Pregação preparada pelo Pr. Adriano Gama

Leitura: Isaías 53.01-12

Texto: Dia do Senhor 15

 

Amada Congregação do Senhor e visitantes,
O evento mais lembrado pelo cristianismo é o padecer de Jesus Cristo. É um evento muito mais lembrado que o natal.

Os cristãos católicos são lembrados dos sofrimentos de Cristo todos os dias nas missas romanas, também com imagens, pinturas e crucifixos. E no meio artístico também vemos esse esforço de lembrar os sofrimentos de Cristo por meio de filmes e peças teatrais:

Quem não ouviu falar do filme “A Paixão”, de Mel Gibson? E o espetáculo da “Paixão” em Nova Jerusalém, no Estado de Pernambuco?

O objetivo dessas obras artísticas é somente enfatizar o sofrimento de Cristo, chamando a atenção às fortes cenas de tortura. Essa ênfase recai sob o fervor para reforçar o sacramento papista da missa.

Agora, qual o resultado de os cristãos católicos se lembrarem tanto do sofrimento de Cristo pelas missas, pelos crucifixos e pelas artes? Isso tem produzido um cristianismo autêntico, cujos frutos são vidas alegres em Cristo? Essa ênfase tem contribuído para o surgimento de cristãos mais confiantes na salvação somente em Cristo? Os cristãos têm aprendido a honrarem os mandamentos de Cristo?

A Igreja deve, sim, falar do sofrimento de Cristo. Porém, não com o objetivo que a missa tem, nem das outras invenções dos homens, que somente enfatizam o sofrimento de Cristo. A missa e as invenções dos homens não apontam o verdadeiro objetivo desse sofrimento. O Senhor Deus chama você aqui para lhe falar, conforme a Escritura, que Cristo padeceu. O Senhor Deus faz isso para dar a você uma Boa Notícia no sofrimento de Cristo. Assim, eu anuncio o Evangelho de Cristo no seguinte tema:

Tema: Jesus Cristo padeceu

  • 1. Esse padecimento foi profetizado
  • 2. Esse padecimento foi cumprido
  • 3. Esse padecimento foi a nossa salvação

Jesus Cristo padeceu: Esse padecimento foi profetizado
O profeta Isaías foi aquele que mais profetizou acerca de Jesus. Isso rendeu a Isaías o título de “O Profeta Messiânico”. O profeta descreveu bem o padecimento de Jesus Cristo. Ele anunciou Jesus como o Servo Sofredor. No capítulo 53 v. 1, Isaías pinta uma imagem de Jesus Cristo estranha às pinturas que conhecemos. Isaías não profetizou a imagem de um homem bonito, de olhos azuis, de cabelos bem lisos, como nas ilustrações que dizem ser de Jesus Cristo.

O Espírito Santo diz que Jesus Cristo foi um homem sem atrativos visuais, de dores e que sabia o que era padecer. O profeta Isaías revela Jesus Cristo como um homem que não foi acreditado, sem uma mensagem atrativa para os homens deste mundo.

Jesus foi desprezado, “o mais rejeitado entre os homens”. Essa foi a profecia de Isaías, e o cumprimento dela foi visto nos Evangelhos. João diz (Jo 1.10,11): “O Verbo estava no mundo, o mundo foi feito por intermédio dele, mas o mundo não o conheceu. Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.” O Apóstolo Paulo em Rm 10.16 explica a incredulidade de parte de Israel com base no texto de Is 53.1. O Apóstolo mostra claramente Jesus sendo rejeitado por seu povo segundo a carne. Oitocentos anos antes de Jesus nascer da Virgem Maria, Isaías profetizou (veja Is. 53.3): “Era desprezado e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer; e, como um de quem os homens escondem o rosto, era desprezado, e dele não fizemos caso.

O desprezo e a rejeição era parte do padecimento de Jesus Cristo. É muito doloroso ser desprezado e rejeitado. O desprezo e a rejeição se tornam mais dolorosos se vêm daqueles a quem você ama. Se você passou por isso, sabe bem o que digo.

Jesus Cristo foi desprezado e rejeitado por aqueles a quem Ele amava. Jesus Cristo amava o Seu povo e Ele veio salvar o Seu povo. Mas, quando chegou aqui, sentiu na alma e no corpo a dor do desprezo. Jesus, junto com o Pai no céu, era, pelos anjos, adorado e louvado. Mas, aqui na terra, desde o seu nascimento, foi desprezado e rejeitado: Foi desprezado e rejeitado pelos donos da hospedaria e, por isso, nasceu numa manjedoura. Foi desprezado e rejeitado quando iniciou seu ministério de pregação. Foi desprezado e rejeitado por seu povo. Foi desprezado e rejeitado pelas autoridades do Seu povo e dos romanos. Foi desprezado a ponto de as pessoas virarem o rosto. E, por final, o mais duro e terrível desprezo e rejeição de todos: Jesus foi desprezado e rejeitado por Deus na Cruz.

O Pai feriu, rejeitou e virou Sua face para Seu Filho Amado. O profeta Isaías viu isso e o Evangelho mostra o desprezo que Jesus Cristo padeceu: “Certamente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido.”

Isaías nos fala o Evangelho do padecimento do Messias. Todo padecimento de Jesus era a mão de Deus sobre Ele. Pedro proclamou o evangelho no Dia de Pentecostes dizendo que todo o sofrimento de Jesus era conforme o desígnio e presciência de Deus (At 2.22,23). Nesse sermão do Dia de Pentecostes, Pedro disse claramente (At 3.13,18): “O Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó, o Deus de nossos pais, glorificou a seu Servo Jesus, a quem vós traístes e negastes perante Pilatos, quando este havia decidido soltá-lo.

E o Apóstolo Pedro continua (v.18): “[…] mas, Deus, assim cumpriu o que dantes anunciara por boca de todos os profetas: que o Cristo havia de padecer”.

Isaías e todos os profetas falaram do padecimento de Cristo e os Apóstolos explicam como Deus, o Pai, feriu o Seu Amado Filho. Quando lemos Isaías 53 e o que o Novo Testamento diz, podemos concluir que Jesus Cristo padeceu de verdade, corpo e alma, os ferimentos que Deus mesmo estava produzindo em Seu Amado Filho. Agora, o que Jesus Cristo fez para padecer tanto? Jesus Cristo foi fiel a Deus em tudo. Ele só falou a verdade. Jesus Cristo só fez o bem a todos os seus próximos. Então, o que fez Jesus merecer todo esse padecimento? Foi o pecado, meu amado irmão!

O pecado que não era d’Ele, pois Ele, em nada pecou. Mas, os meus e os pecados que você cometeu. Foi a nossa rebeldia contra Deus que O fez padecer. Isaías profetizou para a Igreja (Is 53.4, 5): “Certamente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; […] Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.”

Fomos nós os culpados pela humilhação de Jesus Cristo! Nós somos os culpados do padecimento d’Ele. O Evangelho pregado por Isaías e por Paulo é claro (2 Co 5.21): “Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós, para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus”. Jesus Cristo foi desprezado, rejeitado e ferido por Deus e os homens, por causa de mim e de você, Igreja do SENHOR! Se não houvesse a nossa soberba na Queda, então, nosso Amado Salvador não teria padecido a humilhação nesta terra. Se não houvesse a nossa rebeldia no Jardim do Éden, não haveria o padecimento de Jesus Cristo no jardim do Getsêmani. Se não houvesse a nossa rejeição a Deus no Jardim do Éden, então, o Nosso Amado Salvador não seria rejeitado por Deus na Cruz.

Por isso, devemos odiar os nossos pecados, abominar e rejeitar qualquer pecado, pois foram os nossos pecados que fizeram Aquele que mais nos amou, e a quem nós amamos, padecer. Jesus Cristo tomou o nosso lugar debaixo da Ira de Deus contra o pecado do gênero humano. A ira de Deus que caiu sobre Jesus não era “faz de conta”, mas era a Ira Justa contra o pecado. Os golpes de Deus eram para ser dados contra o homem, por isso, se fala do gênero humano. E, Jesus Cristo se fez carne para levar os golpes mortais da ira de Deus que seriam dados em nós. Ele fez isso em nosso favor; por isso, Isaías profetiza: “[…] o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.”

Se você tem o perdão dos pecados e é recebido como amado do Senhor, então, saiba que isso só foi possível por causa do padecimento de Jesus Cristo. Jesus Cristo padeceu e isso foi a nossa salvação. Isaías fala o Evangelho que diz: “[…] o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.”

Meu irmão em Cristo, hoje você tem paz com Deus, porque todos os seus pecados foram perdoados por e em Cristo Jesus. Foi o padecimento de Jesus Cristo, sua humilhação e sofrimento infernal na Cruz, que fez a Paz entre Deus e os Seus eleitos. Não há mais inimizade entre Deus e a Igreja, pois toda justiça de Deus foi cumprida por Jesus Cristo. O Justo morreu pelo injusto.

Jesus Cristo morreu em nosso lugar. Ele padeceu tudo que era necessário para pagar o pecado do seu povo e livrar Seu povo da Ira de Deus.

Assim, posso ter a certeza de que todos os meus pecados foram perdoados (isso confessamos no DS 15). Posso gozar do amor e da graça de Deus, pois a Justiça de Cristo é minha. O profeta Isaías pregou o Evangelho da justiça que vem de Cristo (Is 53.6-11): “Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo caminho, mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos […] Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando der ele a sua alma como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade e prolongará os seus dias; e a vontade do Senhor prosperará nas suas mãos. Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma e ficará satisfeito; o meu Servo, o Justo, com o seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniquidades deles levará sobre si”

Meu amado irmão, você crê que Jesus padeceu? Como inocente Jesus padeceu pelas mãos de Pôncio Pilatos. Você tem alguma dúvida disso? Deus condenou seu Amado e Inocente Filho. Você crê nisso? Você tem dúvida de que Jesus Cristo aplacou a Ira de Deus? Você acha que ainda há algo que devemos pagar para sermos salvos do juízo de Deus?

Veja o que o Evangelho diz: “Ele foi tido como ferido de Deus”. Sabe o que isso significa? Jesus foi considerado um maldito. Jesus Cristo foi pendurado na Cruz. O Profeta Isaías viu o cumprimento da crucificação, pois, maldito todo aquele que for pendurado em madeiro (Gl 3.13). O Evangelho pregado por Isaías chama a Igreja a somente confiar na obra de padecimento de Jesus Cristo. Meu irmão, creia com todo o coração, que Jesus Cristo, o Servo Sofredor, nos resgatou da maldição de Deus. Ele se fez maldição em nosso lugar. Isso é o que o Evangelho nos revela e chama a todos os homens a crerem. A Igreja Cristã confessa esse Evangelho no Credo, quando diz: “Creio em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor, […] padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado […]”

O Evangelho pregado por Isaías é provado pela Igreja no Sacramento da Ceia do SENHOR. A Ceia do Senhor aponta para a morte de Cristo em nosso lugar: Cristo sofreu para nos salvar. A Ceia do Senhor é para fortalecer a Fé no Senhor Jesus Cristo que morreu como sacrifício completo por todos os nossos pecados. A Santa Ceia não aponta para um Cristo humilhado numa cruz, mas um Cristo que venceu a morte, subiu ao Céu e está exaltado à Direita de Deus. O Jesus Cristo que Isaías viu no final do cap. 53.11,12. O Jesus Cristo alegre com Seu penoso trabalho, e exaltado depois de ser humilhado.

Conclusão:
Meu amado irmão, será que as artes do mundo levam os seus espectadores a verem o que o Evangelho diz? Será que a imaginação do homem pode retratar o padecimento de Cristo? Será que as artes têm produzido cristãos que confiam somente em Jesus Cristo? Não! Com certeza não tem! Por isso, aprouve a Deus salvar os que creem pela pregação do Evangelho. Pela mensagem do Evangelho de Cristo, que Deus salva pecadores. A mensagem do Evangelho é o meio estabelecido por Deus para comunicar o padecimento de Cristo Jesus. Nada supera a pregação do Evangelho. Nada é mais completo que o Evangelho, para mostrar o objetivo de Jesus Cristo padecer. Nada pode complementar o Evangelho revelado na Escritura. Ele comunica ao homem que para nossa salvação, precisamos confiar somente no Jesus Cristo que padeceu.

Meus irmãos, que o SENHOR Deus nos faça mais confiantes na salvação que Cristo Jesus nos conquistou. Ele nos salvou por suas chagas, através do seu sofrimento.

Que o Senhor, pelo Evangelho pregado, conforte a Sua Igreja com a certeza do perdão dos pecados em Cristo.

Que o Evangelho leve você a odiar o pecado e amar mais a Deus. Que o Evangelho leve você a confiar somente em Jesus Cristo para sua salvação.

Que o Evangelho leve você a viver uma vida de gratidão a Cristo. Ele padeceu em nosso lugar, para termos a graça de Deus, a justiça de Cristo e a vida eterna n’Ele.

Que o Evangelho faça você valorizar mais a vida de comunhão com Cristo e seus irmãos em Cristo.Seja estimulado pelo Evangelho a usar todos os seus dons, para que a pregação seja anunciada em todo mundo. Assim, pelo Evangelho, outros sejam salvos do padecimento no inferno. A salvação que vem pela Fé somente no Cristo que padeceu e ressuscitou para nossa salvação.

Amém.

 

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

Compartilhe!

Pr. Adriano Gama

Ministro da Palavra e dos Sacramentos da Igreja Reformada em Maragogi (AL). É missionário na Congregação Reformada em Colombo (PR).

Deixe um Comentário