Sermão preparado pelo pastor Jim Witteveen
Leitura: 01 Tessalonicenses 05.01-28
Texto: 01 João 02.12-14

Amada Congregação do Nosso Senhor Jesus Cristo,

Nos últimos dois sermões nessa série, vocês ouviram exortações para se examinarem. Ao percorrermos lentamente este segundo capítulo de Primeiro João, seguimos o caminho do apóstolo, suas advertências, e aplicamos essas exortações a nós mesmos. João quer que nós apliquemos certas provas a nós mesmos, provas pelas quais podemos examinar nossa posição na fé cristã.

Há duas semanas, analisamos a primeira prova: Aquele que diz: Eu o conheço e não guarda os seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade (1 João 2.4). Poderíamos chamar esse versículo a prova moral do cristão – a prova da obediência. Você guarda seus mandamentos? Se você não o fizer e disser que o conhece, você é um mentiroso. João é tão claro – Ele não mede nenhuma palavra.

Então, na semana passada, aplicamos a segunda prova a nós mesmos: “Aquele que diz estar na luz e odeia a seu irmão, até agora, está nas trevas” (1 João 2.9). Essa prova podemos chamar de “prova social” do cristão – a prova do amor por nosso irmão e nossa irmã. Você ama seus irmãos? Se você não fizer isso, não importa o mínimo que você afirme que está na luz, ainda está na escuridão. Mais uma vez, é simples assim.

Estas são palavras fortes. Há algumas advertências muito fortes, muito sérias, implícitas nessas palavras, palavras de Deus dadas a nós por meio de Seu servo João. Este foi um sério chamado ao auto-exame, nos moldes das palavras do Apóstolo Paulo em 2 Coríntios 13.5:

“Examinai-vos a vós mesmos se realmente estais na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não reconheceis que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados.”

E podemos ter reagido de diferentes maneiras a essas provas, dependendo de nosso estado espiritual, dependendo de diferentes coisas acontecendo em nossas vidas, diferentes lutas que temos. Você pode ter se preocupado que não esteja cumprindo a prova. Você pode ter se perguntado se é possível sustentar esse tipo de prova. Você pode ter examinado sua vida, achou que está menos que deve ser, e resolveu fazer melhor. Você pode ter ouvido esses avisos e dado graças a Deus pela evidência de Seu trabalho em sua vida. Somos todos diferentes, estamos todos em lugares diferentes em nossa caminhada cristã, e todos reagimos e respondemos de maneira única à mensagem da palavra de Deus.

E o apóstolo João sabia disso. Ele deu duas provas e está prestes a entrar em sua terceira prova do cristão, a prova doutrinária, nos versículos 18 a 27 deste capítulo. Mas agora, nos versículos 12 a 14, ele faz uma digressão. Ele coloca as ordens para nós nos examinarmos ao lado por um momento, e ele segue em frente – mas ele procede para voltar – para voltar ao alicerce, para voltar à base para essas ordens. Porque João sabe que aqueles que receberam essas advertências, e levaram à sério essas advertências, podem ter perguntas. Ele sabe que ele pode ter levantado algumas questões sérias nas mentes de seus fiéis leitores, em nossas mentes, quando nós mesmos passamos por essas palavras.

E assim vemos a mesma coisa acontecendo aqui que encontramos em muito do Novo Testamento – nunca temos mandamentos sem fundamento. Nunca recebemos exortações sem base. Nunca encontramos uma lista de ordens sem uma explicação do evangelho. Porque é inútil passar por todas essas injunções morais sem lembrar a base para essas coisas. Somos chamados a amar o Senhor, a mostrar nosso amor para com Ele, obedecendo a Seus mandamentos. Mas como podemos fazer isso? Por que devemos fazer isso? Somos chamados a amar o próximo como a nós mesmos. Mas como é possível? Como podemos fazer isso? E por que deveríamos fazer isso?

Nós vemos o mesmo padrão no quinto capítulo da primeira carta de Paulo aos tessalonicenses, nossa leitura. Nós vemos lembretes de quem somos. O contexto das exortações de Paulo em 1 Tessalonicenses é diferentes; em 1 Tessalonicenses 5, esse apóstolo está dizendo a seus leitores que estejam preparados para o dia vindouro do Senhor. Ele está dizendo a eles para serem quem são, para viver como as pessoas que se tornaram em Cristo. E assim que ele encoraja a eles, e a nós. Vocês são filhos da luz, filhos do dia. Nós pertencemos ao dia. Deus não nos destinou para a ira, mas para obter a salvação através de nosso Senhor Jesus Cristo. Ele morreu por nós para que pudéssemos viver com ele. Aquele que se chama é fiel.

Isto é quem você é. Isto é o que você se tornou. Portanto, com base nisso, como um fruto disso, portanto, viva na luz. Ande na luz. Se alegre. Ore sempre. Evite o mal.

Estes não são imperativos morais, ordens moralistas, que não têm base. As Escrituras nunca dão ordens morais aos incrédulos. Martyn Lloyd-Jones escreveu o seguinte:

“Praticar a ética cristã é difícil para o cristão, mas é impossível para o mundo; portanto, não há uma única exortação ética na bíblia para uma pessoa que não está na posição cristã.”

A exortação de fazer a coisa certa, de viver de acordo com os mandamentos de Deus, nunca é divorciada da mensagem do evangelho. Nossa mensagem não é: “Seja uma pessoa melhor.” Qualquer mensagem como essa que a igreja tenta dar ao mundo está condenada a fracassar desde o início, porque o mundo não tem base, não tem fundamento para se apoiar, para dar a eles aquele encorajamento. A mensagem é para nós, como povo de Deus. Faça o que é certo. Viva de acordo com os mandamentos de Deus. Obedeça a Sua Palavra. Seja santo. Porque – porque você pertence a Cristo, porque você é filho do Pai no céu, pela fé.

E essa é a mensagem de João aqui nesses três versículos. Ele se dirige a três grupos de cristãos – crianças, jovens, e pais. E João não está falando sobre grupos de pessoas de certas idades – ele está falando sobre pessoas que estão em diferentes estágios em sua vida cristã. As crianças são crianças na fé, aquelas que ainda estão no primeiro estágio de sua caminhada cristã. Elas podem ter mais perguntas, mas elas também ainda têm aquele primeiro amor, a primeira excitação que vem de conhecer a Cristo. Os jovens são aqueles que estão no auge de sua vida cristã. Eles chegaram a algum crescimento, a alguma maturidade. Eles estão ativamente envolvidos na batalha, eles estão engajados numa guerra espiritual total. Mas eles não estão no nível dos “pais.” Essa excitação juvenil original pode ter diminuída, mas eles estão fortes na fé. Eles construíram sobre o fundamento sólido da Palavra de Deus, eles alcançaram um nível de maturidade em sua caminhada com Deus.

E João se dirige a cada grupo duas vezes – ele quer enfatizar o que está dizendo. Ele quer falar nos termos mais fortes possíveis. Filhos, ele escreve, eu estou escrevendo para vocês porque seus pecados são perdoados por causa de Cristo e Sua obra. Eu escrevo para vocês porque vocês conhecem o Pai.

Pais, estou escrevendo para vocês porque vocês conhecem Aquele que é desde o princípio – vocês conhecem a Cristo, a Palavra, que estava no princípio com Deus, que é Deus.

E jovens, estou escrevendo para vocês porque vocês superaram o maligno. Vocês são fortes. A Palavra de Deus habita em vocês. E novamente, vocês superaram o maligno.

Essas palavras de encorajamento são dirigidas a grupos específicos dentro da congregação cristã, mas são aplicáveis a todos. Elas nos mostram quem somos, o que nos tornamos em Cristo. E enquanto normalmente não precisamos entrar nos caprichos da língua grega, a língua original do texto, para explicar seu significado, aqui o grego subjacente é importante, em cada um das frases. Porque há uma forma especial que João usa aqui repetidamente – o perfeito.

Quando João diz, “os vossos pecados são perdoados,” o que ele está realmente dizendo é: “Os vossos pecados foram perdoados, e eles são perdoados.” Quando ele diz, “Conheceis aquele que existe desde o princípio,” ele está dizendo: “Vocês conheceram aquele que é desde o princípio, e continuam a conhecê-lo.” Quando ele diz, “Tendes vencido o Maligno,” ele está dizendo: “Vocês venceram o maligno, e aquela ação continua até o presente. “Sois fortes” – se tornaram fortes, e essa força ainda está presente hoje. Essa forma do perfeito fala de uma ação no passado, uma ação que continua a ter um impacto no presente.

E isso é importante. Porque João está falando sobre o que nos tornamos, em Cristo. Através do único sacrifício de Cristo na cruz, e através da nossa fé nele, nós nos unimos a Ele. Essa é uma ação passada. Mas é uma ação passada que tem um impacto no presente. Não é apenas algo que aconteceu no passado, é algo que continua a ser importante até os dias atuais, e algo que continuará a ter seu impacto enquanto estivermos vivos. Nossa posição foi alterada. Nós fomos perdoados, por causa de Cristo. O perdão não é algo para ser duvidado. Na verdade, é pecado duvidar que fomos perdoados. Nós conhecemos Aquele que é desde o princípio. Nós vencemos o maligno. É uma vitória do passado, através da fé em Cristo, e é uma vitória real. Mas enquanto isso é uma superação que aconteceu no passado, é algo que continua ao longo desta vida – nós continuamos a superar, pela fé.

O fato é que nós mudamos. Essa é a base para todas essas exortações. Se fôssemos simplesmente pessoas não regeneradas, pessoas do mundo, pessoas não unidas a Cristo, todas essas exortações morais, como eu disse, seriam absolutamente inúteis. Mas como é, como nós somos, como nos tornamos verdadeiramente, essas exortações morais são significativas, porque nosso status foi mudado. Podemos amar o Senhor e obedecê-lo. Nós podemos amar nosso próximo. Vamos ter dificuldades? É claro que, enquanto estivermos deste lado da nossa glorificação final, sempre vamos lutar. Mas o fato é que, como ensina nosso catecismo, temos um início da nova obediência que Deus requer, e esse princípio é operado em nós pelo Espírito Santo, enviado pelo Pai e pelo Filho.

E assim, estas palavras são escritas para nos consolar. Quando ouvimos, “Quem odeia o seu próximo ainda está na escuridão,” pode nos assustar. Pode nos levar a nos perguntar se somos cristãos na verdade. Mas lembre-se – estas palavras são dirigidas a nós; elas são dirigidas a pessoas que têm fé no Salvador crucificado, ressuscitado e ascendido. Quando ouvimos que aquele que não guarda os mandamentos de Deus realmente não conhece a Deus, pode nos levar a duvidar nossa posição. Mas os seus pecados são perdoados – não por causa de quão bom você é, não porque você guarda os mandamentos de Deus, não porque você ama o próximo, mas pelo amor de Deus! Você conhece aquele que é desde o princípio! Você venceu o maligno! Você conhece o Pai! Você é forte! A Palavra de Deus habita em você!

E essas palavras também são escritas para nos encorajar. Elas são escritas para nos mostrar que é verdadeiramente possível viver a vida cristã, por causa do que o Pai fez, ao enviar Seu Filho; por causa do que o Filho fez, ao dar a vida por nós; por causa do que o Espírito Santo faz, operando em nossos corações. Sejam fortes! Sejam corajosos! Não é em seu próprio poder que vocês podem fazer essas coisas, é em Cristo, pelo poder do Espírito! Não é uma questão de força de vontade, de mente sobre matéria, de apenas tentar mais, de tentar ser uma pessoa melhor, de lutar no seu próprio poder – é uma questão de saber quem você é, em Cristo! Você é uma nova criatura! Seus pecados são perdoados, por causa do Seu nome!

E finalmente, estas palavras são escritas para tirar quaisquer desculpas que possamos inventar. Ouvindo essas exortações, para guardar os mandamentos de Deus, para amar nosso próximo como a nós mesmos, poderíamos apenas dizer, “É impossível. Eu não posso fazer isso. Portanto, eu nem vou tentar.”

Podemos nos desculpar. “Bem, eu sou um pecador. Fui concebido e nasci em pecado, estou sujeito a todos os tipos de miséria, essa é a minha desculpa, e vou continuar a manter isso.”

Como cristãos, temos a tendência de consolar uns aos outros, dando um tipo de falso conforto, dizendo, quando pessoas caem, “Tudo bem, somos todos pecadores, todos nós fazemos isso, todos nós caímos.” Mas a mensagem de João é diferente. Ele está nos dizendo, em termos inequívocos, para que não percamos: Você superou o maligno! Você é forte em Cristo! Você conhece o Pai! A Palavra habita em você. Você é um templo do Espírito Santo! Você não tem desculpa e não tente se desculpar. Porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade (Filipenses 2.13).

Que encorajamento temos! No final, quando se trata disso, em sua base, nossa segurança é baseada no próprio Senhor. Nosso perdão é baseado não em nós mesmos, mas no nome do Senhor Jesus Cristo. Nossa força não está em nós mesmos, mas naquele que nos fortalece, o Senhor Todo-Poderoso! Nossa confiança não está em carne e osso, mas no Verbo feito carne. Fomos feitos novos. Somos novas criaturas. Podemos estár confiantes. Podemos ter coragem. Podemos ser fortes. Podemos nos livrar de nossas desculpas e do nosso auto-engano, porque é Cristo que está operando em nós. Estamos nele, Ele está em nós, e vencemos o mundo. Esse é o nosso encorajamento, essa é a nossa força.

Além de Cristo, todas essas coisas são impossíveis. “Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte” (Romanos 8.1-2). “Pois todos vós sois filhos de Deus mediante a fé em Cristo Jesus; porque todos quantos fostes batizados em Cristo de Cristo vos revestistes” (Gálatas 3.26-27).

Como obedecemos ao Senhor? Como amamos nosso próximo? Como nós corretamente entendemos e aplicamos a Palavra de Deus? No final, tudo se resume ao que Cristo fez, o que Cristo faz, e o que Cristo continuará a fazer por todos aqueles que nele confiam. Muitas vezes, no Novo Testamento, vemos aquela frase repetida, “em Cristo” – não desprezam essas palavras. Lembrem-se o que elas significam. Pela fé, vocês foram unidos a Cristo.

Portanto, meus irmãos, na batalha contra o mundo, contra o maligno e contra a carne, sejam corajosos. Segam fortes. Fiquem firmes. Não se desesperem. Não façam desculpas. Não olhem para si mesmos.

Os vossos pecados são perdoados, por causa do seu nome.

Conheceis aquele que existe desde o princípio.

Tendes vencido o Maligno.

Conheceis o Pai.

Conheceis aquele que existe desde o princípio.

Sois fortes.

A palavra de Deus permanece em vós.

Tendes vencido o Maligno.

E Como? “Não por força nem por poder, mas pelo meu Espírito, diz o SENHOR dos Exércitos” (Zacarias 4.6).

Amém.

___________________________________

* Exceto onde o contrário esteja explícito, todos os conteúdos deste site estão licenciados sob uma Licença Creative Commons “Atribuição – Não Comercial – Sem Derivados 3.0 Não Adaptada“.

** Este sermão foi originalmente escrito para uso do pastor e não passou por correção ortográfica ou gramatical.

Compartilhe!

Pr. Jim Witteveen

Pastor missionário das igrejas reformadas do Brasil e diretor do Instituo João Calvino.