Pregação preparada pelo Pr. Elissandro Rabêlo

Leitura: João 19:28-42; Romanos 06:01-14

Texto: Dia do Senhor 16

Amados irmãos em Cristo e caros visitantes,

Todo sofrimento pelo qual Cristo passou nesta vida resultou na sua morte. Após a angústia no Getsêmani, o julgamento sob Pôncio Pilatos, a zombaria e os insultos dos judeus e soldados romanos, O senhor ainda teve de carregar a cruz e ficar pendurado nela por 6 horas. E naquela cruz maldita, após ser abandonado por Deus, o Senhor Jesus, depois de ter dado um último grito, inclinou a cabeça e rendeu o espírito (Jo. 19.30). Jesus sabia que iria morrer. Afinal de contas ele veio para morrer. Por várias vezes ele profetizou acerca da sua morte (Mc. 8.31; 10.45; Jo. 12.24). Portanto, ele não fugiu da cruz, mas se entregou voluntariamente para ser morto.

No Domingo 15, nós aprendemos acerca da dor, da angústia e dos sofrimentos pelos quais Cristo passou durante toda sua vida, principalmente no final. Ele sofreu e morreu a fim de conquistar para nós a graça de Deus, a justiça e a vida eterna. No Domingo 16 aprendemos que a morte de Cristo não foi uma morte natural como outra qualquer, mas foi uma morte necessária, real e de grande importância para a vida de todos os cristãos. A morte de Cristo não foi um ato isolado, mas um acontecimento no qual estávamos envolvidos. A morte de Jesus tem conseqüências na vida de todos os cristãos. Nós participamos com ele na sua morte. Ele morreu para nos dar vida. Ao mesmo tempo, ele morreu para que nós também morrêssemos com ele. Como entender isto? Domingo 16 procura nos explicar esse assunto. Portanto, eu vos proclamo o evangelho do Senhor Jesus no seguinte tema:

Tema: Cristo morreu por nós e nós morremos com Ele

  • 1. O Significado da Morte de Cristo por nós
  • 2. O Significado da Nossa Morte com Cristo

1. O Significado da Morte de Cristo por nós

A Bíblia nos revela que Jesus morreu e no mesmo dia foi sepultado (Jo. 19.30; 40-42). Com base nisso, nós confessamos a cada domingo que Jesus foi morto e sepultado. Seu sepultamento foi um testemunho claro de que ele realmente estava morto (perg. 41). Qual a importância e o significado dessa confissão bíblica? Por que o Filho de Deus teve de morrer na cruz? Ele não era inocente? Por que teve de sofrer tanto e enfrentar a amarga morte da cruz? Você poderia responder: “Jesus morreu para me salvar, para me dá perdão de pecados, para me livrar do inferno e me levar para o céu”. Sua resposta está certa, mas não está completa. Você precisa entender primeiramente qual foi a principal razão da morte de Cristo. Qual a necessidade da morte de Jesus? Por que Cristo devia sofrer a morte? Resposta: Porque a justiça e a verdade de Deus exigiam a morte do Filho de Deus. Não houve outro meio de pagar nossos pecados (Domingo 16, pergunta 40). O que estamos confessando aqui?

Confessamos que a morte de Cristo foi um acontecimento único e necessário para nossa salvação. A morte de Jesus não aconteceu por acidente ou acaso, mas foi uma morte que estava dentro do plano de Deus. Profetizando acerca do sofrimento e da morte de Cristo, o profeta Isaías afirmou no capítulo 53 do seu livro que Jesus foi “ferido de Deus e oprimido” (v.4) e que “ao SENHOR agradou moê-lo” (v.10). Como resultado disso, Jesus foi levado como cordeiro ao matadouro e foi cortado da terra dos viventes quando morreu na cruz (Is. 53.7,8). Foi da vontade de Deus entregar o seu Filho para ser morto na cruz. Mas também foi uma exigência de Deus. Mas por quê? Porque a justiça e a verdade de Deus exigiam a morte do Filho de Deus. O que isso quer dizer?

Para entender isso nós devemos olhar para o princípio da criação. Deus criou o homem e a mulher e os colocou no lindo jardim para o cultivar e guardar. E o SENHOR lhes deu apenas esta ordem: “De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, não comerás, porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás” (Gn. 2.16,17). Infelizmente Adão e Eva se deixaram seduzir por Satanás e comeram do fruto proibido. Assim eles pecaram e se tornaram com toda a humanidade dignos da morte e da condenação eterna. Deus não volta atrás na sua palavra (certamente morrerás). Ele é justo e há de castigar o pecado. A alma que pecar essa morrerá. O salário do pecado é a morte.

O SENHOR castigou o homem e a mulher por causa do pecado (trabalho duro, aumento da dor na gravidez, morte física, expulsão do jardim). Mas no meio de seu juízo, ele se lembrou da misericórdia. O SENHOR poderia ter destruído Adão e Eva no dia em que pecaram. Seria justo. Mas não o fez. Ele não permitiu que Satanás destruísse a boa obra que ele tinha criado. Mas resolveu em sua graça, salvar da humanidade caída um povo para si. Ainda no jardim, ele providenciou um caminho de salvação para o pecador.

Que caminho é esse? As boas obras do pecador? Não. Pois as vestes que Adão e Eva fizeram não foram capazes de cobrir sua vergonha (Gn. 3.7). Deus providencia as vestes adequadas para o pecador. Ele matou um animal e com sua pele preparou roupas para Adão e Eva (Gn. 3.21). Ele derramou sangue para cobrir o pecador. Mas não foi o animal em si que trouxe salvação para Adão e Eva. Aquele animal apontava para o descendente da mulher que viria salvar o pecador (Gn. 3.15). Este é o Cordeiro de Deus que viria destruir Satanás e tirar o pecado do mundo. É o próprio Filho de Deus que se fez homem e veio para restaurar o que o primeiro Adão destruiu. E o único meio de fazer isso é cumprindo a justiça de Deus. Ele tinha de morrer para nos libertar da condenação de Deus. Só ele podia fazer isso, pois era santo e sem pecado. Não houve outro meio para nos libertar dos nossos pecados. Deus é justo e sua palavra é a verdade. O pecado tem de ser castigado para haver salvação. E o Filho de Deus teve de se tornar homem para sofrer em corpo e alma, a ira de Deus contra o pecado de todo gênero humano.

Irmãos! Se Jesus não tivesse morrido na cruz, estávamos perdidos, expulsos do jardim, longes da presença de Deus, mortos em nossos pecados e a caminho do castigo eterno do inferno. Mas essa não é mais a nossa situação. Por quê? Porque o SENHOR fez cair sobre seu Filho a iniqüidade de nós todos (Is. 53.6). Jesus foi traspassado pelas nossas transgressões, moído e esmagado pelas nossas iniquidades (Is. 53.5). Por causa da nossa transgressão, ele foi ferido e morto. Tinha de ser assim para sermos salvos. Jesus cumpriu a justiça do Pai quando bradou na cruz: “Está consumado”! (Jo. 19.30). É como se ele dissesse: “Pai, fiz a tua vontade! Cumpri a tua justiça para salvar o teu povo! Paguei o preço da redenção da tua igreja! Agora há salvação para todo aquele que crê em mim”!

Você compreende o que Cristo fez para cumprir a justiça de Deus? Você sabe o que ele teve de passar para conquistar pra você, um pecador digno do castigo eterno, a graça de Deus, a justiça e a vida eterna? Ele teve de sofrer a ira de Deus e morrer na cruz para você não sofrer a condenação eterna de Deus! Ele que não conheceu pecado, teve de se fazer pecado, para que você recebesse a justiça de Deus (II Co. 5.21). Ele teve de descer ao inferno para que você pudesse subir ao céu! A cruz foi o inferno para Cristo (perg. 44). Inferno é ser desamparado por Deus, é receber a ira de Deus e foi isso que aconteceu com Nosso Amado Senhor na cruz do Calvário. Ali na cruz o cálice da ira de Deus foi derramado sobre Jesus, para que o cálice da benção de Deus (seu amor, seu perdão, vida eterna) fosse derramado sobre nós (Jo. 3.16; Rm. 5.8; 8.32). O preço da nossa redenção foi pago. Se o salário do pecado é a morte, a morte de Cristo foi um pagamento completo ao Pai pela nossa redenção. E a conseqüência disso é que nós pela graça de Deus ganhamos a vida eterna em Cristo e também morremos com ele para o pecado (Rm. 6.23 e 8).

2. O Significado da Nossa Morte com Cristo

Alguém poderia raciocinar da seguinte maneira: “Ah! Se Cristo já morreu por mim, então não preciso mais passar pela morte! E se eu morro, então estou sofrendo a ira de Deus e pagando a Deus por meus pecados”. Mas não é certo afirmar isso. Veja a pergunta e resposta 42: “Se Cristo morreu por nós, por que devemos nós morrer também? Resposta: Nossa morte não é para pagar nossos pecados, mas somente significa que passamos da morte para a vida eterna”. Devemos distinguir a nossa morte da morte de Cristo. A morte do Senhor foi um pagamento único pelos nossos pecados. Nossa morte física é conseqüência dos nossos pecados e todos nós estamos sujeitos a ela. Por outro lado, por causa da morte de Cristo, a morte de um filho de Deus não é uma maldição para ele, mas uma benção, pois significa morrer para o pecado (deixar essa vida de pecado) e passar para a vida eterna (estar com Cristo). Quem está em Cristo passou da morte para vida, pois ele disse que todo que nele crê, ainda que morra,viverá (Jo. 11.25).

Quando um ente querido nosso morre no Senhor, podemos ficar tristes, mas nossa tristeza é superada pela alegria em saber que a sua morte é deixar esse mundo de pecado e sofrimento e entrar para a vida eterna. Podemos enfrentar a morte física, mas não estamos sujeitos à condenação eterna após a morte. Por que não? Porque Cristo já sofreu e morreu em nosso lugar. Ele tomou sobre si as angústias e os tomentos do inferno para que eu e você não tivéssemos como destino final o inferno. Ele foi separado do Pai e experimentou sua ira, para que você e eu vivamos na presença de Deus para sempre depois dessa vida.

A morte do cristão é preciosa para Deus (Sl. 116.15). Morrer em Cristo é lucro (Fp. 1.21). Isso é consolador para você que está em Cristo. A morte do cristão é a passagem para a vida eterna. O Senhor remirá nossa alma do poder da morte e nos levará para si (Sl. 49.15). Creia nisso. No meio de suas mais duras tentações e provações nessa vida, mesmo que você passe pelo vale da sombra da morte, tenha certeza de que Cristo te libertou da angústia e do tormento do inferno e, por isso, seu destino final não é sofrer a ira de Deus no inferno, mas viver eternamente com Cristo (Ap.14.13).

Por outro lado, quem não tem o Filho, quem não crê em Cristo, sobre ele permanece a ira de Deus (Jo. 3.36). Isso significa que a morte de um ímpio é o caminho para o inferno. Depois da morte não tem mais volta, mas segue-se o juízo (Hb. 9.27). Porém, Deus não tem prazer na morte do ímpio, mas em que ele se arrependa dos seus maus caminhos e viva. Em Cristo há perdão e vida eterna para todo o que nele crê. O que você está esperando? Essa noite pedirão a tua alma e o que tens em troca? Vais partir despreparado? Hoje é o Dia da Salvação. Busque a Cristo e seja salvo.

Há um outro ponto aqui no domingo 16 que é muito importante para todo cristão. Observe que o catecismo fala da conseqüência prática da morte de Cristo na nossa vida (ler pergunta e resposta 43). Em certo sentido, a morte de Cristo foi também a nossa morte. Nós morremos com ele. Não no sentido de participar com ele do pagamento pelos nossos pecados, mas no sentido de que, em virtude da morte de Cristo, nossa vida aqui na terra é um morrer constante para o pecado e um viver constante para Deus (Rm. 6.6-11). Quem está em Cristo, está morto para o pecado e vive para Deus. Quando Cristo foi crucificado e morto na cruz, nosso velho homem que é nossa natureza pecaminosa que nos leva a ter prazer no pecado, foi também crucificado, morto sepultado com ele. Quer dizer, por seu poder, Cristo nos santifica. Ele nos liberta do poder do pecado capacitando-nos a deixar os maus desejos da carne e oferecer nossas vidas a Deus como sacrifício de gratidão.

Cristo morreu para te libertar do poder do pecado. O pecado não tem mais domínio sobre você. Cristo morreu para te ajudar a ser um jovem que deixa a rebeldia e a imoralidade para servir ao Senhor. Cristo morreu para te ajudar a vencer o ódio, a inveja e viver em amor com o próximo. Cristo morreu para te ajudar a vencer a fofoca, a mentira e falar a verdade em amor uns para com os outros. Cristo morreu para te ajudar a vencer a preguiça, o desânimo e ser um membro vivo da igreja dele.

Cristo morreu para que você viva para Deus. A palavra de Deus diz: “E ele (Cristo) morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou” (II Co. 5.15). Você já parou pra meditar profundamente no sacrifício e morte de Cristo por você? Você tem refletido no seu grande amor em deixar voluntariamente a glória com o Pai para ser humilhado, oprimido, morto e sepultado para te salvar por pura graça? Ele desceu ao inferno para te livrar dele! Você pensa nisso? Isso não te desperta a um viver de profunda e verdadeira gratidão a Deus? Ou você fica indiferente e persiste em seus pecados? O Senhor entregou a sua vida por você e você ainda persiste em viver para si mesmo? Ele carregou uma cruz pesada e você tem preguiça e desânimo de buscar o Senhor nos cultos? Ele se sacrificou por você e você não se esforça em fazer nenhum sacrifício para mostrar gratidão? Se você está em Cristo, então, você morreu com ele para o pecado e agora vive para Deus. Seja um cristão agradecido! Viva para Cristo que viveu e morreu por você. (Rm. 12.1).

Amém.

 

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

** Este sermão foi originalmente escrito para uso do pastor e não passou por correção ortográfica ou gramatical.

Compartilhe!

Pr. Elissandro Rabêlo

Pastor na Igreja Reformada em Cabo Frio - RJ.

Leave a Comment