Pregação preparada pelo Pr. Kenneth Wieske

Leitura: Lucas 10.25-28

Texto: Dia do Senhor 02

Amados em nosso Senhor Jesus Cristo,

 

Você já viu seu reflexo num espelho? Se for um espelho bom, vai mostrar você como você é, verdadeiramente. Às vezes, um espelho até nos mostra uma verdade que preferíamos não saber! Nós nos sentimos ainda muito jovem, mas o espelho mostra a realidade: sem misericórdia, o espelho nos mostra as linhas no rosto, e os fios de cabelo branco.

Mas, há também espelhos que mentem. Se você já entrou numa casa de espelhos, você sabe que existe espelhos que podem torcer a verdade. Uns podem nos mostrar muito mais magro do que nós somos; outros nos mostram muito mais gordo do que é verdade. Uns podem nos mostrar muito mais alto do que nós somos; outros nos mostram muito mais baixo do que é verdade.

Irmãos, o homem em seu estado natural está vivendo numa casa de espelhos. Ele está se enganando—ele está percebendo várias impressões acerca dele mesmo, e ele acha que estas impressões são reais e verdadeiras! Este engano não é acerca do seu estado físico. É muito mais séria do que isto: o homem está se enganando quanto ao seu estado espiritual. Ele está se enganando acerca do estado da sua alma!

Quando nós, seres humanos, queremos saber acerca da nossa bondade, da nossa justiça, qual é o espelho que nós usamos?

a. Primeiramente, nós nos comparamos com os outros homens. E com certeza, quando fizermos isto, parece que nós somos até pessoas boas! Quase todo mundo pode achar alguém que é pior do que ele. Portanto, o homem natural diz: “Eu não roubo, como Fulano. Sou menos adúltero do que Beltrano. Nunca falei tantas mentiras do que aquele político corrupto. Então, realmente não sou tão ruim!”
b. Em segundo lugar, nós nos comparamos com a reputação que temos ou que imaginamos que temos nos olhos dos outros. Se todo mundo me acha uma pessoa boa, eu acabo acreditando nisso. E mesmo se muitos me acham uma pessoa injusta, eu posso me enganar tanto que na minha cabeça eu fico com uma impressão completamente diferente de me mesmo.

Assim, o Adolph Hitler, apesar de ser um simples cabo, cheio de ódio, e um assassino de milhões de pessoas inocentes, foi aclamado pelo povo Alemão como um grande general, e o salvador de Alemanha. E ele realmente acreditava que ele era assim, somente porque todo mundo o tratava assim.

Assim, o Al Capone, um dos piores bandidos nos Estados Unidos no século 20, apesar de ser um homem mau, um ladrão, um bandido, um malfeitor, um assassino, um marginal—ele pensava que ele era realmente um homem de honra, um homem misericordioso e bom para com a sociedade. Por que? Porque ele dava leite a muitas crianças pobres na cidade de Chicago.

Irmãos, neste mundo caído, que é uma verdadeira casa de espelhos, nós homens gostamos de nos enganar acerca da nossa verdadeira condição. Você e eu, nós nos comparamos com outras pessoas piores, nós olhamos nossa reputação nos olhos dos outros, ou em nossa própria imaginação, e acabamos pensando, “Não sou tão ruim.”

Mas Deus, em sua misericórdia, colocou neste mundo mais um espelho. Agora, este espelho—diferente do que todos os outros!—mostra a verdade sobre o nosso estado. E esta verdade é uma verdade terrível. Este espelho nos mostra nossa profunda miséria. Portanto, o homem não quer olhar seu reflexo neste espelho!

O que é este espelho que me mostra minha profunda miséria? É “a lei de Deus” (PR 3).

A lei de Deus me mostra minha miséria para me dirigir para o Cristo.

Isto é a mensagem do Domingo 2. Não devemos esquecer o que confessamos no Domingo 1: para viver e morrer tendo Jesus Cristo como meu único conforto, devo saber minha miséria, salvação, e gratidão. Então, apesar de ser um assunto bastante desagradável, lembremos que é necessário saber da nossa miséria, para que possamos viver completamente consolados no Senhor Jesus Cristo.

Agora, como a Lei de Deus mostra minha miséria? É simplesmente o seguinte: a Lei de Deus mostra a perfeição que Deus exige de nós. A Lei mostra que Ele requer de nós um amor perfeito.

Nem precisamos entrar nos detalhes da Lei: não matarás, não adulterarás, não furtarás, etc. Já o resumo da Lei de Deus deixa bem claro a perfeição que Deus exige de nós, e a total falta de condições de nossa parte de cumpri-la.

O que Deus requer de nós é bem simples: Ele requer amor: amor para com Deus, e amor para com nosso próximo. Agora, isto não é um amor de vez em quando, não é um amor somente quando for conveniente, mas é um amor total!

“Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento.” Quando Jesus fala as mesmas palavras em Marcos 12:30, Ele acrescenta: “… e de toda a tua força.”

Quer dizer, com todo o meu ser, devo amar Deus, e semelhantemente, o meu próximo. “Coração, alma, entendimento, e força” compreendem todo o meu ser, toda a minha vida—meus desejos, minhas intenções, meus pensamentos, minhas emoções, meus atos—minha vida inteira deve ser dedicada a amar Deus e o meu próximo.

Mais que observamos nosso reflexo nesta Lei perfeita, mais que entendemos a realidade terrível acerca de nós: eu não sou assim! De forma alguma! Não consigo! Jesus disse, “Faze isto e viverás”, mas minha experiência, e a Palavra de Deus mostram claramente que eu não tenho condições de fazer isto. Então, não tenho condições de herdar a vida eterna.

Até o homem mais ímpio não pode negar que ele não consegue sempre, totalmente amar a seu próximo; quanto menos amar a Deus! Mas a nossa experiência nos mostra apenas um pedaço pequeno da horrível realidade que é nossa! A Bíblia deixa bem claro qual é a nossa situação perante a Lei de Deus:

“Maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas escritas no livro da Lei, para praticá-las”. (Gálatas 3:10).

“Qualquer que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos.” (Tiago 2:10)

“Ora, sabemos que tudo o que a lei diz, aos que vivem na lei o diz para que se cale toda boca, e todo o mundo seja culpável perante Deus, visto que ninguém será justificado diante dele por obras da lei, em razão de que pela lei vem o pleno conhecimento do pecado.” (Romanos 3:19,20)

Você entende a sua situação? Jesus diz, “Faze isto e viverás! Quer herdar a vida eterna? É simples: amar Deus, e amar o seu próximo.” Mas, minha experiência, e a Palavra de Deus mostram claramente que não tenho condições nenhumas para cumprir esta exigência da Lei de Deus. E, portanto, não tenho condições nenhumas para herdar a vida eterna.

Esta falta de condições não é apenas algo temporário, não é um pequeno problema que pode ser logo resolvido. É minha natureza. Por natureza, eu sou o oposto do que Deus exige.

Tenho que amar Deus com todo meu coração? Impossível! A Bíblia diz que é “continuamente mau todo desígnio do meu coração.” (Génesis 6:5)

Tenho que amar Deus com toda a minha alma? Impossível! A Bíblia diz que é mau o desígnio íntimo do homem desde a sua mocidade. (Génesis 8:21)

Tenho que amar Deus com todo o meu entendimento? Impossível! A Bíblia diz que o pendor (literalmente, a mente ou o entendimento) da carne é inimizade contra Deus, pois não está sujeito à Lei de Deus, nem mesmo pode estar. (Romanos 8:7)

E, quanto ao dever de amar meu próximo, a Bíblia diz (Tito 3:3): “Pois nós também, outrora, éramos néscios, desobedientes, desgarrados, escravos de toda sorte de paixões e prazeres, vivendo em malícia e inveja, odiosos e odiando-nos uns aos outros.”

®

Eis o nosso reflexo no espelho da Lei de Deus! Não é muito agradável, meus irmãos. Mas é muito bom conhecer a verdade. Muito bom mesmo.

Imagine um homem morrendo de câncer. Os pulmões estão cheios da doença; ele está tossindo. Ele está morrendo. Agora, imagine que o homem vai para o médico, e este diz, “É apenas uma gripe! Não se preocupe—vai passar!”

O que vai acontecer com este homem? Ele vai morrer… com certeza! Pois, ele está se enganando quanto à seriedade da sua doença. Portanto, ele se contenta com um remédio que não responde às suas necessidades! Se, porém, o médico diz: “Você está morrendo. Você precisa logo fazer cirurgia, e fazer tratamento de radiação…”, isto não seria muito agradável. Mas, pelo menos o homem vai procurar um remédio que responde à sua necessidade!

Irmãos, da mesma forma é bom para nós quando a Lei de Deus nos mostra claramente nosso estado perdido e miserável! Por que? Porque isto deixa bem claro que não adiante nada colocar nossa fé em soluções rasas. A nossa situação é gravíssima: por isto, devemos procurar uma solução profunda e poderosa.

É por isto que Deus coloca em nossa frente o espelho da Sua Lei. Ele quer nos mostrar como somos perdidos, mortos em nossos delitos e pecados. Assim, não dá para colocar nossa confiança em nos chamadas “boas obras”, não dá para procurar a nossa esperança em nós mesmos.

O pleno conhecimento da nossa miséria nos impulsiona para Jesus! ELE é claramente a nossa única esperança! Mais que percebemos a nossa miséria, mais que percebemos a glória do nosso Salvador! Ele é nosso único conforto, na vida e na morte!

Amém.

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

** Este sermão foi originalmente escrito para uso do pastor e não passou por correção ortográfica ou gramatical.

Compartilhe!

Pr. Kenneth Wieske

Pastor da Igreja Reformada em Surrey, Colômbia Britânica. Desde 2000, serve as Igrejas Reformadas do Brasil como plantador de igrejas. B.A. McMaster University, M.Div. Theological College of the Canadian Reformed Churches. Estudos em línguas originais no Institut Farel de L´Église Réformée du Québec.

Deixe um Comentário