tudo? Todos não entendem que o dinheiro representa poder? Então, quem vai resistir à tentação do dinheiro? Mesmo assim, o apóstolo Paulo deu uma lição dura. Ele bateu forte e condenou a avareza e qualquer forma de imoralidade sexual radicalmente. O apóstolo Paulo não conhecia o poder das tentações? Conhecia, sim. Pois a sociedade onde Paulo vivia, não era diferente da nossa. Os romanos eram muito liberais quanto ao sexo, e eles conheceram muito bem o poder do dinheiro. Com certeza o apóstolo Paulo sabia muito bem que as tentações são fortes para qualquer pessoa.

Por que então o apóstolo Paulo tomou uma atitude tão rigorosa, deixando bem claro que para esses pecados não há lugar em nossas vidas? Devemos entender o seguinte: Aqueles que não resistem às tentações sexuais, e aqueles que avarentos, eles demonstram que não têm a nova vida. Vivendo para o sexo ou para o dinheiro, as pessoas demonstram que não conhecem Cristo. Vivendo nesses pecados, as pessoas mostram que vivem para si mesmas. Mostram que são, no fundo, egoístas. Por exemplo: a pessoa que comete adultério, ela só pensa em satisfazer a sua própria vontade. Ela não se importa com o fato que machuca seu marido ou sua esposa, e destrói o casamento e o futuro dos outros. Isto é egoísmo. É um egoísmo duro e frio. Da mesma forma é egoísta a pessoa que vive agarrado ao dinheiro. Tal pessoa, que não quer perder nem um centavo, não está em condições de ajudar a ninguém.

Irmãos, assim podemos já dizer qual uma das características predominantes de uma vida sem Deus e sem gratidão. Tal vida é uma vida onde o egoísmo rege. É uma vida onde não se ama o próximo. É uma vida onde cada um só pensa em si. Todas as obras naquela vida, são de fato obras para agradar a si mesmo, e para realizar os seus próprios objetivos, enquanto o interesse dos outros é desconsiderado. É neste ponto, irmãos, que a nova vida é nitidamente diferente. É principalmente neste ponto, que os membros da igreja devem distinguir-se dos outros. Nós precisamos ter atitudes bem diferentes. Os filhos de Deus devem produzir frutos da fé. É interessante, irmãos, vermos que o apóstolo, falando dos incrédulos, diz que o negócio deles é fazer “obras das trevas” ( Efésios 5: 11 ). O que ele fazem são “obras”. Os filhos da luz, porém, eles ao invés de fazer aquelas obras, são chamados para produzir “o fruto da luz” ( Efésios 5: 9 ). O negócio deles não é fazer suas próprios obras más, mas é “ser luz” e produzir “o fruto da luz”. Realmente, como a nossa vida precisa ser bem diferente da vida daqueles, que não conhecem a Cristo!

Todos sabem que uma lâmpada, só dá luz quando recebe energia elétrica. A luz precisa estar ligada e a lâmpada precisa receber 220 volt. Irmãos, os filhos da luz de fato são como lâmpadas. Eles produzem o fruto da luz, porém não como se fosse uma obra exclusiva deles próprios. Eles produzem o fruto da luz somente por estarem ligados ao Espírito Santo de Cristo. Ele dá força e poder para os filhos de Deus serem luz. Este é o segredo da nova vida, irmãos! Aquele que está em Cristo, ele é luz, e produz o fruto da luz. Assim não dá para sermos pessoas egoístas. Assim, vivendo ligados a Cristo, só dá para sermos pessoas que amam, mostrando o amor de Cristo, o qual se entregou por nós. Vejam só: Cristo foi egoísta? Ele pensou em si mesmo, quando veio do céu para tornar-se homem? Muito pelo contrário! Se ele tivesse pensado em si mesmo, jamais teria vindo para morrer na cruz. Cristo apenas veio, porque pensava em nós, irmãos.

Por isso a nova vida que devemos buscar, só pode ser uma vida marcada pelo amor de Cristo. Só pode ser uma vida onde há amor ao próximo. Se Cristo entregou a sua vida por nós, nós também devemos entregar a nossa vida pelos irmãos. Assim irmãos vivemos ligados a Cristo, e somos luz. Assim, tendo paciência, carinho, mostrando hospitalidade, dando ajuda aos que necessitam, dando ofertas com alegria, não traindo ninguém com adultério ou prostituição, somos filhos da luz. Domingo 32 do catecismo menciona quatro razões para buscarmos esta vida. Primeiro: Devemos buscar esta nova, onde rege o amor fraternal, para que o nome de Deus seja louvado por nós. Esta é a razão principal. Se a nossa vida está cheia de imoralidade ou corrupção, a nossa vida não agrada a Deus. Esta é a primeira razão para buscarmos a nova vida: a nossa vida deve agradar a Deus para a honra e a glória de seu santo nome. A segunda razão por que devemos buscar a nova vida em Cristo, é que somente assim podemos ter certeza de que a nossa fé é verdadeira. Se não amamos o nosso próximo, se temos o costume de praticar imoralidades sexuais (tais como prostituição, adultério, procurar filmes e revistas pornográficos etc.), ou se só procuramos o nosso próprio enriquecimento, a nossa fé é dos dentes para fora. Não há outro jeito de confirmar que a nossa fé é verdadeira senão buscar a nova vida.

A terceira razão para buscarmos a vida nova em Cristo, é que somente assim podemos ganhar o nosso próximo para Cristo. Lógico, irmãos! Se a nossa vida, também a nossa vida como igreja, é muito comentada por causas de impurezas sexuais, ou por causa de brigas, ou se há comentários que irmãos nossos são ladrões, quem ainda vai querer fazer parte da nossa igreja? Se os membros da nossa igreja não mostram uma vida diferente, uma vida melhor, quem terá vontade de tornar-se membro da nossa igreja? Então, irmãos, a nova vida em Cristo é necessária também para poder atrair e convencer outras pessoas para entrarem na igreja. A quarta e última razão para buscarmos a nova vida em Cristo, é outra razão muito séria: Aqueles que não têm a nova vida, aqueles que continuam vivendo como antes, que não demonstram o amor de Cristo, mas continuam sendo egoístas, fazendo o querem, e não se importando com os outros, eles não podem ser salvos. O próprio Senhor Jesus Cristo, como também os apóstolos, ensinaram isto muitas vezes. “Nenhum impuro, idólatra, adúltero, ladrão, avarento, bêbado, maldizente, assaltante ou semelhante herdará o Reino de Deus”. Então, irmãos, como é importante buscar a nova vida! Como é importante botar ordem em nossa vida, deixar o mal e buscar uma vida onde prevalece o amor. É uma questão de vida e morte.

Irmãos, que cada um agora pense em si mesmo. Que cada um se pergunte: como está a minha vida? O que predomina na minha vida? Há dois caminhos. Por um lado existe uma vida egoísta, onde somente se procura seu próprio prazer e riquezas, sem se importar com os outros. Por outro lado existe a nova vida, onde Cristo é o nosso tesouro, onde as pessoas são luz, amando uma a outra verdadeiramente. São duas vidas diferentes. São duas vidas opostas. Que cada um se pergunte: que vida estou levando? O que estou buscando? O que estou querendo? Estou querendo estabelecer meu próprio império, só pensando em cumprir a minha própria vontade, ou estou querendo buscar o Reino de Deus? O que procuro eu: uma vida onde tudo pode, ou uma vida limpa? O que eu faço com tudo quanto ganho: gasto tudo somente para mim mesmo, ou tenho prazer em contribuir e ajudar os outros também?

Irmãos, vocês sabem: há duas vidas diferentes. Vocês sabem também qual a diferença principal entre essas duas vidas. Agora o importante é cada um refletir e tomar uma posição, e arrepender-se se for necessário. Nos domingos que vêm haverá mais sermões sobre a nova vida. Sermões sobre a lei de Deus e também sobre a oração. Uma coisa, porém, já devemos saber agora: O nosso dever é buscar a nova vida. Este deve ser o compromisso de cada um de nós. Pois é só assim – buscando a nova vida – que Deus fica alegre conosco. É só assim – buscando a nova vida – que nós próprios também podemos ficar verdadeiramente alegres, pois buscando a nova vida percebemos que a nossa fé não é dos dentes para fora, mas uma coisa genuína. É assim, – buscando a nova vida -, que outros podem ser ganhos para Cristo, pois perceberão que a nossa igreja é uma igreja verdadeira de Cristo. É assim, vivendo em santidade e amor, que somos salvos, recebendo acesso livre ao Reino de Cristo e de Deus.

Amém.

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

** Este sermão foi originalmente escrito para uso do pastor e não passou por correção ortográfica ou gramatical.

Compartilhe!

Deixe um Comentário