Pregação preparada pelo Pr. Kenneth Wieske

Leitura: Salmo 110; Apocalipse 19.11-21 (Pede à congregação prestar atenção, como este trecho reflete muito o Salmo 110)

Texto: Dia do Senhor 19 (Pergunta e Resposta 52)

Amada congregação do nosso Senhor Jesus Cristo,

Martinho Lutero tinha medo da volta de Jesus. Ele vivia apavorado, pois sabia que a Bíblia ensina que Jesus “há de vir para julgar os vivos e os mortos”. Martinho Lutero tinha medo de encontrar Jesus Cristo como Juiz.

E você? Você crê que Jesus voltará? Se você é um verdadeiro crente, você crê que Ele voltará. Então, como você está esperando a volta de Cristo? Você está ansioso para a Sua volta? Ou, será que você—pelo menos de vez em quando—está com medo da Sua volta?

Muitos filhos de Deus hoje em dia vivem debaixo do mesmo medo que Martinho Lutero experimentava. Muitos até oram para que Ele não volte ainda!

Mas, a nossa confissão diz que a volta de Jesus para julgar os vivos e os mortos nos traz consolo! Conforme a Bíblia, a volta de Jesus é o próximo grande evento que todo o povo de Deus deve esperar com grande ansiedade e alegria. A volta iminente de Jesus é uma boa nova para todo verdadeiro crente. Eu vos proclamo o evangelho de Jesus Cristo:

Tema: Jesus volta para julgar os vivos e os mortos

Veremos:

  • 1. A certeza da Sua volta
  • 2. A maneira da Sua volta

1. Em primeiro lugar, veremos a certeza da Sua volta

Ouvimos numa pregação anterior que Jesus está sentado à direita de Deus, e que isto significa que Ele é Rei Soberano. Nada acontece fora da controle, e fora da vontade dEle. Todas as criaturas—mesmo o próprio Satanás—estão debaixo da autoridade de Jesus. Quando estamos enfrentando as aflições e dificuldades da vida, a miséria e as consequências do pecado, é um consolo saber que Jesus reina. É um consolo saber que Ele dirige tudo para o nosso bem.

Mas não devemos pensar que Jesus vai continuar reinando para sempre dos céus. Não devemos pensar que a vida aqui na terra vai sempre continuar como ela é agora. Haverá um fim. Haverá um dia final.

Lembre se o que lemos no Salmo 110. Deus disse a Jesus, “Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés.” Então, a primeira coisa que devemos entender é que o reinado de Cristo é temporário. Ele vai reinar até o dia quando todos os seus inimigos são destruídos. A segundo coisa que devemos entender é que o reinado de Cristo é ativo. Jesus não está lá nos céus, decretando de longe o que vai acontecer em nossas vidas, e na história. Ele é o Rei Soberano, mas também o Rei Guerrilheiro.

Jesus é um Rei Guerrilheiro. Se você tem a imagem Católica Romana em sua cabeça—aquela imagem de um Jesus muito doce, cercado por nuvens e anjos e tranquilidade—você tem que jogar fora esta imagem errada! A Bíblia ensina outra coisa! O Salmo 110:7 diz que Ele, “de caminho, bebe na torrente e passa de cabeça erguida.” Isto é uma imagem de um Rei que está dirigindo uma guerra. Ele não está descansando no palácio, muito longe da ação. Não! Ele está no campo da guerra—bebendo água do rio como qualquer soldado. Ele está ao nosso lado—lutando conosco contra a nossa velha natureza, contra o mundo, e contra o diabo.

A Bíblia diz em Apocalipse 19 que Jesus peleja com justiça, que os exércitos do céu o seguem, e que da sua boca sai uma espada afiada—uma espada de dois gumes. Em outras palavras, Jesus está lutando contra os inimigos com a Palavra de Deus. A espada da Palavra corta em dois sentidos: corta o coração do pecador, para sentir a graça de Deus e para produzir verdadeiro arrependimento, e do outro lado corta o coração do reprovado para o endurecer em sua rebeldia, e o tornar mais merecedor do castigo eterno.

Isto é o reinado de Jesus. Ele não está reinando durante uma época de paz e tranquilidade. Ao contrário! Ele está reinando durante uma guerra violenta. As nações se levantam contra Jesus, se rebelando contra Sua soberania. As forças do mal se esforçam para atrapalhar e impedir o crescimento do reino de Cristo. Os pecadores se endurecem em seus pecados e rebeldia. Mas Cristo domina as nações com um cetro de ferro! É Ele que manda, não Presidente Bush ou as Nações Unidas. Cristo destroí todas as forças do mal pela pregação da Sua palavra! Pela espada da Palavra, Jesus corta a direita e a esquerda; Ele corta para a salvação e corta para a condenação.

A cada vez que alguém sai de um culto sem se arrepender; a cada vez que alguém continua rebelde contra Deus após as exortações dos presbíteros, podemos ver Jesus usando a Espada da Palavra para a condenação e a morte dos rebeldes.

A cada vez que alguém sai de um culto edificado, com o forte desejo de viver uma vida de gratidão e santidade; a cada vez que alguém se arrepende dos seus pecados e busca a graça de Deus, podemos ver Jesus usando a Espada da Palavra para a salvação de Seus escolhidos.

É assim que o Reino de Cristo cresce! Um pecador por vez, Jesus quebra o poder do pecado e salva os Seus eleitos. Um pecado por vez, Jesus nos ajuda a vencer e crescer em santidade. A cada vez, o Reino está crescendo—como aquela pedra no capítulo 2 de Daniel, que acabou com todas as nações, e finalmente encheu toda a terra.

Jesus não reinará para sempre. Vai chegar o dia quando o último eleito será convertido. Vai chegar o dia quando o número dos eleitos será cumprido. Vai chegar o dia quando a Igreja, a noiva de Cristo, estará pronta para as bodas do Cordeiro.

Todo o reinado de Jesus visa aquele dia. Paulo diz em 1 Coríntios 15:24, “E, então, virá o fim, quando Ele entregar o reino ao Deus e Pai, quando houver destruído todo principado, bem como toda potestade e poder. Porque convém que Ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo dos pés. O último inimigo a ser destruído é a morte.”

No meio da sua miséria e sofrimento, no meio da sua luta contra o pecado e o mundo, no meio das terríveis perseguições que Ela sofre, a Igreja de Cristo pode esperar, de cabeça erguida, a volta do nosso Rei. Um dia a guerra vai se acabar! Isto é a promessa de Jesus. Ele volta!

Ele mesmo diz (Apocalipse 22:12), “Eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras.”

2. Isto nós leva ao segundo ponto, a maneira da Sua volta

Jesus está voltando para julgar os vivos e os mortos. Ele está voltando como Juiz. Antigamente, se um pais vencido se rebelou contra um grande Rei, aquele Rei iria chegar com o seu exercito, e guerrear contra a nação rebelde. Quando ele finalmente tinha vencido, Ele iria se sentar no seu trono para julgar aquela nação rebelde, e pronunciar o seu juízo.

Da mesma forma, o Senhor Jesus Cristo, no dia final, vai se sentar como o Juíz. Ele vai pronunciar Seu juízo sobre os seus inimigos, e sobre as nações rebeldes.

Para o ímpio, ou para o arminiano, este evento deve ser motivo para grande temor e terror. Naquele dia, todo mundo vai entender que ele não tem nenhuma chance para se defender baseado em sua própria justiça.

Prestemos atenção à descrição da Palavra de Deus em Apocalipse 20:11-15: “Vi um grande trono branco e aquele que nele se assenta, de cuja presença fugiram a terra e o céu, e não se achou lugar para eles. Vi também os mortos, os grandes e os pequenos, postos em pé diante do trono. Então, se abriram livros. Ainda outro livro, o Livro da Vida, foi aberto. E os mortos foram julgados, segundo as suas obras, conforme o que se achava escrito nos livros. Deu o mar os mortos que nele estavam. A morte e o além entregaram os mortos que neles havia. E foram julgados, um por um, segundo as suas obras. Então, a morte e o inferno foram lançados para dentro do lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de fogo. E, se alguém não foi achado inscrito no Livro da Vida, esse foi lançado para dentro do lago de fogo.”

O dia final não é brincadeira, irmãos. Não será como naquelas piadas sobre São Pedro, quando pessoas estão tentando achar um jeito para entrar no céu. A Bíblia deixa claro que não devemos pensar do juízo duma forma tão leviana!

O Juíz da terra vai se sentar no grande trono, e a terra e o céu vão fugir da Sua santa presença! Todo mundo—grande e pequeno, pobre e rico—vai ficar de pé perante o trono. Naquele momento, não haverá mais nenhum arminiano, pelagiano, espiritista, ou humanista, pois de repente todos vão compreender a terrível verdade que ninguém tem condições de dizer a Deus: “Eu mereço entrar no céu.” De repente, todo mundo vai finalmente entender que até o menor pecado merece a morte eterna.

Um por um, seremos julgados. E um por um, os pecadores serão lançados no inferno. Devemos prestar atenção. A Bíblia não disse que todos foram julgados segundo as suas obras, e que alguns conseguiram ser salvos pelas obras! De forma alguma! Prestem atenção: nenhuma pessoa é salva pela leitura dos livros que são os registros das nossas obras. As obras só servem para condenar!

Só tem um tipo de pessoa que vai ser poupado da condenação: aquele que está escrito no Livro da Vida. Como posso conseguir o meu nome naquele livro? Será que posso fazer algo para obrigar Deus de me colocar no Livro da Vida?

Não, irmãos. Graças a Deus, a lista dos nomes no Livro da Vida não depende das minhas chamadas boas obras. A Bíblia diz em Apocalipse 17:8 que os nossos nomes—os nomes de nós que cremos—são escritos naquele livro desde a fundação do mundo!

Isto é o consolo dos santos, irmãos! Jesus volta para julgar. Ele volta como Juiz. Mas, Aquele que é o Juiz é também meu advogado; é também Aquele que vive intercedendo para mim; é Aquele que morreu em meu lugar e derramou Seu sangue para me salvar.

Então, naquele dia, quando você está de pé perante o trono, os anjos vão ler dos livros todos os seus pensamentos, todos as suas palavras, e todas os seus atos que eram contrários à vontade de Deus. Nenhuma palavra vã será esquecida.

Mas, em cima de cada pecado registrado, haverá uma palavra escrita com sangue: “perdoado”. E quando eles abrem o Livro da Vida, você vai ouvir seu nome.

Vamos encerrar, lendo o último artigo da nossa confissão: o Artigo 37 da Confissão Belga:

“Finalmente, cremos conforme a Palavra de Deus que, quando chegar o momento determinado pelo Senhor—o qual todas as criaturas desconhecem—e o número dos eleitos estiver completo, nosso Senhor Jesus Cristo virá do céu, corporal e visivelmente, assim como subiu ao céu, com grande glória e majestade. Ele se manifestará Juiz sobre vivos e mortos, enquanto porá em fogo e chamas este velho mundo para purificá-lo.

“Naquele momento comparecerão perante este grande Juiz, pessoalmente, todos os que viveram neste mundo: homens, mulheres, crianças, citados pela voz do arcanjo e pelo som da trombeta divina. Porque todos os mortos ressuscitarão da terra e as almas serão reunidas aos seus próprios corpos em que viveram. E a respeito daqueles que ainda estiveram vivos, eles não morrerão como os outros, mas serão transformados num só momento. De corruptíveis se tornarão incorruptíveis.

“Então, se abrirão os livros e os mortos serão julgados, segundo o que tiverem feito neste mundo, seja o bem ou o mal. Sim, “de toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta,” mesmo que o mundo a considere apenas brincadeira e passatempo. Assim será trazido à luz diante de todos o que os homens praticaram às escondidas, inclusive sua hipocrisia.

“Portanto, pensar nesse juízo é realmente horrível e pavoroso para os homens maus e ímpios, mas muito desejável e consolador para os justos e eleitos. A salvação destes será totalmente completada e eles receberão os frutos de seu penoso labor. Sua inocência será reconhecida por todos e eles presenciarão a vingança terrível de Deus contra os ímpios que os tiranizaram, oprimiram e atormentaram neste mundo. Os ímpios serão levados a reconhecer sua culpa pelo testemunho da própria consciência. Eles se tornarão imortais, mas somente para serem atormentados no “fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos.

“Os crentes e eleitos, porém, serão coroados com glória e honra. O Filho de Deus confessará seus nomes diante do Pai, e de seus anjos eleitos, e Deus “lhes enxugará dos olhos toda lágrima.” Assim ficará manifesto que a causa deles, que agora por muitos juízes e autoridades está sendo condenada como herética e ímpia, é a causa do Filho de Deus. E, como recompensa gratuita, o Senhor os fará possuir a glória que jamais o coração de um homem poderia conceber.

“Por isso, esperamos esse grande dia com grande anseio para usufruirmos plenamente das promessas de Deus em Jesus Cristo, nosso Senhor.”

Irmãos, Jesus volta para julgar os vivos e os mortos. Isto deve ser um consolo muito grande para nós. E ao mesmo tempo, isto deve ser um grande incentivo para orar pela conversão dos pecadores, em quanto ainda haja tempo.

Amém.

 

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

** Este sermão foi originalmente escrito para uso do pastor e não passou por correção ortográfica ou gramatical.

Compartilhe!

Pr. Kenneth Wieske

Pastor da Igreja Reformada em Surrey, Colômbia Britânica. Desde 2000, serve as Igrejas Reformadas do Brasil como plantador de igrejas. B.A. McMaster University, M.Div. Theological College of the Canadian Reformed Churches. Estudos em línguas originais no Institut Farel de L´Église Réformée du Québec.

Deixe um Comentário