Sermão preparado pelo pastor Marcel Mattos Tavares
Leitura: 1 Pe 1.3-5; Cl 3.1-4
Texto: Domingo 17

Amada igreja do nosso Senhor Jesus Cristo,

O nosso catecismo vem seguindo um movimento que a Bíblia faz. É um movimento de cima para baixo. A Bíblia mostra como o inicio do homem foi muito bom, mas como o fim dele foi triste. No início de Gênesis Deus criou o primeiro homem. Ele foi criado a imagem e semelhança de Deus. No final de Gênesis vemos um homem no caixão, José, filho de Jacó. O salário do pecado é a morte (Rm 6.23). De Gênesis até Malaquias vemos como o homem vai se afundando cada vez mais em sua miséria. Até mesmo o povo de Deus, que havia sido escolhido por Ele, que havia recebido as cerimônias, os profetas, as leis, este povo havia se afundado em sua miséria.

Os Evangelhos, no Novo Testamento, são a transição desta odisséia de vida e morte. Deus envia o seu Filho ao mundo. Ele vem para substituir o homem que havia pecado e satisfazer a justiça de Deus. Cristo então nasce e sua vida é semelhante a história do homem. Ele é Deus, mas por um tempo, diminuiu a sua glória. Ele agora é um homem que sabe o que é padecer. Ele se humilha até a morte e morte de Cruz. O nascimento do Filho de Deus termina com o homem Jesus na sepultura.

Mas agora o movimento não é mais de descida. Agora o movimento é de subida. A morte não pode segurar Jesus. Jesus cumpriu as profecias a seu respeito. Ele morre para pagar o preço da redenção. Jesus Cristo é Deus Eterno e sem pecado. Ele, pelo seu poder, vence a morte. Onde não há a causa da morte (o pecado) também não pode prevalecer os seu efeito. Ele se levanta gloriosamente do reino dos mortos para ser o nosso Rei eterno.

Vamos ouvir nesta (noite) o Domingo que fala sobre a ressurreição de Cristo. Vamos ouvir o quanto isto nos beneficia. Por isso, eu vos prego o evangelho de Cristo nesta noite, resumido neste tema: Alelúia! Jesus Ressuscitou.

Essa ressurreição nos beneficia de três maneiras:

  1. Temos justiça diante de Deus
  2. Temos regeneração diante de Deus
  3. Temos glorificação diante de Deus

1. Temos justiça diante de Deus

Certo programa de TV entrevistou um certo teólogo. Este teólogo não era um bom teólogo. Ele, por exemplo, estava muito preocupado com a voz da ciência (meio científico). O meio científico, por não poder provar certos eventos das Escrituras, acreditam que estes sejam mitos. Eles dão muita ênfase a sua lógica, e não enxergam que certas coisas que não podem ser explicadas, na verdade não podem ser consideradas como falsas. Eu, por exemplo, penso em minha mente que meu braço direito vai se mexer e então ele se mexe. Isto é inexplicável, mas é verdadeiro. Os cientistas não reconhecem a limitação da razão e a excelencia de Deus.

O entrevistador do programa de TV perguntou ao teólogo: _Você crê na ressurreição de Cristo? O teólogo respondeu: _Sim! Eu creio na ressurreição de Cristo! Parece que tudo estava bem. Mas, meus irmãos e irmãs, pessoas podem afirmar algo, mas esta afirmação pode ser algo bem diferente do que você acredita. Ao falar que cria que Jesus havia ressuscitado, o teólogo não queria dizer nada tão excepcional quanto dizer que a obra “Mein Kampf” de Adolf Hitler havia ressuscitado. Ele não cria na ressurreição de Cristo, pois isto era impossível de acordo com a ciência. Ele cria que o ensino de Jesus continuava vivo, assim como o Nazismo continua vivo. Ressurreição para ele tinha um significado diferente. Tomem muito cuidado com o que pessoas dizem! Perguntem: _o que você verdadeiramente crê sobre o que você está falando? As pessoas dão significados diferentes a certas palavras hoje em dia.

As Escrituras falam que Cristo ressuscitou. E o que é esta ressurreição? A alma humana de Jesus se reuniu novamente ao seu corpo. Seu corpo conserva as marcas nas mãos, nos pés e no lado. Ele foi visto por várias testemunhas: pelos anjos, pelas mulheres, pelos discípulos (não só os doze). Pessoas o tocaram. Lucas 24.39 – “Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e verificai, porque um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho”.

Jesus retornou vitoriosamente, gloriosamente da sepultura! Seu corpo agora é um corpo glorificado. Estar glorificado significa que tudo o que ele estava sujeito antes(tentações, sujeição de outros, prisão, humilhações, morte), agora não mais. Nada pode pará-lo. É assim que Cristo permanece até hoje.

A ciência não crê na ressurreição de Cristo. Mas e daí? Romanos 1.16 diz: “Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê”. Jesus ressuscitou para a Glória de Deus, o cumprimento das profecias, e a nossa salvação.

Ele é o autor da vida. É assim que Pedro diz em Atos 3.15. Seria um absurdo este autor da vida ficar preso na morte, não é verdade? Ele agora é o nosso mediador diante de Deus Pai. Ele pode dizer agora:_Pai, estes aqui são inocentes! Vejam minhas marcas! Eu paguei o preço do resgate deles com o meu sangue precioso! Eles são meus! Eu sou o Rei deles!

Cristo venceu a morte e assim nos faz participar da justiça que ele conquistou pela sua morte. Este é o primeiro benefício. A ressurreição de Cristo contém um grande testemunho a respeito do nosso perdão. Podemos confiar que todos os nossos pecados estavam nEle e todos foram levados com Ele. Imagine que existisse um único pecado que não tivesse sido expiado por Jesus, então aquele pecado, o mínimo que fosse, teria O feito permanecer na sepultura. Talvez você duvide de algum pecado seu, pensando que Jesus não perdoou este pecado. Talvez isto te coloque para baixo e o deixe sem esperança. Mas pense numa coisa. Se Jesus não tivesse pago também por este pecado, ele estaria preso na morte. Jesus levou sobre si todos os meus pecados. O Pai realmente aceitou a substituição.

Cristo ainda colocou toda a sua justiça na nossa conta. Imagine alguém que estivesse devendo bilhões de Reais e trabalhasse ganhando um salário mínimo. Essa pessoa poderia pagar as suas dívidas? Não! Isto seria impossível! Imagine alguém que viesse e pagasse a nossa dívida bilhionária? Isso não seria maravilhoso? Meu saldo ficaria neutro. Agora, imagine se alguém viesse, pagasse a dívida bilhionária e ainda colocasse na minha conta tantos trilhões de Reais (saldo positivo)? Jesus pagou pelos nossos pecados e ainda colocou a sua justiça na nossa “conta”. Ele ressuscitou por causa da nossa justificação (cf. Rm 4.25). Somos ricos! Eu e você participamos das suas riquezas! Essas riquezas são perdão, regeneração e vida eterna. Essa regeneração é o que veremos no segundo ponto.

2. Temos regeneração diante de Deus

Quando Cristo ressuscitou e subiu ao céu, Ele nos enviou de lá o seu Espírito Santo. Agora fazemos parte dEle. Por causa deste Espírito vivemos uma nova vida. Uma vida conforme a vontade dEle. Colossenses 3.1 que lemos diz: “Portanto, se fostes ressuscitados juntamente com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus”.

A nossa regeneração é a nossa primeira ressurreição. O nosso velho homem desceu a sepultura com Cristo, agora o nosso novo homem se levantou com Cristo da sepultura. Isto nos chama a atenção para a nossa maneira de viver agora. Você já parou para olhar em si os frutos desta regeneração? Os frutos desta regeneração podem ser visto numa vida alegre e sincera diante de Deus, e o amor e o deleite de seguir a sua vontade.

E que vontade é essa que eu devo me alegrar em viver agora? Os seus mandamentos que lemos todos os domingos! Você se preocupa em não ter outros deuses diante do único Deus? Ou você vive a correr atrás de dinheiro, importância e carreira. Será que você ou o dinheiro não são o seu Deus? Você se preocupa em guardar o Dia do Senhor, parando seus trabalhos, e vindo aos cultos para se alegrar na vontade de Deus e ter comunhão com seus irmãos e irmãs? Ou você troca isto por dar uma saidinha por aí e curtir um pouco a sua vida? Ou, quem sabe, você fica louco para este dia passar logo para sair atrás dos seus negócios?

Com respeito ao próximo. Você se preocupa com o bem estar dele? Você ajuda e facilita a vida dele? Ou você não está nem aí para ele e suas dificuldades? Você torce por ele, ou torce para que ele quebre e vá embora daqui? Com respeito ao oitavo mandamento (o furto). Você paga as suas dívidas com o seu próximo conforme o combinado, ou você o furta o que é dele por direito? Ainda, você faz fofoca e cria mentiras sobre o seu irmão(a), ou defende a honra e a boa reputação dele conforme o nono mandamento? Com respeiro a cobiça, você está satisfeito com o que Deus lhe deu, ou anda olhando para o seu próximo desejando as coisas que ele tem? Quem sabe por causa disso você até tem entrado em dívidas porque não pode esperar Deus lhe dar as condições? Se você vive nestes pecados deliberadamente (ou seja, sabendo e mesmo assim fazendo), você não pode dizer que pensa nas coisas do alto, mas apenas nas que são aqui da terra. Você também não pode dizer que se alegra em viver uma nova vida. Não! Você precisa parar agora, pensar e mudar radicalmente a sua vida! Você ainda precisa nascer novamente! Quem não nasce de novo não tem os benefícios da ressurreição de Cristo! Sua conta ainda está negativa, e o credor(cobrador) justo, nos céus, irá te cobrar por cada centavo!

Deus nos chama a uma nova vida em Cristo. Ele nos chama a gratidão. Não é que por meio de obras seremos salvos, mas o fato é que Ele já concedeu salvação, portanto temos razões duficientes para vivermos em gratidão a Deus e ao meu próximo. E isto deve ser o nosso alvo na vida. Paulo estava atrás deste alvo. Ele reconhece que não era perfeito, mas prosseguia para o alvo. Ele compara a vida a uma corrida. Ele esperava atingir a linha de chegada. Sua glória era Cristo. Ele esperava um dia segurar este prêmio: o Seu salvador Jesus Cristo que ressuscitou. Ele diz em Filipenses: viver é Cristo, morrer é lucro!

Nossa regeneração, que é uma vida com o Espírito Santo, fazendo a vontade de Deus, é um sinal e selo da nossa ressurreição gloriosa. A nossa glorificação é o plano final que Cristo nos comunica na sua ressurreição. Isto nos leva ao último ponto.

3. Temos glorificação diante de Deus

Amados, Cristo nos justifica, nos regenera e por fim irá nos glorificar. Todos estes são benefícios para nós. O terceiro benefício da ressurreição de Cristo é que ele venceu a morte por nós. Em 1 Coríntios 15.55, o vencedor zomba do derrotado. Cristo diz: “Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão?”. Jesus venceu a morte. Se Jesus não tivesse ressuscitado, também não poderíamos esperar que um dia iremos ressuscitar.

Cristo é as primícias dos que dormem. Ele ressuscitou primeiro e nós também iremos ressuscitar. Com justificação e regeneração, não há como ficar preso na morte. Essa é uma herança maravilhosa da ressurreição de Cristo. Assim como Jesus tem um corpo glorificado, ele também nos promete um corpo glorificado. 1 Pedro 1.4 fala da nossa glorificação. Na NVI lemos herança que jamais poderá perecer, macular-se ou perder o valor. Nosso corpo envelhece e se cansa. Moisés diz no salmo 90 que nosso corpo quando chega aos 70 e 80 anos é cheio de sofrimentos debaixo do furor de Deus. Os pecados que ainda nos foram deixados para que ficássemos humildes e sempre buscássemos a Deus, nos consomem ano após ano.

Mas podemos ter a certeza absoluta que depois da nossa morte, quando Cristo retornar, nossa alma se juntará ao nosso corpo novamente. Este corpo será perfeito e jamais sofrerá corrupção. Estaremos novos em folha, com um novo vigor. Sem nenhum domínio do pecado ou do tempo (glorificados).

E quem vai realizar este benefício em nós? O Espírito Santo que habita em nós, conforme Paulo diz em Romanos 8.11. Este Espírito vai nos trazer a vida novamente. Nossos irmãos do passado que foram queimados vivos, que foram cortados ao meio, que foram enterrados vivos, que foram comidos pelas feras nos estádios, eles voltarão. Eles foram homens e mulheres dos quais o mundo não era digno. Eles foram aparentemente derrotados. Mas sobre eles estava a promessa de um Conquistador (o conquistador da morte). O Espírito de Cristo vai trazê-los de volta como no vale dos ossos secos (em Ezequiel).

Como seus corpos serão novamente refeitos? Pelo poder do Espírito de Deus. O mesmo poder que criou o céu e a terra do nada, é o poder que fará você e nossos irmãos aqui do cemitério da colônia voltarem num tempo que ainda não sabemos. Podemos descansar e viver nestas promessas com toda a gratidão.

Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram. Nem jamais penetrou no coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam!
Então, Glorias a Deus, por Cristo – o vencedor – pelos séculos dos séculos. Amém!

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

** Este sermão foi originalmente escrito para uso do pastor e não passou por correção ortográfica ou gramatical.

Pr. Marcel Tavares

Pastor na Igreja Reformada do Brasil Maranata, em Unaí-MG.
Bacharel em divindade pelo Instituto João Calvino.