Pregação preparada pelo pastor Laylton Coelho
Leituras: Êxodo 24:1-11; Isaías 9:1-7; Marcos 15:22-39

Texto: Dia do Senhor 06

Amados irmãos no Senhor,

As escolas são locais onde nós aprendemos muitas coisas. Nas escolas, os professores utilizam vários recursos para que os alunos aprendam um determinado assunto. Estes recursos podem ser de vários tipos: fotografias, filmes, documentários, experiências científicas, entrevistas com determinadas pessoas, análise de objetos curiosos, passeios e etc. Todas estas coisas – todos estes recursos didáticos – são excelentes para que os alunos possam aprender um determinado assunto. Quando um aluno vê alguma coisa, quanto ele escuta um determinado som, quanto ele pega em um objeto, então ele aprende com mais facilidade. Isto acontece porque as “portas de entrada” do conhecimento estão sendo utilizadas. Estas “portas de entrada” do conhecimento são os nossos sentidos: a visão, a audição, o paladar, o tato e o olfato.

Mas, meus irmãos, por que eu estou dizendo estas coisas? A resposta é porque, em certo sentido, na época do Antigo Testamento, Deus utilizou vários recursos para ensinar e promover a fé do seu povo. Logo no início da humanidade, Deus prometeu a vinda de um Salvador. Mas enquanto ele não chegava, Deus anunciou várias vezes e de diversas formas a vinda daquele que salvaria o seu povo dos seus pecados. Deus queria que a sua igreja estivesse preparada para receber o Messias.

É justamente sobre isso que trata o domingo 6. Falando a respeito do nosso Senhor Jesus Cristo como o Salvador prometido, a pergunta e a resposta 19 dizem assim: “P.19. Como você sabe disso? R. Pelo santo evangelho, revelado pela primeira vez no Paraíso pelo próprio Deus. O qual o fez proclamar depois pelos patriarcas e profetas, e prefigurar, como sombras, pelos sacrifícios e outras cerimônias da lei. Fazendo-o, por fim, ser cumprido por meio do Seu único Filho”.

O catecismo diz que Deus proclamou o evangelho a respeito de Jesus Cristo pela boca dos patriarcas e dos profetas e também por meio de figuras e de sombras. A igreja do Antigo Testamento viu, ouviu, tocou, comeu e cheirou determinadas coisas que anunciavam a vida e a obra de Jesus Cristo. Cada sacrifício, cada cerimônia e cada anúncio profético eram direcionados para que a igreja do Antigo Testamento aprendesse sobre o Messias e cresse no filho de Deus que viria a este mundo. Um exemplo disso, nós encontramos nas três leituras bíblicas que ouvimos nesta manhã. Essas três leituras estão inter-relacionadas e confirmam a promessa dada por Deus lá no Éden a respeito do Messias.

Irmãos, Deus disse no jardim do Éden que o Messias viria para ferir a cabeça da serpente. O Messias viria para trazer derrota ao instigador de todo o mal – o diabo. E como o Messias faria isto? É exatamente isto que nos mostra os textos de Êxodo, de Isaías e de Marcos.

A primeira leitura bíblica que nós lemos foi Êxodo 24:1-11. Esta passagem bíblica mostra o dia em que Deus firmou a sua aliança de salvação com a igreja que saiu do Egito. Para salvar a sua igreja, Deus fez uma aliança com ela. Uma aliança marcada com sacrifício, uma aliança marcada com sangue. Em Êxodo 24, cumprindo a ordem de Deus, Moisés se levantou de madrugada e construiu um altar ao pé do monte Sinai. Ele também levantou doze colunas para simbolizar as 12 tribos de Israel. Então, logo em seguida, vários bezerros foram mortos. Isto era necessário, pois a aliança de salvação precisava de sacrifícios e de sangue.

Irmãos, quando uma aliança era feita, geralmente um sacrifício também era realizado. O objetivo era deixar claro para as partes envolvidas que aquele que quebrasse a aliança morreria como aquele animal. Era isto que estava acontecendo aos pés do monte Sinai. Deus estava fazendo uma aliança muito séria. Uma aliança de salvação marcada com sacrifícios e derramamento de sangue. Se o povo quebrasse a aliança, então ele deveria sofrer a punição pela quebra da aliança.

Porém, meus irmãos, aqueles animais mortos não anunciavam somente o tipo de castigo preparado para os quebradores da aliança. Aqueles animais também anunciam o Messias. Os animais mortos e o sangue derramado falavam do Messias – o nosso Senhor Jesus Cristo! Mas… Como foi que Cristo foi anunciado por meio daqueles sacrifícios? Vocês devem ter observado que alguns animais foram mortos no lugar daquelas pessoas. Os bezerros foram usados na cerimônia como substitutos do povo. Aqueles animais indicavam que o Messias iria substituir a sua igreja na hora de receber o castigo pelos pecados contra a Lei de Deus.

Naquele dia, Jesus Cristo foi anunciado para os crentes do Antigo Testamento. A igreja do deserto viu a morte de Cristo diante dos seus olhos. A igreja do deserto ouviu as palavras da salvação anunciadas por Moisés. A igreja sentiu cheiro de sangue. Sangue que apontava para o sangue de Cristo. E desta forma, meus irmãos, Deus mostrou que o Messias prometido lá no Éden seria dado como sacrifício para salvação do seu povo. Naquele dia, a igreja do deserto aprendeu que somente por meio de um sacrifício substitutivo ela poderia se aproximar do Deus Todo-Poderoso.

Agora vamos para a segunda leitura bíblica realizada nesta manhã. A segunda leitura bíblica foi Isaías 9:1-7. Vamos ler este texto novamente. Prestem bem atenção. Em Êxodo 24, o Messias foi anunciado como “o sacrifício pelos pecados”. Mas, no texto de Isaías, o Messias foi anunciado como aquele que seria homem e Deus ao mesmo tempo. Isso mesmo! Por meio da profecia de Isaías, a igreja do Antigo Testamento aprendeu que aquele que seria sacrificado não seria somente um ser humano, mas ele também seria o próprio Deus.

Para deixar claro que o Messias seria um ser humano, Isaías disse: “Porque um MENINO nos nasceu, um filho se nos deu”. E para mostrar que o Messias também seria o próprio Deus, Isaías disse o seguinte sobre o menino que iria nascer: “e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, DEUS Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz”.

Vocês ouviram, meus irmãos? Aquele que seria sacrificado no lugar da igreja seria HOMEM e DEUS ao mesmo tempo. Desta forma, por meio dos sacrifícios do Antigo Testamento, Deus disse que o Messias viria a este mundo para ser sacrificado em lugar do seu povo. E, por meio de um profeta, Deus disse que o Messias seria verdadeiro homem e verdadeiro Deus ao mesmo tempo. Ao usar os sacrifícios, as cerimônias e os anúncios proféticos do Antigo Testamento, Deus fez com que a sua igreja olhasse, escutasse, cheirasse, comesse e sentisse como seria o seu Salvador. O Salvador precisa ser homem verdadeiro e Deus verdadeiro. E ele tinha que morrer pelo seu povo. Isto nos leva à terceira leitura bíblica desta manhã.

A terceira leitura foi Marcos 15:22-39. Neste texto, nós encontramos a ligação daquilo que foi ensinado em Êxodo com aquilo que foi ensinado pelo profeta Isaías. Portanto, a terceira leitura é a confirmação do que foi dito no Antigo Testamento sobre o Messias. O evangelho de Marcos mostra o Senhor Jesus Cristo sofrendo e morrendo na cruz do calvário. Ali, naquela cruz, Jesus Cristo cumpriu o que foi anunciado a respeito dele. Naquela cruz, estava aquele que viria para ser sacrificado no lugar da igreja. Ele era o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Ele era o verdadeiro homem e o verdadeiro Deus anunciado pelo profeta Isaías. Quando lemos os evangelhos, nós encontramos o cumprimento final da promessa anunciada por Deus lá no jardim do Éden. Na cruz do calvário, Jesus Cristo estava sendo ferido no calcanhar. Mas, além disso, ele também estava ferindo a cabeça da serpente e salvando o seu povo.

Então, como vocês perceberam, o nosso catecismo anuncia exatamente estas verdades encontradas nas 03 leituras bíblicas. O nosso catecismo fala de figuras e cerimônias anunciando a Cristo. O catecismo fala que o Messias tinha que ser homem verdadeiro e Deus verdadeiro. Ele também diz que o Messias é o nosso Senhor Jesus Cristo. Ao ser homem verdadeiro e justo, o Senhor Jesus pode cumprir a exigência de que um ser humano deve pagar pelos pecados dos outros seres humanos – um homem morrendo por outros homens. E, ao ser Deus verdadeiro, o Senhor Jesus Cristo pôde suportar todo o peso da ira de Deus, e assim conquistar uma salvação de valor eterno – o Deus Eterno conquistando uma salvação eterna.

Meus irmãos, essas verdades mexem com todos nós. Essas verdades nos deixam constrangidos diante de tão grande salvação. É impossível ficarmos parados diante do amor e da misericórdia de Deus. Portanto, ouçam como essas verdades se aplicam em sua vida:

Em primeiro lugar: Guarde bem, na sua mente e no seu coração, aquilo que você aprendeu hoje. Você aprendeu que a Sagrada Escritura ensina que a salvação é somente por meio do Messias. Não há outro modo de salvação além da morte substitutiva de Cristo. Se você reconhece seus pecados diante de Deus, e se você reconhece a ira de Deus por causa dos seus pecados, então você também deve reconhecer a sua incapacidade de salvar a si mesmo. A salvação só é possível pela morte de Jesus Cristo. Então, creia nele como o seu salvador. Creia em Cristo como aquele que morreu em seu lugar e que recebeu o castigo que você merecia.

Em segundo lugar: Preste atenção, se a Escritura ensina que é somente pelo Messias que você é salvo, então não aceite qualquer ensinamento que lhe diga o contrário. Não aceite que nenhum outro nome (ou qualquer outra coisa) seja colocado acima de Jesus, ou ao lado de Jesus. Os santos não podem ajudar você. As suas obras também não podem ajudar você. Nada além de Jesus Cristo pode ajudar você. Se alguém confia na intercessão dos santos, ou em suas boas obras, esse alguém está misturando o nome de Jesus Cristo com outras coisas. Misturar o nome de Jesus Cristo com outras coisas é dizer que a morte do Messias não foi suficiente.

Em terceiro lugar: Se você confia somente em Jesus Cristo, então faça aquilo que agrada a Jesus. Busque o Reino de Deus e a Sua Justiça todos os dias. Fuja do pecado. Não desobedeça a Lei de Deus e nem as leis dos homens. Ore todos os dias. Leia a Escritura diariamente. Ensine o evangelho aos seus filhos. Não chegue atrasado e não falte aos cultos. Se alguém chega atrasado, ou não vem ao culto quando poderia vir, então essa pessoa está demonstrando que não tem consideração por aquele que o salvou. Então, não faça isso. Não menospreze aquele que morreu por você. Não deixe que a televisão, o futebol, uma viagem, ou a visita de amigos e parentes afastem você da presença do seu Salvador. Todos os domingos, o Senhor Jesus está aguardando você para adorá-lo junto com os demais irmãos da igreja.

Em quarto lugar: Tenha cuidado para não pisar no sangue da aliança que Deus fez com você. Você foi recebido nesta igreja porque você professou que era um cristão de verdade. Um cristão de verdade não vai profanar o seu batismo e nem a santa ceia do Senhor por meio de uma vida de pecados. Tenha cuidado, pois Deus é fogo consumidor (Hb. 12:29) e irá castigar todos aqueles que não levam o Reino dos Céus a sério.

Em quinto lugar: Se você confia verdadeiramente no Senhor Jesus Cristo, se você confia na sua obra de salvação, e procura cumprir os seus mandamentos, então descanse no Senhor. Saiba que Jesus conhece as suas fraquezas e que ele sabe das suas lutas contra o pecado. Assim, para você que leva o Reino dos Céus a sério, Jesus diz: “Eis que estou convosco todos os dias até a consumação do século”.

Que o SENHOR nos abençoe.

Amém.

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

** Este sermão foi originalmente escrito para uso do pastor e não passou por correção ortográfica ou gramatical.

Pr. Laylton Coelho

Pastor na Igreja Reformada em Imbiribeira.