Pregação preparada pelo Pr. Abram de Graaf

Leitura: Marcos 10.17-22; Salmo 49

Texto: Dia do Senhor 01

 

Queridos irmãos em Jesus Cristo,

Vocês são felizes? E por que sim? Ou, por que não? O que falta na sua vida? Por que você não é feliz? O que deixa um homem feliz? Dinheiro? Dinheiro deixa uma pessoa feliz? Parece! Quem tem dinheiro pode comprar o que quiser; e pode fazer o que quiser. Isso deixa muitas pessoas felizes. Mas esta felicidade dura para sempre? Esta felicidade é profunda? Podemos realmente comprar TUDO o que o nosso coração deseja? TUDO? Também a vida eterna?

A bíblia nos dá um exemplo dum homem que foi muito rico. Ele era riquíssimo. Podia comprar tudo o que queria. TUDO? Não, ele não podia comprar tudo. Ele não podia comprar a vida eterna. E por causa disso ele veio para perto de Jesus com esta pergunta: — Mestre, o que devo FAZER para conseguir a vida eterna? E Jesus lhe explica: –Faça a vontade de Deus. Obedeça aos mandamentos de Deus. O homem, ouvindo isso, fica muito feliz, pois ele cumpriu todos os mandamentos. TODOS? Sim todos! Ele cumpriu todos os mandamentos. Mas será que ele fez isso com amor? Jesus quer saber isso e por isso ele disse: –Falta mais uma coisa para você fazer: Vá, venda tudo o que tem e dê o dinheiro aos pobres e assim você será rico no céu. Depois venha e me siga. O homem, ouvindo isso, ficou muito triste. Ele descobriu a sua pobreza, quando ouviu as palavras do senhor. Apesar da sua riqueza, ele ainda era pobre. Ele tinha muito dinheiro, mas pouco amor. Ele podia viver de forma feliz, mas ele não podia morrer de forma feliz. E quem não pode morrer em paz, nunca vai viver em paz. Então a pergunta é: o que devemos saber para VIVER e MORRER EM PAZ?

  • 1° lugar: Devemos conhecer a nossa probreza;
  • 2° lugar: Devemos conhecer a riqueza de Cristo;
  • 3° lugar: Devemos ter certeza que esta riqueza é dada a nós por Deus

1. Devemos conhecer a nossa probreza

Irmãos, o nosso catecismo começa com esta pergunta fundamental: o que é o nosso único consolo na vida E na morte? O que nos dá paz no coração durante a nossa vida, mas também no dia em que a morte bate à nossa porta? Esta pergunta é uma pergunta dura, mas também real, irmãos. A morte é uma realidade na nossa vida. Pode ser que nós não queiramos saber disso; que neguemos esta realidade; ou que fugamos desta realidade, mas, um dia, pode ser amanhã, pode ser depois de muitos anos, a morte bate à nossa porta. Pois somos homens mortais. Nós VIVEMOS E MORREMOS. A nossa vida conhece os seus momentos de muita alegria, mas a nossa vida conhece também um lado triste: é A MORTE, que ataca de repente e termina a vida. Seja uma criança, seja um jovem, seja uma mãe de 5 crianças seja um idoso de 80 anos; Ninguém pode fugir da morte.

Para cada um aqui presente existe um dia em que a sua vida vai terminar; seja cedo, seja tarde. Nós não devemos negar isso; e nós não precisamos negar isso. A bíblia não nega, e o catecismo também não. De propósito o Catecismo fala sobre isso, pois o catecismo nos ensina a aceitar a realidade desta vida. Por causa disso ele coloca esta pergunta na sua vida hoje à noite: O QUE É A SUA SEGURANÇA E CONSOLO TANTO NA SUA VIDA, QUANTO NO MOMENTO DA SUA MORTE? Esta última parte é indispensável, pois se a pergunta só falasse sobre a nossa segurança nesta vida, nós poderíamos colocar um monte de coisas que nos dão segurança nesta vida: como emprego, dinheiro, uma casa própria. Há muitas coisas que nos deixam sem preocupações. Mas todas estas coisas não prestam se a morte bate à nossa porta. Quem se interessa por dinheiro, uma casa bonita, uma linda mulher ou emprego, se sabe que vai morrer daqui a um mês? Conheci uma pessoa que tinha trabalho, uma casa grande, uma mulher e filhos, tudo o que ele queria, mas tudo isso não tinha mas valor no momento que ouviu do medico que ele só tinha algumas semanas para viver. Sem saber, ele era muito doente e não podia ser curado. Naquele momento uma pessoa se interessa por esta pergunta: O QUE É O SEU ÚNICO CONSOLO TANTO NA VIDA QUANTO NA MORTE?

Deus fala sobre estas coisas, irmãos. Deus quer nos orientar nesta vida; Deus quer nos mostrar o caminho antes de morrer. Pense, por exemplo, no Salmo 49. Este salmo é um cântico sobre a vida. Um cântico que fala sobre a pobreza do homem que confia em si mesmo. O autor é como um profeta. Ele é inspirado pelo Espírito Santo, que abriu os seus olhos. Ele observou bem os homens. Ele observou os homens ricos, que andavam no mundo, orgulhosos e desembaraçados, porque tinham muito dinheiro e não eram dependentes. Eles se gloriavam da sua riqueza; eles podiam comprar tudo. TUDO, menos a vida. O autor observou os empresários e os comerciantes. Eles fizeram bons negócios. Ganharam muita grana. Foram espertos nos negócios. Mas eles não podiam negociar com a morte. E por causa disso o autor canta:

Não se preocupem quando alguém fica rico,
E a sua riqueza aumenta cada vez mais.
Pois, quando morrer, ele não pode levar nada;
A sua riqueza não irá com ele para a sepultura
Ainda que esteja contente com a sua vida,
E seja elogiado por ter sucesso,
Ele, quando morrer, vai reunir-se com os seus antepassados
No lugar onde a escuridão dura para sempre.
O ser humano, por mais importante que seja,
Não pode escapar da morte; Como os animais morrem, ele também morre.

São palavras impressionantes. Elas me tocaram, quando li. Especialmente considerando a minha vida. Moro numa casa grande. Tenho um carro, um bom salário, uma mulher e dois filhos. Tudo está andando bem, e estou feliz com tudo isso. Mas isso é o meu único consolo na vida E morte? Não, irmãos! Toda a nossa riqueza não vale. Diante de Deus somos pobres. Diante de Deus temos um grande débito por causa dos nossos pecados. E por causa desses pecados, por causa do nosso débito, somos castigados com a morte. Ninguém foge disso, como Deus nos revela neste salmo, dizendo:

Nenhum deles de modo algum pode remir a seu irmão, nem por ele dar um resgate a Deus, Pois a redenção da sua vida é caríssima, de sorte que os seus recursos não dariam; Para que continuasse a viver para sempre e não visse a cova.

Então, irmãos, a cova é o destino de todos. Porque Deus disse isso? Ele quer que fiquemos tristes e depressivos? Não! Deus não quer isso; Deus quer que abramos os nossos olhos e reconheçamos a realidade da nossa vida. Há pessoas que vivem e trabalham pensando que Deus não existe, que a morte não existe, e que não existe uma vida depois desta vida. Deus usa este salmo para nos mostrar que até um rico morre. E Ele nos mostra que não há salvação para quem confia em SI MESMO. Quem quer viver SEM DEUS perde a sua vida.

O salmo 49 nos mostra que há esperança para todos que vivem COM DEUS. Deus pode salvar a nossa vida. COMO Deus vai fazer isso, o salmo não revela. Mas ele crê NO FATO que Deus SALVARÁ a sua vida. O autor é como os outros profetas do Antigo Testamento. Eles inquiriram e indagaram diligentemente desta salvação (1 Pe. 1,10); Eles procuravam uma resposta para esta pergunta: O que é o seu único consolo tanto na vida como na morte? E a resposta deles é DEUS. E nosso Catecismo dá a mesma resposta: DEUS! Mas o Catecismo sabe mais do que o salmo 49, pois o catecismo é baseado na bíblia completa. O catecismo sabe COMO Deus nos salvará: Deus nos salvará em Cristo Jesus. Ele é o único Salvador. Então, conhecemos a nossa pobreza; E agora conheceremos:

2. Devemos conhecer a riqueza de Cristo

Então, irmãos, somos pobres diante de Deus. Nada temos que possamos oferecer a Deus para salvar a nossa vida. O homem rico tinha muito dinheiro, mas isso não ajudou a ele; Ele tinha feito muitas boas obras, mas isso não o ajudou; Ele devia se tornar pobre e seguir a Jesus Cristo. A única pessoa que podia dar a ele a vida eterna era o próprio Cristo.

Deus mandou o seu filho, Jesus Cristo, para dar a sua vida em resgate de muitos. Jesus mesmo disse isso em Mt. 20,28. Lá ele testemunhou: O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos. Jesus pagou o resgate; não com dinheiro, mas com a sua vida. O apóstolo Pedro fala sobre isso na sua primeira carta, dizendo: deves saber que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados [-], mas com precioso sangue, como de um cordeiro sem defeito e sem mancha, o sangue de Cristo!

O nosso Catecismo confirma isso e só repete o que está escrito na Bíblia. Cristo pagou completamente por todos os nossos pecados; Cristo nos dá a remissão completa de todos os nossos pecados. Devemos crer nisso. E devemos respeitar isso. Não podemos usar este conhecimento duma maneira errada, pensando que podemos pecar, pois Cristo nos dará a remissão completa de todos os nossos pecados. Há pessoas que usam isso como um passaporte que dá direito para pecar. Mas não é assim. Cristo não veio para nos dar a liberdade para pecar; Ele veio para salvar a nossa vida e para carregar a ira de Deus contra o pecado.

Antes da Santa Ceia devemos nos auto-examinar; devemos examinar a nossa vida; devemos ter consciência dos nossos pecados; devemos descobrir que a nossa vida NÃO PRESTA POR CAUSA DO PECADO. Quem descobre isso, quem descobre como a sua vida é SEM VALOR, ao mesmo tempo descobre o valor do sacrifício de Cristo; Somos mendigos diante Deus; não temos nada para nos justificar. Pedimos ajuda com a mão vazia, e Cristo pega esta mão e nos salva. Com Cristo somos ricos.

3. Devemos ter certeza que esta riqueza é dada a nós por Deus

Deus nos promete a remissão dos nossos débitos, perdão dos nossos pecados e a vida eterna. Deus nos promete essas coisas na bíblia. Lá está escrito que cada um que crê em Cristo não perderá a sua vida, mas receberá a vida eterna. Isso é a promessa que Cristo nos deu; Poderíamos dizer: este é o testamento dele. Um testamento é uma promessa. Um testamento é feito durante a vida duma pessoa; o testamento define o que deve ser feito com os bens dessa pessoa depois da sua morte. Cristo nos deu o seu testamento. Cristo decidiu que os bens dele, que ele conseguiu pela sua morte e pela sua ressurreição, quer dizer, a remissão dos pecados e a vida eterna, estes bens serão distribuídos entre aquelas pessoas que crêem nele. Esta promessa nós encontramos na Bíblia. E esta promessa é confirmada na Santa Ceia; Cristo nos ordenou celebrar a santa ceia para nos dar a garantia de que a remissão dos pecados e a vida eterna é para todos que crêem nele. Quando observamos a Santa Ceia descobrimos isso. O pão e o vinho são muito importantes na santa ceia. São sinais que nos lembram o corpo e o sangue de Jesus Cristo. Então, de fato Cristo está no centro da nossa atenção, quando celebramos a Santa Ceia; Cristo nos dá o pão e com isso a promessa: isto é o meu corpo que é dado por todos vós; Cristo fez uma aliança conosco. O vinho mostra isso; Cristo deu o vinho e disse: isso é a nova aliança no meu sangue. Faça isso em memória de mim.

A morte de Jesus Cristo serve para todos que recebem o pão e tomam o vinho. A benção do sacrifício de Cristo é para todos que crêem nele e que participam na mesa do Senhor. E quem recebe o pão e o copinho com vinho, sabe que a PROMESSA da remissão completa de todos os nossos pecados É TÃO REAL como o pão que recebemos. Dessa maneira Cristo quer fortalecer a nossa fé, concretamente e realmente com pão e vinho. O sacramento da Santa Ceia é como um selo, que nos garante a promessa de Cristo. A promessa de Cristo é realmente para nós, isso é tão real como o pão que pegamos e sentimos na nossa mão. O pão não é para todo mundo, mas só para aqueles que amam sinceramente a Jesus Cristo.

Amém.

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

** Este sermão foi originalmente escrito para uso do pastor e não passou por correção ortográfica ou gramatical.

Compartilhe!

Pr. Abram de Graaf

O pastor Abram de Graaf é “Doctorandus” (Drs) em Teologia e um dos professores do Instituto João Calvino (Aldeia, Camaragibe-PE). Ele é pastor da Igreja Reformada de Hamilton, Canadá, enviado como missionário às Igrejas Reformadas do Brasil, desde o ano 2000. É Diretor do Projeto Dordt-Brasil. Ele mora em Maceió e também desenvolve projetos nessa cidade.

Deixe um Comentário