Pregação preparada pelo Pr. Elso Venema

Leitura: 1º Crônicas 16.01-06

Texto: 1º Crônicas 16.01-06

CELEBRAR, EXALTAR E LOUVAR O SENHOR

Amada congregação do Senhor,

Os livros das Crônicas foram escritos numa época em que o povo de Deus estava bastante desanimado. Os inimigos tinham vencido o povo de Deus e tinham acabado com a liberdade deles. Isto aconteceu no ano 586 antes do nascimento de Cristo. Naquele ano os babilônios destruíram a capital Jerusalém e o templo, a santa casa de Deus. Eles levaram cativos milhares e milhares de membros do povo, deportando-os para a Babilônia. Eles acabaram com a economia de Israel. O país se tornou uma ruína, um matagal. Muitos começaram a viver só de lembranças. O que tinha sobrado da glória e do poder dos grandes reis Davi e Salomão era quase nada. Por isso podemos dizer que os livros das Crônicas foram escritos numa época de desânimo geral. Depois de 70 anos de cativeiro, o povo de Deus estava para voltar para seu país. Mas tudo estava destruído. Ninguém via futuro. Tudo precisava ser reconstruído. Foi naquela época que alguns profetas do Senhor compuseram e editaram os livros das Crônicas. Aqueles profetas, guiados pelo Espírito Santo de Deus, usando fontes confiáveis, escreveram os livros das Crônicas para mostrar como a misericórdia de Deus dura para sempre. Eles queriam mostrar que durante todos os séculos da existência do povo de Deus, sempre houve grandes calamidades, desastres e perseguições, mas que Deus nunca deixou de ser fiel a seus escolhidos. Eles queriam mostrar momentos do glorioso passado, para que o povo de Deus pudesse animar-se novamente.

Uma das coisas que muito chama a atenção nos livros das Crônicas são as informações sobre os cultos celebrados a Deus. Podemos notar o seguinte. Na época em que o povo de Deus era o povo mais forte do mundo, principalmente na época de Davi, os cultos estavam em alta. Quando Davi era rei, quando o povo de Deus dominava o mundo, quando eles recebiam impostos e tributos de todos os países vizinhos, quando o povo de Deus era um povo internacionalmente reconhecido e até temido, o povo de Deus cultuava com muito fervor e com alegria. Isto é um detalhe bastante importante, meus irmãos. Podemos notar neste momento que o povo de Deus, querendo dar a volta por cima, precisa, antes de mais nada, valorizar os cultos. O culto a Deus, onde o povo de Deus recebe a Palavra de Deus, onde o povo de Deus recebe a bênção do SENHOR, onde todos oram e louvam ao todo-poderoso Rei da terra, onde todos dão ofertas, é essencial. O que não pode faltar de forma alguma no meio do povo de Deus são os cultos, os quais devem ser alegres e em louvor ao santo nome do nosso Deus.

Quando o rei Davi estava construindo seu grande império, quando começou a vencer todos os inimigos e tomou posse da capital Jerusalém, construindo uma casa real para si e sua família, ele fez questão de reorganizar o culto. Já havia cultos e cerimônias. Os sacerdotes costumavam fazer sacrifícios diante do tabernáculo, o santuário de Deus que ficava em Gibeão. Portanto, já havia um culto organizado em louvor a Deus. Mas Davi, ao crescer em poder e glória, fez questão de reorganizar o culto. O culto que havia, ele achava pouco. Ele queria mais alegria, mais animação, mais Salmos e louvores, mas instrumentos e mais música. Pois Davi, meus irmãos, tinha um entendimento profundo. Ele entendia que o povo de Deus somente pode ser um povo próspero, alegre e forte quando o culto a Deus é prioridade. No mundo é diferente. No mundo, aquele que procura prosperidade e poder, só procura seus próprios interesses. Mas no Reino de Deus, há outra lei. A nossa lei é que devemos procurar em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça. Não é certo querer construir primeiro sua própria vida, para depois ver se ainda sobra tempo para Deus. Temos que fazer o contrário: Colocar Deus em primeiro lugar.

Irmãos, vejam o que Davi fez! Ao estabelecer-se em Jerusalém, ele decidiu trazer a arca de Deus para a cidade. Davi desejava ter a presença de Deus no centro do poder da vida pública. A arca era uma caixa de madeira, com cobertura de ouro, com dois querubins (anjos) em cima da tampa. Esta arca foi o sinal da presença de Deus. O próprio Deus estava assentado sobre os querubins, os quais formavam seu trono. Então o que Davi fez? Ele colocou o trono de Deus na capital Jerusalém. Ele colocou o trono de Deus no centro do poder, para que Deus reinasse em Jerusalém e no país inteiro. Irmãos, não há nada que traga mais ânimo do que isto. Não há nada que traga mais ânimo do que ter a presença de Deus, para poder cultuá-lo e louvá-lo constantemente. Quando estamos resolutos a colocar Deus em primeiro lugar, dá para ficarmos animados e alegres. Podemos ver isto também no novo Testamento, na primitiva igreja cristã no livro de Atos. Os irmãos estavam sempre unidos no templo, louvando a Deus com alegria, permanecendo na doutrina dos apóstolos, e celebrando a santa Ceia de casa em casa. Cristo estava no centro da vida dos irmãos. Por isso todos eram muito animados e alegres, enquanto o povo de Deus não parava de crescer em número e poder.

Irmãos, por que o livro das Crônicas relata estas coisas? Qual era a finalidade? Por que os livros das Crônicas até repetiram muitas coisas que também se encontram nos livros de Samuel e dos Reis? A finalidade principal era animar o povo de Deus. Os irmãos desanimados, que reclamam demais, que não têm alegria ou que têm saudade dos tempos passados, eles devem observar como em todas as épocas que o povo de Deus era forte e alegre, o culto a Deus estava em primeiro lugar. Isto é muito importante também para nós. Não podemos ser um povo forte e animado sem colocarmos o culto a Deus em primeiro lugar. Pois este é o caminho certo. Temos que valorizar, antes de mais nada, os cultos. Agora, podemos saber se de fato fazemos isto? Como podemos saber se estamos no caminho certo ou não? A resposta dada pelo livro das Crônicas, como também por outros livros da Bíblia, é bem interessante. Se vocês querem saber se o culto está sendo valorizado ou não, observem as ofertas. Vejam o caso de Davi. Ele deu grandes ofertas. Ele ofereceu muitos sacrifícios de animais. Foram presentes caríssimos. Davi não queria dar presentes baratos a Deus. Ele disse: “Eu não quero oferecer holocausto que não me custe nada” (1 Crônicas 21:24). Davi deu o melhor que tinha. Ele deu tanto, que até sobrou um monte de comida para o povo todo. O que podemos observar neste momento? Podemos observar que Davi valorizava Deus e que ele valorizava o culto a Deus e que por isso ele fez questão de oferecer ofertas dignas. A mesma coisa podemos observar no livro de Atos, quando a primeira igreja cristã crescia de dia em dia e quando todos estavam diariamente na casa de Deus. Muitos trouxeram grandes ofertas voluntárias, as quais foram depositadas aos pés dos apóstolos.

Irmãos, se há entre vocês quem esteja desanimado ou com saudades do passado, eu digo a vocês: Valorizem os cultos e sejam ricos em ofertas, para que o nosso culto seja em louvor ao nome de Deus. Quando as suas ofertas são tão generosas que até sobram recursos para os diáconos darem assistência aos necessitados, todos poderão ficar bastante animados. E mais uma coisa. Quando Davi reorganizou o culto, ele fez questão de valorizar o louvor no meio do povo de Deus. Por que ele fez questão disso? Por que ele promoveu Salmos, cânticos espirituais, corais e muitos instrumentos musicais? Será que Davi achava os louvores mais importantes do que a pregação da Palavra? Não, irmãos, Davi não achava isso. Davi não achava a Palavra de Deus de menos importância (depois vou explicar isso). Ele estava achando outra coisa. Ele estava achando que o povo de Deus, valorizando a presença de Deus no seu meio, valorizando o culto em louvor a seu santo nome, só pode ser um povo que canta louvores com música e alegria. Pois o que anima mais do que isto, meus irmãos, o que anima mais do que saber que o único Deus do céu e da terra está em nosso meio? Quando Deus está presente em nosso meio, o nosso culto não pode ser de jeito nenhum um culto frio ou um culto morto. Impossível, meus irmãos, pois quando Deus está em nosso meio, e quando nós o adoramos em Espírito e verdade, recebemos a vida eterna. Vamos então sempre alegrar-nos, meus irmãos, aqui na casa de Deus, com cânticos e louvores.

E a Palavra de Deus? Será que Davi, que ofereceu grandes ofertas, que organizou uma festa, que indicou irmãos para cantarem Salmos e para tocarem instrumentos, será que ele se esqueceu da Palavra? Será que ele deu menos valor a Palavra, e mais valor à animação? Não, irmãos! Davi não valorizava a animação e a alegria mais do que a Palavra. Aconteceu justamente o contrário. Davi estava animado e alegre por valorizar a Palavra de Deus! Pois onde Deus está presente, a sua Palavra está presente. Pois a presença de Deus não estava ligada a um móvel de madeira e ouro. A presença de Deus não estava ligada a um objeto visível, que se chamava arca. Deus está presente onde está presente a sua Palavra. Notem, meus irmãos, as últimas palavra de 1 Crônicas 16:6. Fala-se sobre “a arca da Aliança de Deus”. A aliança de Deus é de fato a lei de Deus. A aliança de Deus é a Palavra de Deus. Onde estava esta Palavra? Justamente, a Palavra de Deus, as duas tábuas da lei, estava dentro da arca! Ou seja, quando Davi trouxe a arca, ele trouxe não somente a presença de Deus, mas trouxe também a presença da Palavra de Deus.

Irmãos, neste momento dá para vocês entenderam por que Davi era tão alegre e animado, e por que ele quis ter cantores e músicos para louvar o nome de Deus. Esta alegria toda estava baseada na presença de Deus, que disse na sua santa Palavra: “Eu sou o SENHOR, teu Deus, que tirei da terra do Egito, da casa da servidão”! Eu sou o SENHOR teu Deus! Isto é a aliança de Deus. É a promessa de Deus! É a Palavra de Deus. Irmãos, será que existe algo que anima mais do que isto? Será que há algo que anima mais do que Deus que está presente, trazendo as promessas seguras da sua Palavra? Por isso digo a vocês, irmãos, se animem, pois Deus está aqui também. Sabemos isto com certeza, pois o que temos aqui é a Palavra do Senhor. A sua vida pode ser uma vida difícil, meus irmãos. Vocês podem ter perdido a animação ou podem ter saudades do passado. Mas animem-se! Reconstruam, se necessário for, a sua vida e a vida da igreja, com alegria e disposição, dando ofertas generosas, ofertas dignas para o Senhor Deus, louvando-o com cânticos e música! Vocês têm o mais importante. Vocês têm a Palavra do Senhor, a qual permanece para sempre. Deus está aqui.

Reflitam sobre a receita de Davi para vencer o desânimo. Quando o povo de Israel voltava do exílio, todos eles desanimados e arrasados, os livros das Crônicas mostraram-lhes como Davi, o mais poderoso rei de todos, valorizou o culto, inclusive as ofertas e os louvores. Esta é a receita certa, meus irmãos. Valorizem vocês também os cultos e busquem antes de mais nada o Reino de Deus. Recebam e retenham a Palavra com carinho, deixando que Deus ponha o seu trono no seu coração, para que vocês possam ser alegres e agradecidos, transbordando de boas obras e ofertas. Não importam as dificuldades, pois as dificuldades passam. Não importam os grandes problemas, pois os grandes problemas um dia pertencerão ao passado. O que importa antes de mais nada é ter Deus em sua vida. Assim dá para ser um povo alegre e forte, um povo unido e rico em louvores. Que Cristo reine sobre vocês com sua Palavra e com seu Espírito. Que Cristo, através da sua Palavra e do seu Espírito, transforme a vida e o coração de vocês. Assim dá para vocês serem cristãos animados e alegres. Assim dá para vocês, apesar de tudo, serem cristãos frutíferos e ricos em boas obras e ofertas, para a honra e a glória de Deus, e para o bem da igreja.

Amém.

___________________________________________________________________________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

Compartilhe!

Deixe um Comentário