Sermão preparado pelo pastor Lucio Manoel
Leituras: Isaías 6.1-7; Mateus 5.1-12
Texto: Dia do Senhor 24

Amada Igreja do Senhor Jesus Cristo

A Palavra de Deus ensina em Efésios 2.8 que somos salvos pela graça, mediante a fé e isso não vem de nós mesmos, essa salvação é um dom gracioso que recebemos de Deus; em seguida, no verso 9, a Palavra de Deus acrescenta, “não vem de obras para que ninguém se glorie”. Então, a salvação é por fé, não por obras.

O Catecismo de Heidelberg usa essa mesma ordem quando está ensinando sobre a salvação. Na semana passada os irmãos ouviram uma pregação no Dia do Senhor 23 que ensinou que a Salvação é somente pela fé, em Jesus Cristo. Hoje, no Dia do Senhor 24, o Catecismo acrescenta que a salvação não pode ser alcançada por meio das obras humanas.

A pergunta que surge é a seguinte: Por que boas obras não servem para alcançar salvação?

  1. Porque as boas obras humanas são imperfeitas
  2. Porque as boas obras humanas não merecem ser recompensadas

Somente a doutrina da salvação pela fé em Cristo, sem boas obras humanas, leva o crente a produzir verdadeiros frutos de gratidão a Deus

Ouçam sobre estas coisas na pregação desta manhã.

As boas obras não servem para alcançar salvação
1. Porque as boas obras humanas são imperfeitas

Meus amados irmãos, que valor tem as boas obras humanas, imperfeitas, diante de um Deus que é absolutamente perfeito?

A Bíblia fala da perfeição de Deus de muitas maneiras. Por exemplo, na visão que o profeta Isaías teve (Is 6), três aspectos dessa perfeição de Deus se destacam: a majestade de Deus, Sua santidade e Sua glória.

Os primeiros versos de Isaías 6 ressaltam a majestade de Deus em contraste com um rei terreno.

Uzias tinha sido um bom rei em Israel, mas tinha morrido leproso, naquele mesmo ano em que Isaías tivera a visão (2Cr 26). Enquanto isso, o SENHOR é apresentado como o Deus vivo que continuava sentado no seu trono.

O trono da terra é contrastado com o alto e sublime trono, ou seja, o trono da terra é contrastado com o trono celestial.

Os reis terrenos costumavam usar vestes longas e bonitas, mas as vestes do SENHOR supera muito em majestade, pois ela enche o templo.

Os reis terrenos viviam cercados por seus príncipes, mas o SENHOR estava cercado pelos serafins, seres celestiais que tinham aspecto de fogo e possuíam seis asas.

As pessoas tinham de ter muito cuidado para aparecer diante da majestade terrena; mas no céu os serafins tinham de cobrir os olhos diante da majestade eterna.

Os reis terrenos recebem a visita de seus príncipes, mas na presença de Deus são os serafins que O adoram de dia e de noite.

A majestade do SENHOR DOS EXÉRCITOS é imensamente maior do que a majestade dos Reis terrenos.

O segundo contraste forte que esta passagem mostra é que nenhum rei terreno é tratado como o SENHOR dos exércitos que é três vezes santo. Deus chama seu povo de santo, Ele chama sua lei de santa, os reis do seu povo são santos, mas somente Deus é santo, santo, santo; naturalmente santo, eternamente santo, perfeitamente santo.

Em terceiro lugar, a glória do SENHOR é contrastado com a glória de um rei terreno. As vezes a palavra glória significa a mesma coisa que majestade, ou seja, alguma coisa que mostra a grandeza de um rei. Mas glória também fala da fama, da honra, de um rei. Essa boa fama, essa honra de um rei terreno, pode ser percebida em seu reino e as vezes até em outros lugares; mas, a glória do SENHOR é muito maior, toda a terra está cheia da sua glória. A glória do Senhor se estende da sua morada celestial para toda a terra.

“Os céus proclamam a glória de Deus e o firmamento anuncia as obras de suas mãos” Sl 19.1

“Os céus anunciam a sua justiça e todos os povos veem a sua glória” Sl 97.6

“Teus servos vieram de uma terra mui distante, por causa do nome do SENHOR, teu Deus; porquanto ouvimos a sua fama e tudo quanto fez no Egito” Js 9.9

O SENHOR é perfeito em seu ser e perfeito em todas as suas obras. Mas, e o homem, o que é o homem? Mortal, pecador, devedor. Veja o que diz Romanos 3.10-18.

Meus irmãos, o que o homem neste estado miserável pode reivindicar diante de Deus? Nada!

Basta olhar para Isaías. Isaías era um profeta de Deus, um homem escolhido por Deus para levar Sua palavra ao povo de Israel. Quando o profeta Isaías viu a majestade, a santidade e a glória do SENHOR ele ficou aterrorizado, ficou como morto. O seu pecado o humilhou. Ele não tinha nada para apresentar a Deus em sua defesa. As palavras do próprio Isaías mostram isso:

“… ai de mim! Estou perdido! Porque sou homem de lábios impuros, habito no meio dum povo de impuros lábios, e os meus olhos viram o Rei, o SENHOR dos Exércitos” (Isaías 6.5)

Meus irmãos, quem em toda terra poderá ficar de pé diante desse Deus majestoso e glorioso? Quem se atreverá a aparecer na presença deste Deus santo exigindo alguma coisa? Quem vai dizer para Deus: “Olha Senhor, eu tenho feito algumas boas obras imperfeitas – eu não mereço ir para o inferno!?

Mas essas boas obras, imperfeitas, não servem para ganhar salvação. Por que?

“Porque a justiça que pode subsistir perante o juízo de Deus deve ser absolutamente perfeita e completamente conforme a lei de Deus” (Resp. 62).

E nós não conseguimos atingir esta justiça perfeita, pelo contrário, o mesmo Isaías disse (64.6):

“Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças, como trapo da imundícia; todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniquidades, como um vento, nos arrebatam.”

Meus irmãos, as boas obras humanas não podem contribuir para a sua salvação porque elas estão todas corrompidas pelo pecado. E Deus que é perfeito, o Deus que é três vezes santo, não aceita boas obras imperfeitas para conseguir salvação. Ele exige obras perfeitas para salvar pecadores perdidos. E quem foi o único que realizou obras perfeitas em favor dos pecadores? O Senhor Jesus Cristo.

Somente Ele realizou obras perfeitas. Durante toda a sua vida ele fez tudo de acordo com a vontade de Deus. E no fim de sua vida, ele morreu na cruz como oferta perfeita para a salvação dos pecadores.

Deus aceitou a morte do Seu Filho Jesus, não apenas como uma contribuição para a salvação dos pecadores. A morte de Cristo na cruz não é uma ajudinha para as obras imperfeitas de pecadores. A morte de Cristo é a oferta perfeita que salva pecadores perdidos.

As boas obras humanas não servem para alcançar salvação
2. Porque estas boas obras não merecem ser recompensadas;

Muitas igrejas ensinam que as boas obras humanas merecem ser recompensadas com a vida eterna. Mas, não é bem assim.
Em primeiro lugar, Deus não promete recompensar as boas obras de todas as pessoas.

A Palavra de Deus ensina nas Bem-aventuranças, em Mateus 5, que não são todas as pessoas que receberão recompensa. A Bíblia fala dos pobres de espírito, dos mansos, dos que têm fome e sede de justiça, dos misericordiosos, dos limpos de coração, dos pacificadores, dos que sofrem perseguição, injúria e mentira por causa da justiça. Estes são os que tem promessa de galardão no céu.

Em segundo lugar, a recompensa que o Senhor dará aos santos não é por merecimento próprio. Não há boa obra que você possa fazer que mereça alguma recompensa da parte de Deus. Lembre-se do que a Palavra de Deus já disse: “todas as nossas justiças, como trapo da imundícia”, como é que isso merece ser recompensado?

O Senhor promete, sim, recompensa para as boas obras. Mas para as boas obras do Espírito Santo. Quem tem o Espírito Santo tem também as boas obras do Espírito. As boas obras são dádivas de Deus, preparadas desde a eternidade para os crentes (Ef 2.10). São estas as boas obras que serão recompensadas.

Essa promessa é uma benção para os crentes, porque ela encoraja você a viver a vida cristã frutífera, no Espírito Santo. Como crentes no Senhor Jesus Cristo, você sabe que o seu trabalho não é vão, no Senhor (1Co 15.58). Você pode enfrentar muitas situações difíceis, nesta vida, mas você confia que o Senhor tem recompensa para você, nesta vida e no por vir (Mc 10.30).

No entanto, essa recompensa não é por merecimento, mas é pela graça de Deus. Você não faz nada que mereça ser recompensado com salvação.

Pense o seguinte: você recebe mil reais para cumprir uma tarefa, mas você não faz o trabalho direito e ainda deixa o serviço pela metade. A pessoa que pagou os mil reais toma de você o dinheiro de volta, porque você não cumpriu sua obrigação; isso faz justiça.

Mas, vamos supor que você tivesse completado o serviço e tivesse feito tudo direitinho, você ia exigir uma recompensa por isso? Você ganhou os mil reais não foi para fazer isso mesmo?

Quando Deus colocou Adão e Eva no paraíso Deus queria que o homem governasse todas as coisas para a glória dEle. Deus deu tudo que o homem precisava para cumprir sua vocação: Deus lhe deu vida; Ele lhe deu morada; Ele lhe deu sustento; Ele lhe deu trabalho; Deus vinha nos finais de tarde para falar com o homem. Adão e Eva tinham a alegria de desfrutar da Sua presença.

Mas o que homem fez com tudo isso? O homem recebeu tudo que era necessário para glorificar a Deus, mas ele usou isso para si próprio. O homem roubou a Deus. Ele deve a Deus o que Deus deu para ele.

Ainda hoje é assim. Deus dá vida às pessoas; Deus as sustenta; Deus dá trabalho às pessoas; Deus tem enviado o Evangelho às pessoas; e o que as elas fazem? Elas usam tudo que Deus lhes deu para seu próprio proveito e ainda despreza a Deus.

Que recompensa as pessoas terão, então, por qualquer boa obra que tenham praticado? Mesmo que o homem conseguisse fazer tudo certinho ele não poderia exigir nenhuma recompensa de Deus porque ele já tem recebido tudo que é necessário para viver uma vida de obediência e gratidão a Ele.

Meus irmãos, o que as boas obras humanas merecem, senão castigo? Castigo por sua imperfeição; castigo por ofender a Deus com suas poluição por causa do pecado. É isso o que as obras humanas merecem: castigo.

Para concluir esta parte, ouça sobre mais uma coisa: fique certos que as boas obras que Deus recompensa não são suas, você não faz boas obras sozinho; você não faz boas obras porque você é bonzinho; você não faz boas obras de si mesmo; mas as boas obras são resultado do trabalho que o Espírito Santo está realizando no crente.

Somente Jesus realizou obras perfeitas que merecem ser recompensadas. O Pai aceitou a obra perfeita da cruz como pagamento pelos pecados do mundo e recompensou Jesus com o Espírito Santo que o Senhor derramou sobre a Sua Igreja (At 2.33).

Mas o que acontece agora? Você está ouvindo que uma pessoa não pode fazer nada para alcançar salvação. Você está ouvindo que as suas boas obras não merecem ser recompensadas com salvação. Por causa disso, você não vai fazer boas obras? Será que este ensino vai deixar você preguiçoso para fazer boas obras? Será que as boas obras não tem nenhuma função na vida dos crentes?

A doutrina da salvação pela fé em Cristo, sem boas obras humanas, leva o crente a produzir verdadeiros frutos de gratidão a Deus

Meus irmãos, a Bíblia diz que o coração humano é uma fonte contaminada; ele é desesperadamente corrupto (Jr 17.9); ele não é apenas um pouquinho mau, nem é mau apenas em alguns momentos, mas é “continuamente mau, todos os desígnios do coração do homem” (Gn 6.5).

Mas o crente, que recebeu Jesus Cristo pela verdadeira fé; que recebeu um coração novo, um coração transformado, um coração que ama a Deus, um coração que é casa de Deus; este crente não vai ter uma vida morta, mas ele vai viver uma vida de boas obras e de gratidão a Deus por tudo que Deus fez com ele. As boas obras celebram esta grande obra de salvação de Deus na vida dos crentes.

O Espírito opera nos crentes as boas obras que Cristo preparou para eles antes da fundação do mundo (Ef 2.10): Obras de justiça; amor à Deus; alegria no Espírito Santo; confiança nas promessas de Deus; desejo sincero de adorar a Deus em espírito e em verdade; desejo sincero de edificar os santos e de ajudar o próximo com tudo que for possível; desejo de se desfrutar da comunhão dos irmãos.

Se você está ligado a Cristo pela verdadeira fé, é impossível que você não produza boas obras para a glória Deus. Você terá prazer de enfeitar o bom nome de Deus com todas as boas obras do Espírito Santo. Você quer ver todas as pessoas glorificando a Deus.

É pra isso que serve as boas obras na sua vida, meu irmão e minha irmã. Elas não servem para conseguir salvação, mas servem para mostrar gratidão a Deus porque Ele já deu salvação, de graça, para você, pela fé em Cristo Jesus.

Pr. Lucio Manoel

Lucio Manoel é pastor missionário da Igreja Reformada de Maceió, Bel. em Divindade pelo Instituto João Calvino, em Recife/PE. Lucio Manoel é colaborador do Projeto Dordt-Brasil.