Pregação preparada pelo Pr. Julius VanSpronsen

Leitura: João 15.01-17; Salmo 01, 80, 92

Texto: Dia do Senhor 11

 

Amada congregação do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo,

Pode-se achar o nome de Jesus em toda parte do Brasil – nas camisas, nos carros, nos paredes das casas, nos muros, debaixo das placas das empresas, até como o nome de uma rede de internet sem fio – isso é porque muitas pessoas botam o nome de Jesus em toda parte do Brasil. Por quê? Porque muitas pessoas acham que o nome de Jesus é mágico, como se fosse possível botar o nome de Jesus na minha casa e Ele seria obrigado a me proteger por causa disso, ou no meu carro, e Ele iria me livrar dos acidentes. Mas temos de perguntar: isso é certo? Por que razão é o Filho de Deus chamado de Jesus, que quer dizer, Salvador?

Um anjo disse a José: “Não temas receber Maria, tua mulher, porque o que nela foi gerado é do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles” (Mateus 1:20-21). Quando Jesus cresceu e começou a ensinar e pregar, Ele proclamou que se alguém quisesse viver e produzir fruto que é agradável ao SENHOR, esta pessoa tem que permanecer n’Ele. Por meio das suas palavras, Ele ensinou que, embora haja outras pessoas chamadas Jesus ou Josué, Ele era único porque só ele trouxe salvação aos pecadores neste mundo. Pedro, o discípulo de Jesus, explicou, depois da ressurreição de Cristo, o que o nome Jesus significa quando ele disse aos presbíteros e líderes do povo israelita: “E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos” (Atos 4:12). O nome de Jesus significa que Ele é o Salvador dos pecadores – e nos ensina que não há salvação em nenhum outro nome – Ele é um Salvador exclusivo, o único Salvador! O nome “Jesus” nos ensina que as nossas obras são inúteis – porque Ele é o Salvador completo. O nome “Jesus” nos ensina que Ele é muito mais poderoso do que os assim chamados evangélicos ensinam – porque Ele nos livra do pecado e da morte eterna – Ele salva a igreja conforme as promessas do Antigo Testamento. Em verdade, existem pessoas que se gloriam em Jesus com palavras, mas eles na verdade negam a Jesus como o único Salvador. Hoje vamos ouvir as próprias palavras de Jesus Cristo para que possamos entender plenamente o nome “Jesus”. Prego o evangelho de Cristo sob este tema:

Tema: O Senhor Jesus nos ensina: Sem mim nada podeis fazer.

Na época de Jesus, cresceram muitos vinhedos, e todo mundo podia ver os vinhedos nas colinas ao redor das cidades. Embora o clima fosse bem quente e a terra seca, as videiras podiam permanecer vivas porque as raízes se estendiam bem profundas dentro da terra. Os agricultores plantaram as videiras em filas, deixando espaço entre as filas para que pudessem passar o arado. Normalmente, as videiras eram podadas duas vezes durante o ano. A primeira vez que o agricultor podava as videiras era cedo no ano de crescer (fevereiro-março) e as videiras eram cortadas, até pareciam ser galhos secos e mortos. O agricultor podava as videiras pela segunda vez quando elas já tinham muitas folhas (agosto). Na segunda vez, o agricultor cortava todos os novos brotos e outros ramos mortos, os quais não produziriam fruto. Desta maneira, os ramos principais que produziriam fruto poderiam receber nutrição do tronco principal.

Videiras e vinhedos se tornaram especiais entre os Israelitas, pois, muitas vezes no Antigo Testamento, o SENHOR comparou o seu povo à videira. No Salmo 80, o SENHOR chama Israel de uma videira que foi transplantada do Egito para que crescesse no solo mais rico em Canaã (Salmo 80). Em Isaías 5 e 27, o SENHOR comparou Israel a um vinhedo que foi preparado por Deus para que produzisse fruto. Porém, nestas passagens também, o SENHOR estava mostrando a Israel, que, embora o agricultor (o SENHOR) tivesse preparado todas as coisas perfeitamente, o povo de Deus não produziu fruto bom; eles não deram graças a Deus pelo misericórdia de Deus. Por isso, o SENHOR deixou o vinhedo para os inimigos, que destruíram o vinhedo. Em Marcos 12, os líderes na Igreja foram chamados “lavradores maus” porque eles não mostraram respeito para o Dono do vinhedo (O SENHOR). Jesus disse que o vinhedo seria dado a outros.

Precisamos entender o contexto de João 15, quando Jesus disse: “Eu sou a videira verdadeira”. Com essas palavras, Jesus está ensinando ao povo de Deus que Ele é o verdadeiro Israelita. Ele é o homem que cumpre toda a obediência que faltava anteriormente no meio do povo de Deus; Ele guardou os mandamentos perfeitamente (v.10); Ele produziu fruto bom que dá prazer ao agricultor. Com essas palavras também, Jesus ensina que, por causa da sua obediência, por causa do fruto dele, Ele se tornou o meio da salvação em lugar da nação de Israel. Jesus anunciou uma mudança no meio da salvação. No Antigo Testamento, ninguém poderia ser salvo sem uma ligação à nação de Israel e ao templo – cada pessoa precisava estar ligada com o vinhedo escolhido por Deus (por meio do nascimento ou por meio da assimilação). Mas o povo pecou e recusou a Deus. O agricultor puniu a nação de Israel e agora, no nosso texto, Jesus disse que Ele (no singular) é a videira verdadeira – a mais importante ligação depois da vinda de Cristo é a ligação a Jesus. Todo mundo tem que se juntar a Jesus para ser salvo.

Em João 15:1, o Senhor Jesus introduziu uma nova figura ou metáfora, e cada homem, mulher e criança têm que entender as Suas palavras: “Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor”. Qual era a tarefa do agricultor? Ele tinha que podar as videiras, e cada ramo estava debaixo do julgamento dele. O agricultor olhou e decidiu quais ramos poderiam ficar e quais ramos teriam que ser cortados. A decisão foi feita com base na produção dos ramos – ramos infrutíferos eram cortados e queimados (v.2); se um ramo produziu apenas pouco fruto, as partes infrutíferas eram cortadas e queimadas e o ramo era limpado (v.2). Somente os ramos que tinham uma boa ligação com a nutrição do tronco e produziam fruto podiam ficar na videira. O que esta metáfora significa?

Jesus fala claramente no versículo 5 quando disse: “Eu sou a videira, vós, os ramos”. Naquele momento, Jesus estava falando com os seus discípulos logo antes da seu morte. Os discípulos aprenderam que teriam muitas dificuldades nas suas vidas depois da saída de Cristo, mas, como Igreja de Cristo, como corpo dele, eles tinham que permanecer no ensino e na obediência de Cristo. Os discípulos se tornariam o novo Israel, o começo do vinhedo com base no tronco que é Cristo Jesus. Para o futuro da Igreja do Novo Testamento, era muito importante que os discípulos permanecessem em Cristo. Com a metáfora do vinhedo, também Jesus os lembra da punição dos Israelitas do Antigo Testamento. Essas palavras especialmente se aplicam ao coração de Judas Iscariotes e, com essas palavras, Jesus está advertindo Judas que o agricultor cortaria Judas da videira se ele não se arrependesse.

A Igreja do Novo Testamento, a nossa verdadeira igreja aqui hoje, foi estabelecida nos apóstolos e profetas, e assim a igreja é uma parte da mesma videira, baseada no tronco que é Cristo. Até hoje podemos chamar a Igreja de Cristo de a videira, e depois de muitos anos, podemos nos chamar de os ramos. O versículo 5 se aplica às nossas vidas também. E o que aprendemos? Que o agricultor (que é o Senhor) continua olhando os ramos, e continua decidindo sobre como melhorar o vinhedo, e a base do julgamento é a ligação entre a videira e os ramos, ou seja, entre Cristo e o corpo dele. Os ramos que estão ligados com a videira vão produzir fruto, então o agricultor está olhando para o fruto. Aprendemos que o Pai celestial julga cada pessoa com base na relação dela com Cristo Jesus. Essa ligação fica clara por meio do fruto.

Vocês entendem o que isso significa para vocês? Jesus nos mostra que existem apenas duas realidades possíveis – ou você é uma pessoa que permanece em Cristo e produz uma quantidade do fruto, ou você é uma pessoa que não permanece em Cristo e não produz fruto. Uma pessoa é conhecida pelos seus frutos – não importa o quanto ele fale ou até se jacte de Cristo, não importa quanta confiança ou calma ele experimente – se não existe fruto na vida dele, o Pai celestial verá a falta de fruto e cortará este ramo da videira. Pensemos sobre o agricultor no vinhedo – imagine que você seja o agricultor – qual é o seu desejo? Que os ramos produzam frutos. E como incito os ramos a produzirem fruto: por podar os ramos secos e por limpar os ramos infrutíferos. A comparação é simples. Deus está olhando para os ramos da videira para que cortem ou melhorem os ramos infrutíferos.

E temos que observar que o texto se aproxima das nossas próprias vidas de forma bem íntima; as palavras de Jesus chegam à porta da Igreja, no meio do povo pactual. Pois quem é podado pelas tesouras do Pai? A quem Deus cortará? O versículo 2 deixa claro: “Todo ramo que, estando em mim, não der fruto, ele o corta”. Jesus não disse: “Ele corta todo ramo que nunca me conheceu”, mas o ponto de partida no ensino de Jesus é que o ramo está na videira, no tronco! Jesus está falando com linguagem pactual. Jesus está ensinando o povo de Israel mesmo. Estar “em Cristo” é estar na esfera do trabalho e das promessas de Cristo, ou seja, estar entre os filhos dos crentes que têm sido instruídos na fé santíssima. Muita gente nasceu com as promessas de Cristo significadas no batismo; muita gente tem recebido os selos e sinais da promessa da salvação em Cristo – e Deus diz: você mostra que você está ligado realmente só por meio do fruto na sua vida: por meio da sua gratidão, suas ofertas, sua freqüência nos cultos, sua alegria e amor. Madeira morta não está ligada a Cristo; e se alguém tem vida e fruto, essas coisas se originam de Cristo. Só Jesus Cristo é a origem da vida no coração.

A figura da videira que Jesus nos dá mostra que estar em Cristo significa estar em um lugar no qual podemos receber alimentação e nutrição de Cristo, assim como o ramo recebe nutrição do tronco da videira. Então a pergunta é: Como estamos ligados a Cristo? Como podemos produzir fruto? Como podemos permanecer em Cristo? Jesus nos ensina que precisamos estar ligados a Ele de forma real e viva. Isso acontece quando cremos que Jesus é o nosso único Senhor e Salvador. Falamos sobre essa ligação no Dia do Senhor 7 – somos enxertados em Cristo, pela verdadeira fé.

No versículo 3, Jesus disse aos seus discípulos: “Vós já estais limpos pela palavra que vos tenho falado” e mais tarde, no versículo 7, Jesus fala sobre “permanecendo n’Ele e as suas palavras permanecendo em nós”. Isso é o primeiro meio de ligação – os que permanecem em Cristo têm a palavra de Cristo dentro dos seus corações; a palavra não é somente algo que se precisa aprender e observar, mas os que permanecem em Cristo utilizam a palavra de Cristo como um instrumento para se avaliar e se transformar. Pensamos sobre as palavras de Paulo em Colossenses 3:16: “Habite, ricamente, em vós a palavra de Cristo; instruí-vos e aconselhai-vos mutuamente em toda a sabedoria, louvando a Deus com salmos, e hinos, e cânticos espirituais, com gratidão, em vosso coração”. A palavra de Cristo habita ricamente nos nossos corações, assim como a seiva do tronco entra nos ramos, quando “obedecermos os seus mandamentos e permanecermos no seu amor” (João 15:10, 13, 14). Permanecer em Cristo é ser obediente ao mandamento d’Ele, receber amor e mostrar amor, e viver como amigos de Cristo (v.15).

Oremos para que a palavra de Cristo permaneça ricamente nos nossos corações, porque oração também fortalece a nossa ligação com a videira. Nos versículos 7 e 17, Jesus fala sobre a nossa conversa com Deus no nome de Cristo. Os que estão orando em nome de Cristo regularmente, estão confiando no trabalho d’Ele e dependendo completamente da ajuda d’Ele. Às vezes mostramos onde fica a nossa confiança quando buscamos ajuda de outras coisas – quais dificuldades e desafios não levamos a Deus? É porque não confiamos em Deus para essas coisas? Jesus disse claramente aos seus discípulos: “Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes, e vos será feito” (v.7). Observemos, também, que somente os que permanecem em Cristo vão orar – a ligação é essencial. Veja versículo 16: “Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrario, eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda”. Podemos orar e receber os nossos pedidos quando estamos permanecendo em Cristo e produzindo fruto – o Pai celestial nos ouve com base na nossa ligação com Cristo. O fruto confirma que o SENHOR está atentivo às nossas orações porque o fruto nos mostra que estamos em Cristo e Cristo permanece no amor do Pai celestial, com todos os que pertencem a Ele (v.10). Entendemos a importância da nossa ligação com Cristo? Entendemos quanto importante é ser um membro do corpo de Cristo, da verdadeira Igreja universal?

A revelação da graça de Deus, o evangelho para todo mundo, é que Jesus é a videira verdadeira e só Ele pode salvar a raça humana que caiu no pecado. Ele se chama “Salvador” porque nós, ramos que não podem produzir fruto de forma natural, nós, ramos que estão destinados ao fogo, esses mesmos ramos podem produzir fruto em Cristo! Jesus disse: “Eu vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça” (v.16). No versículo 4, Jesus começa com o vinhedo: “Não pode o ramo produzir fruto de si mesmo, se não permanecer na videira” . Então, Ele fala sobre a nossa própria vida – sua vida, minha vida – e as palavras ecoam nas nossas mentes: “Nem vós podeis dar o fruto, se não permanecerdes em mim. Eu sou a videira, vós, os ramos. Quem permanece em mim, e eu, nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer” (vv.4b, 5). Fixe seus olhos nesse versículo, olhe bem, pense sobre as palavras de Jesus mesmo, sem Ele nada podeis fazer. Não pode fazer nada para sua própria salvação!

O que há com os milhões que adoram um deus diferente, ou fazem parte duma religião diferente? Eles têm que estar unidos a Jesus Cristo pela verdadeira fé – se não fizerem isso, não poderão produzir frutos que sejam agradáveis aos olhos do SENHOR. O que há com os que nunca ouviram a verdade? A resposta é inquietante – mas é declarada claramente no capítulo anterior, João 14:6: “Ninguém vem ao Pai senão por mim”. Percebamos a urgência da missão, e de falar com todos os descrentes nas nossas vidas, mostrando as riquezas da fé cristã: há salvação em Cristo. O que há com os que se chamam Cristãos (até no nosso próprio meio), mas não vivem uma vida de oração, não obedecem ao mandamento de amor explicado nos 10 mandamentos, não dão ofertas ao SENHOR, não frequentam os cultos e não podem mostrar os frutos de gratidão que vêm na vida dos que estão realmente ligados a Cristo? Nenhum ramo pode produzir fruto em si mesmo, “Todo ramo que, estando em mim, não der fruto, ele o corta”. Os salvos permanecem em Cristo, orando para que não impeçam o trabalho do Espírito Santo nos seus corações, e amando o seu próximo como si mesmos.

Agora, não devemos julgar os corações dos outros – focamos os nossos próprios corações, e reconhecemos que só Deus é juiz. Quem é o agricultor é o SENHOR. O povo da aliança vem de vidas diferentes, e culturas diferentes. Existem tipos de fruto diferentes em cada situação diferente, e é difícil julgar. Ademais, João 15 fala sobre o processo de limpar (v.2) – Deus precisa limpar e podar muita gente que está em Cristo mas não está produzindo bem o fruto. Sim, eles estão produzindo, mas têm que produzir mais. Até os ramos que estão quase secos, com poucas pequenas frutas, não estão sem esperança. Deus é um bom agricultor que ama o vinhedo, e Deus, que é misericordioso, prometeu que não esmagará a cana quebrada e não apagará o pavil que fumega (cf. Cânones de Dort, I, 16). Pelo contrário, o SENHOR estimula crescimento, incita a intensidade da chama, e nos ajuda a produzir fruto. Sim, há um processo de podar. E quando o SENHOR corta todas as coisas que impedem a nossa união com Cristo, às vezes, isso fere. Deus tira as coisas prejudiciais (por exemplo: hábitos desagradáveis, palavrões, música pecaminosa); e o SENHOR corta as atividades que machucam o nosso relacionamento com Jesus (por exemplo: os relacionamentos com as coisas do mundo). Sim, Ele humilha os orgulhosos, tira as distrações que vêm do mundo, e nos faz sofrer com doenças, e dificuldades no nosso trabalho (dar alguns exemplos) para que aprendamos a confiar n’Ele. E no processo, o SENHOR trabalha nos nossos corações pelo Espírito Santo na leitura e pregação da palavra e dos sacramentos, tocando os nossos corações até nos arrependermos; e assim, Ele prepara um ramo que pode produzir fruto. Um ramo que permanece em Cristo – um ramo com vida.

Irmãos e irmãs, a congregação em Recife está sendo podada mais e mais por Deus. O ramo recebe vida só da videira, só de Jesus. Em Cristo, temos muitos benefícios, e, pelo poder do Espírito Santo, começamos a produzir fruto. Debaixo da mão e tesouras do agricultor, somos refinados, limpados, melhorados e preparados – nesse processo, a santificação é visível. Começamos por crer em Jesus como o nosso único Salvador – e então estudamos a palavra e os mandamentos d’Ele – e reconhecemos a mensagem gloriosa da aliança, que os nossos próprios filhos pertencem à aliança e têm as promessas de vida em Cristo – os ensinam a seguir Cristo fielmente, sem Cristo nada podeis fazer. O Pai é o agricultor – Jesus Cristo é a videira verdadeira – e nós somos os ramos. Permaneça em Cristo, e produzirá muito fruto.

Hoje podemos celebrar a Santa Ceia. Santa Ceia nos mostra a nossa ligação a Cristo. Se você não pode participar hoje, porque você não é um membro da verdadeira igreja de Cristo, ou porque você está vivendo no pecado sem arrependimento . Você tem que pensar. Você está fora da salvação em Cristo e não tem parte no reino eterno de Cristo. Esta Santa Ceia está advertindo você de forma bem clara ao mostrar a natureza da sua eternidade – não há salvação se você permanece endurecido. Ao mesmo tempo, Santa Ceia é uma declaração maravilhosa para os membros do corpo de Cristo. As crianças podem olhar em conjunto com os pais fiéis e podem reconhecer a graça de Deus para todos os crentes e os seus filhos em Cristo. A nossa ligação a Cristo Jesus é uma ligação que dá vida, a vida eterna de Jesus. Porque, em verdade, Maria deu à luz um filho e lhe pôs o nome de Jesus, porque ele salva o seu povo dos pecados deles.

Amém.

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

Compartilhe!

Pr. Julius VanSpronsen

Pastor da Igreja Reformada em Surrey, Colômbia Britânica. Desde 2008, serve as Igrejas Reformadas do Brasil como plantador de igrejas. B.A. Trinity University, M.Div. Theological College of the Canadian Reformed Churches.

Deixe um Comentário